sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

A bola de papel


Ontem, esteve “na moda”, nas redes sociais, ironizar sobre a ideia anunciada pelo município lisboeta de passar a punir, com multas, quem deitar periscas de tabaco ou pastilhas elásticas para o chão. Foi o bom e o bonito! Logo surgiram fotografias de sacos de lixo e carros em segunda fila, numa forma de “whataboutism” que, lá no fundo, quer dizer: “enquanto houver um carro mal estacionado, o município não tem legitimidade de nos chatear com essas regras de civilidade”, considerando-as talvez uma bizarria, como se houvesse uma qualquer prioridade temporal na observância das normas de educação e respeito social.

Lembrei-me então de algo que um dia se passou comigo na Noruega, quando para lá fui viver, em 1979. Eram as primeiras semanas da minha vida no estrangeiro e essa é talvez a razão por que fixei bem o incidente.

Eu tinha ido a uma estação de correios em Bogstadvein, perto da embaixada, levantar uma carta registada. À saída, abri ansiosamente o envelope, que logo amachuquei numa bola, ao mesmo tempo que caminhava pelo passeio. Com a atenção concentrada na leitura da carta, tenho quase a certeza de que foi deliberadamente que deitei ao chão, numa esquina, a pequena bola de papel. Continuei a andar. Uns segundos depois, ouvi a voz de uma mulher dizer algo alto, em norueguês. Era para mim. Tratava-se de uma senhora bastante idosa, a quem devo ter retorquido com uma interjeição qualquer em inglês, talvez “what?”. E foi também em inglês que ela me respondeu, entregando-me a bola de papel, como se de algo valioso se tratasse: “Deixou cair isto. É seu”. Fiquei “passado”! 

Aprendi a lição. E tenho absoluta certeza de que, nestes quase 40 anos que passaram desde esse dia, nunca mais deitei um papel ao chão numa rua.

16 comentários:

Nelson Rocha disse...



E verdade e verdade amiga!

Remember Wiriyamu you coward? Our country of portugal was a Destroyer of all civilizations where we set foot! PT started the Slave Trade in 1441 and genocied millions of Indigenous, black, and brown peoples; not to mention the portuguese inquisition. We were the Cruelest Country Around bacalazinho meu!

https://www.h-net.org/reviews/showpdf.php?id=48115

Nao opinião sobre isso??? Só quer falar de andar em portugal
e nada mais? todo mundo rico?

E putugal que do que? E o mesma merda e pior povo no mundo! E verdade e verdade amigos! Ler meu blog pa mais informaciao, obrigado amigos meus (L)(L)(L)

Ahhhh putugal, putugal, putugal! Sempre, sempre, sempre chorando e chorando e chorando e chorando por tudo, sempre! Tudo mundo sabe que putugal e o pior merda no mundo, tudos! E mais na palavra "luso' e uma invencao! Tudo nossa historia e fenotipo e Cigano e Arabe. Nao somos lusos. E mais, e melhor que tudo putugal sei uma provincia do Espanha e pronto!

E nao trabalhos, sempre ficar nas sopas dos pobres tudos dias. Putugal e em estado do merda e nao fix. E verdade e verdade amigos. Esperamos que um tipo de mudança positiva aconteça em Putugal, pois mais de 50% da população, por necessidade, tem que ir às sopas dos pobres para comer. E também, uma melhora no crescimento dos empregos, já que eles estão no país. Por esta razão, muitas pessoas já vão para suas ex-colônias para buscar uma vida melhor e não retornam. Putugal está realmente atolado na merda e ninguém quer fazer nada sobre o assunto. Eles preferem viver em mentiras, o que é isso?

Que opina amigos?

Francisco Seixas da Costa disse...

à 1:18 deve haver muita ganza por aì, não é?

Luís Lavoura disse...

Os portugueses, mesmo aqueles que não gostam de lançar lixo para o chão, estão convencidos de que uma beata não é lixo. Uma beata pertence a uma categoria especial que, não sendo uma coisa útil nem uma propriedade, não é lixo. Por isso, pode legitimamente ser lançada para o chão!

Anónimo disse...

Não vejo o interesse de FSC publicar a porcaria do comentário de 01:18. Se fosse possível ridicularizar o seu autor, ainda vá lá... Agora, não o sendo, parece-me que acaba por lhe dar publicidade (ao comentário). Se o conteúdo do comentário fosse remotamente de extrema direita FSC teria - em prol da decência e da democracia -, aplicado uma higiénica censura. Assim, passa. Adiante...

A questão do lixo deitado à rua e que levou muitos a gozarem com o caso tem a ver com - mais uma vez, como sempre! -, os idílicos acharem que neste país tudo se resolve com leis e multas. ora, se há coisa que marca o país é o facto de as leis não serem cumpridas e as autoridades fecharem os olhos às prevaricações, pelo que mais leis, apenas significam mais lixo (legal).

