terça-feira, 4 de junho de 2019

Económico


Eduardo Teixeira lança amanhã, pelas 18:00 horas, no Grémio Literário, o seu livro “E agora, Portugal?”, uma recolha de textos da sua coluna “Tribuna Social”, no semanário “Jornal Económico”, um órgão em que ambos colaboramos. Desafiou alguns amigos para fazerem curtos comentários aos seus textos. Fui um deles. Transcrevo aqui o que lá figura da minha autoria e que intitulei “Banca para que te quero?”: 

Que banca temos, ou melhor, que banca não temos é bom mote para uma reflexão. Eduardo Teixeira fala-nos dos banqueiros de outro tempo e do que disso (quase não) resta em mãos nacionais. Aquando da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, deu-me para perguntar, num artigo de jornal, para que servia termos um banco de capitais públicos se, afinal, este era obrigado a comportar-se exatamente como os congéneres privados, se lhe estava vedada a possibilidade de servir de instrumento das políticas públicas, dos interesses do acionista Estado. Não tive resposta, que não fosse a suspeita de estar a sugerir a privatização da Caixa ou, pecado dos pecados, querer fazê-la regressar a um fundo de maneio dos políticos. Hoje, ninguém responde: temos um banco público, porque sim! 

A crise financeira contribuiu para o “sonho” europeu: concentrar progressivamente unidades, dando-lhe escala europeia ou regional, sujeitando-as à supervisão que, antes da crise, muitas vezes faltou, reforçando o controlo de Frankfurt sobre todo o tecido financeiro. Mas o outro lado da moeda não existe: a falta de vontade política trava, ainda hoje, na Europa, a constituição dos mecanismos coletivos de responsabilização. Mas, por cá, já demos para o peditório europeu: fomos cobaias de uma experiência que pagámos com língua de palmo, nacionalizámos os prejuízos (que ainda não acabaram) e alienámos, sem retorno, ativos que existiam. Mas não há alguns bons bancos por aí? Claro que sim, até com boa e competente gestão. São nossos? Salvo a Caixa e uns trocos, são tão nossos como o anticiclone dos Açores.”

3 comentários:

Anónimo disse...

Noticias de Bruxelas:

1. Borrel Alto-Representante, o EEAS tornar-se-a uma nova Gibraltar;
2. Duas mulheres nos top jobs: ja esta garantido, a irlandesa no PE a alemã no Conselho;
3. Evitando a redundância, não poderá um alemão ocupar o BCE;
4. Conte em fuga livre de Italia, Bruxelas um destino possível a norte;
5. Onde e quando encaixar um liberal, digo um e não uma.
6. Barnier aos costumes disse nada.

Luís Lavoura disse...

O Francisco é um tipo antiquado, ainda pensa em termos cavaquistas, "centros de decisão nacionais".
Francisco, isso é chão que já deu uvas. Já tivemos centros de decisão nacionais e viu-se no que eles deram.
Eu digo, ainda bem que a PT foi tomada pela Altice, ainda bem que os bancos portugueses foram tomados pelos espanhóis e angolanos e chineses; pior serviço que os portugueses não poderão eles fazer e, se calhar, farão melhor.

Pedro Furtado Correia disse...

Neste sentido, parece-me completamente adequada à discussão a leitura do último livro de Soromenho-Marques (Abril 2019), um cheirinho aqui: https://cadernomonarquico.blogspot.com/2019/06/leituras_4.html