sexta-feira, 14 de junho de 2019

O teste do algodão


Estão decorridos menos de seis meses desde a entrada em funções de Jair Bolsonaro como presidente do Brasil. Salvo para os turiferários de serviço, para quem a realidade é um detalhe que a fé manda ignorar, está hoje bastante generalizado o sentimento, mesmo em alguns setores que votaram no atual presidente, de que o saldo da nova governação fica muito aquém do aceitável. O presidente, muitos agora o reconhecem, é “despreparado”, como se diz no Brasil, cometeu erros crassos na formação do governo, vive rodeado por uma corte incendiária de filhos e por militares que tentam controlar o seu tropismo para a asneira. Porque não tem um partido sólido no qual se possa apoiar, não conseguiu ainda estabilizar uma relação operativa com o Congresso, o que faz com que todas as iniciativas legislativas sejam marcadas por um casuísmo que fragiliza a sua liderança. Os sinais económicos, que alguns pensavam poderem seguir num sentido otimista, são dececionantes, com os últimos dados do Banco Central a apontarem para uma expetativa de crescimento que não excede 1%.

Bolsonaro é um presidente conjuntural. Recebeu o voto útil de quantos, no essencial, queriam, a todo o curso, barrar o caminho ao PT. Colado à imagem da corrupção, o partido que Lula havia levado à conquista política do Brasil isolou-se fortemente de muitos setores da sociedade, radicalizou o seu discurso e foi estigmatizado pela generalidade dos seus opositores, permanecendo hoje num gueto político. Pelo caminho, ficaram Dilma Rousseff, vítima de si própria e do facto de ter sido “criada” por Lula, e o seu infiel vice-presidente, Michel Temer, afinal mais um peão no xadrez das acusações de improbidade que marcam a imagem de grande parte da classe política tradicional.

Para que a “despetização” do Brasil tivesse sucesso, era necessário afastar Lula da cena política. É que a hipótese dele poder ser eleito nas últimas eleições presidenciais chegou a ser muito elevada. Acusado de alguns crimes, o antigo presidente viu o calendário desses processos ser acelerado de uma forma que só por ingenuidade ou má-fé se pode considerar ter sido natural. Independentemente da sua possível culpabilidade, ficou bem patente que houve lugar a uma aliança objetiva entre os setores políticos que desejavam o seu afastamento e a máquina judicial que o acusou e rapidamente o condenou. Nesta última, surge o nome do juiz Sérgio Moro, ainda um herói para uma maioria dos brasileiros, que Bolsonaro foi buscar para seu ministro da Justiça.

Veio agora a saber-se que, na preparação do processo, o juiz que acabaria por condenar Lula havia mantido uma cumplicidade operativa com a acusação pública, o que a lei expressamente proíbe. Algum escândalo está instalado, sendo contudo óbvio que tal technicality não impressionará minimamente Bolsonaro. Por isso, o grande teste, o “teste do algodão” para se perceber se o Brasil passou já a fronteira da preservação das regras básicas do Estado de direito, será a atitude dos órgãos de Justiça que saem da alçada do ministro face a este caso.

(Publicado hoje no semanário “Jornal Económico”)

1 comentário:

Anónimo disse...

Outro li ouvi um esclarecimento de um político brasileiro que começava assim: "escuta aqui, Lula não foi condenado pelo juíz Sérgio Mora, Lula foi condenado, por unanimidade, por um colectivo de juízes, é diferente, né?"

João Vieira