domingo, maio 12, 2024

Palestina

 

Ver aqui.

2 comentários:

Joaquim de Freitas disse...


Entre o Mar Mediterrâneo e o Rio Jordão, os palestinos e os israelenses estão em números aproximadamente iguais. Mas os israelitas possuem tudo: riqueza, terra, água, direitos políticos.

A Palestina está a ser deliberadamente estrangulada e a sua sociedade está a ser destruída. A desigualdade é flagrante e institucional.

E os Estados Unidos nisso tudo? Este é talvez o maior mito político americano em que todo candidato presidencial insiste a ponto de enjoar durante as campanhas eleitorais.

Barak Obama disse que os Estados Unidos têm uma relação especial com Israel, diferente daquela com qualquer outro país. Ele descreveu esta amizade como “inabalável”, eterna” e “única”, “ancorada num interesse comum e em valores comuns profundos”.

O seu rival, Mitt Romney, foi ainda mais longe, dizendo que “não há a menor diferença entre nós e o nosso aliado Israel”. Um recente slogan eleitoral de Romney, após a sua visita de Verão a Israel, exaltava esta “relação profunda e preciosa”.

Mas embora estas declarações pareçam ser expressões de um aparente consenso em Washington, a realidade é que esta preciosa amizade é apenas um conto de fadas. Foi transmitida por políticos para mascarar as suspeitas – e as numerosas traições e enganos – que marcaram esta relação desde a criação de Israel.

Os políticos podem preferir expressar o seu amor eterno por Israel e dar-lhe milhares de milhões de dólares em apoio anual, mas as autoridades de segurança dos EUA - pelo menos a nível privado - sempre consideraram Israel como um parceiro com quem devemos ter cuidado.

Esta desconfiança tem sido particularmente difícil de esconder quando se trata do Irão. Israel tem exercido pressão constante sobre Washington, aparentemente na esperança de forçá-lo a apoiar um ataque conjunto a Teerão para impedir o que Israel vê como uma tentativa iraniana de construir uma bomba atómica sob a cobertura de um programa de energia civil.

Os meios de comunicação social concentraram-se na animosidade pessoal entre Obama e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, mas, na realidade, são os responsáveis ​​dos EUA no seu conjunto que estão em profundo desacordo com Israel sobre esta questão.

Recordo a furia de Mitterrand quando soube da historia das vedetas de Cherburg, roubadas pelos israelitas "au nez et la barbe" dos franceses ! Os americanos também tiveram a sua dose!

Durante o Verão, actuais e antigos funcionários da CIA reconheceram que o sistema de segurança dos EUA sempre viu Israel como a sua maior ameaça de contra-espionagem no Médio Oriente.

O espião mais famoso que trabalhou para Israel foi Jonathan Pollard, um oficial de inteligência naval, que entregou milhares de documentos confidenciais a Israel na década de 1980. Os repetidos pedidos de Israel para a sua libertação levaram a atritos constantes com o Pentágono e não apenas porque os oficiais da Defesa não acreditam nas promessas de Israel de não empregar mais espiões em solo americano.

Pelo menos dois outros espiões foram identificados nos últimos anos. Em 2008, um ex-engenheiro do exército dos EUA, Ben-Ami Kadish, admitiu ter permitido que agentes israelenses fotografassem documentos secretos de caças e armas nucleares dos EUA na década de 1980. E em 2006, Lawrence Franklin, um oficial de defesa dos EUA, foi condenado por passar informações confidenciais. documentos sobre o Irão a Israel.

Na verdade, Washington tem considerado estas traições desde o início da relação. Nos primeiros anos da criação de Israel, uma base dos EUA em Chipre monitorizou as actividades de Israel; Hoje as comunicações israelenses são interceptadas por uma equipe de língua hebraica estacionada em Fort Meade, em Maryland.

Documentos de arquivo divulgados este mês pela Força Aérea Israelense também revelam que Israel pode ter identificado aeronaves misteriosas voando baixo sobre seu território na década de 1950 como aviões espiões americanos .

Joaquim de Freitas disse...

Erratum : Foi sob o governo de De Gaulle e nao de Mitterrand. Sinceras desculpas.

Vice

Vive-se um tempo de discussão de nomes para vice-presidente dos EUA. Nesse cargo, de contornos funcionais indefinidos, houve gente muito com...