quinta-feira, 20 de junho de 2019

Embaixador Pinto de Mesquita


Há duas décadas, andava eu então em lides governativas, decidi, numas férias de Verão, passarinhar duas semanas pelo país, alojando-me em casas senhoriais que praticavam Turismo de Habitação. Nesse tempo em que a identificação não era requerida, fazia as reservas telefónicas apenas com o primeiro e último nome. Com este expediente, e porque não era cara conhecida, pude desfrutar de um grande sossego. 

Na Casa de Sezim, perto de Guimarães, uma moradia extraordinária, com papeis de parede com uma história magnífica, instalei-me então por dois dias. Sabia que a casa era propriedade do embaixador Pinto de Mesquita, pessoa que, contudo, só conhecia de nome. Tratava-se de um respeitado diplomata, com uma longa carreira, à época já reformado, pai de um amigo e colega de profissão. Tinha a intenção de ir cumprimentá-lo, no termo da hospedagem.

Ao final do primeiro dia, contudo, eu tinha sido “descoberto”. Foi então com grande gosto que recebi um convite para um almoço, na zona mais nobre da casa, com o embaixador Pinto de Mesquita como acolhedor anfitrião. Lembro-me de falarmos bastante da Noruega, onde ambos havíamos estado em posto, dos empregados portugueses que trabalhavam na residência em Oslo - a Ana e o Domingos - que sempre recordavam com imensa estima do casal Pinto de Mesquita - e esse é um “teste” fundamental, podem crer!. E recordo, para sempre, um magnífico verde branco com que o embaixador Pinto de Mesquita fez questão de me presentear na despedida.

Há semanas, o embaixador Pinto de Mesquita cumpriu a belíssima idade de 102 anos. Hoje, serenamente, ele sai de cena, deixando a Casa de Sezim mais triste.

Ao Simeão e a toda a Família, deixo um abraço de pesar e de respeito por aquela que, para todos os colegas, ficou consagrada como uma figura com grande dignidade na diplomacia portuguesa.

(“Roubo” a fotografia ao portal de José Paulo Fafe, no Facebook)

Sem comentários: