quarta-feira, 5 de junho de 2019

A Polícia e a democracia


Tenho o maior respeito pela Polícia de Segurança Pública. Nos últimos anos, todas (repito, todas) as minhas experiências de casual contacto com agentes dessa corporação foram extremamente positivas, evidenciando, da sua parte, um saudável profissionalismo, muito distante do autoritarismo de outros tempos. 

Sei das difíceis condições remuneratórias em que os agentes da PSP vivem, que os obrigam a uma vida espartana, às vezes passando o limiar do aceitável. Não raramente, interrogo-me mesmo se é legítimo exigir a esses agentes, frequentemente oriundos de ambientes sócio-económicos com grandes dificuldades, uma conduta de relacionamento exemplar, operando eles nas condições em que atuam. Há muito a fazer neste domínio.

Imagino, em especial, a dificuldade dos membros das forças de intervenção, em situações de elevado stress, quando objeto de provocações e sujeitos a conjunturas de grande tensão psicológica. E não posso, nesses instantes, deixar de pensar que eles são a nossa derradeira linha de defesa da ordem, em contextos de violência e potencial rotura da paz pública.

Tudo o que escrevi, e que é muito sincero, surge às vezes abalado pelo conhecimento de atuações policiais que relevam de uma cultura de racismo, xenofobia e discriminação. Admito que possa haver, aqui ou ali, algum exagero nessas denúncias, mas algum “fogo” deve haver no meio de tanto “fumo”. E o facto de, numa atitude de persistente corporativismo, se manter, por parte das suas organizações sindicais, uma teimosa recusa em reconhecer os erros dos agentes culpados desses atos, ajudando a separar “o trigo do joio”, acaba por ser uma mancha triste sobre a imagem da polícia e uma acha na fogueira de descrédito de quantos procuram denegri-la e afetar a sua autoridade junto da sociedade.

A forma bem lamentável como sindicatos da PSP agora se comportaram face a um seu colega, que procurou alertar para a necessidade de confrontar com coragem uma cultura discriminatória que, tal como em outros setores da sociedade, impregna a ação de agentes das forças policiais, foi um um imenso desserviço prestado à corporação. Atitudes como esta contribuem também para explorar a circunstância, bem conhecida, de que agentes das forças policiais integram hoje grupos de extrema-direita e desenvolvem atividades à margem das normas constitucionais.

A nossa polícia é o garante da ordem da democracia. Não se defende o sistema democrático com recurso a métodos que deixam de depender da autoridade para passarem a relevar do autoritarismo.

(Artigo que hoje publico no “Jornal de Notícias”)

3 comentários:

Anónimo disse...

Ai os PSP de "extrema direita"!..

Ficámos hoje a saber que a Judiciária foi recentemente infiltrada pela extrema esquerda (sindicato da CGTP/PCP). Escusado é dizer que aqui não haverá qualquer problema (como de costume).

alvaro silva disse...

Se começam a peneirar muito vai-se o trigo e fica o joio. É esse o risco!

Anónimo disse...

Há muitos anos vi um anúncio a recrutar agentes para a polícia britânica. Em primeiro plano um policial impassível enquanto um vociferante punk lhe cuspia para o rosto. A tradução, pouco literal, seria algo como “se achas que consegues manter a calma, junta-te a nós”. Ao tempo eu era novo e não entendi como se poderia manter a calma, mas gradualmente, e porque a imagem era forte, fui pensando nisso. Manter a calma é manter a ordem.