FSC tem conhecimento de muitas pessoas multadas por passearem os cães sem trela? E pitbuls, deixou de os ver andarem livremente nas ruas? E os referidos carros em cima do passeio, notou grandes melhorias ou interesse da PSP em tratar do caso? Vai passar a chamar o carro-patrulha quando vir alguém deitar papéis para o chão? É que as autoridades só se mexem por queixa. Isso ou, eventualmente, um polícia não gostar da cara do cidadão e resolver aplicar uma lei que 99% é esquecida.

Já acabaram com aquela lei dos anos 80 que proibia as pessoas de andarem na rua com auscultadores? Ainda me arrisco...

Anónimo disse...

Isto fez-me lembrar uma história que ouvi há anos, não sei se mítica, de uma senhora que estava na Suiça, acho que investigadora universitária ou professora, emigrante qualificada, digamos assim. De tão irritada com os hábitos de limpeza dos suiços, que ela achava obsessivos, fazia uma pequena revolta pessoal quotidiana, deitando papelinhos para o chão sempre que tinha oportunidade, de forma matreira. Dava-lhe sobretudo gozo fazer isso em casa de suiços para onde era convidada. Desde que estivessem mais convidados, claro ;)

Heitor Araujo disse...

Os escandalizados de hoje que experimentem ir a Singapura largar lixo (beatas, ou outra coisa qualquer) no chão. Vão-se aperceber rapidamente de que o civismo também se ensina por decreto.

Marta Texeira Santos disse...

Os verdades soulamente amigos, os verdades fala nosso amigo Nelson Rocha! Em portugal tudo e uma merda muito, muito Grande! MUITO Grande! Nao trabalhos, economia e lixo e tudo e um desastre, um Chao! E nimguma pessoa fala sobre isso? Nada de nada amigos!

putugal e uma verdadeira merda agora! E verdade e verdade!

António disse...

Se não há cinzeiros nas ruas onde querem que depositemos as beatas acesas? Nos cestos do lixo, que é para arderem? E 1500€ de multa, hein? Uau. Eu diria que 15€ seria pedagógico, 150€ extorsivo, 1500€ é...socialista. E note-se que não sou fumador.

Portugalredecouvertes disse...

Acho que fazem bem,
trata-se de espaços comuns que devem ser bem tratados por todos :)
então, se houver digamos eventual "castigo", digamos que é possível que as pessoas assimilem melhor e passem a considerar que se trata de uma obrigação !
vemos o caso dos automobilistas que param nas passadeiras quase automaticamente, já não custa nada, foi um "avanço civilizacional" e que contribui para a segurança dos peões.

Anónimo disse...

Para falar de reprimir o lixo, a CML tem que, com freguesias ou não, fazer recolhas sérias, o que não tem acontecido.

A restauração abusa (essa, para além da porcaria que faz à porta, sobretudo em fins de semana, como se não chegasse a total fuga ao fisco, com pequenas excepções - e não há fiscalização, aleatória, claro…) e os munícipes, ao contrário dos do Porto, não sentem a cidade como sua e é também uma desgraça.

Quanto às «beatas» a CML comprou uns contentores de papéis, fixos a postes, com uma coisa que dizem ser «cinzeiro»... Nem vale a pena comentar, porque se pensa logo que quem comprou aquela porcaria está à espera que aram todos, para comprer mais.. Tenham dó!

Anónimo disse...

FSC continua a dar publicidade a um louco sofrendo de lusofobia.

Volto a dizer: se fosse um tipo de extrema direita, era logo banido mas, como é um louco numa cruzada para ofender Portugal, FSC permite.

Anónimo disse...

Antes das multas às pontas dos cigarros e das pastilhas elásticas, há que multar e duramente, os có-cós (vulgos cagalhões)do cães, que agora pegou moda, ter um ou mais em apartamentos e que é raríssimo, ver um dono, com o saquinho, para apanhar o có-có do animal. As crianças não podem desfrutar de brincar nos jardins públicos, pois encontram-se frequentemente "cagados de fresco". O nosso povo é de facto, muito pouco civilizado. E os exemplos que conheço, são de zonas de residentes de média alta!.

Helder Postiga Gomes disse...

Tems muita racao Marta, muita!

Agora nao trabalhos em portugal. Sopas dos pobres tudos dias e muita fome em suas familias. Politicos? Nao quer saber nada de isso, nada. Portugal e uma merda 100%

Anónimo disse...

A sério FSC, vai mesmo tornar a sua caixa de comentários no recreio de um louco que anda a criar diversos perfis para encaminhar as pessoas para sites racistas anti-portugueses? A coisa já vai no ponto em que o perfil 2 "Helder Postiga Gomes", responde ao perfil 1 "Marta Teixeira Santos". Acha que é isto a liberdade de expressão?

Portugalredecouvertes disse...

também recebi comentários esquisitos, mas não segui os links

Meco Rebelo disse...

"A liberdade de expressao" ajajajaja!!!

Eu penso que e um portuguesito do merda que nao tem um trabalho em portugal!
E muitos nao tem trabalhos em portugal e verdade!