segunda-feira, fevereiro 26, 2024

Mistério

Há para mim um mistério na campanha do PS: por que não recorda as mais marcantes intervenções do então líder parlamentar do PSD, ao tempo do governo de coligação PSD / CDS / Troika, quando defendia algumas das mais agressivas medidas dessa famigerada governação? Só para lembrar!

21 comentários:

Nuno Figueiredo disse...

não é fácil. conheço bem o bravo, e tutti quanti. temo o pior.

Nuno Figueiredo disse...

ainda na esteira: useless, altough suitable.

Nuno Figueiredo disse...

altough renarking, there´s no point beeing. unfortunately.

egr disse...

Senhor Embaixador : além dessa preocupação em que o acompanho , tenho outras relacionadas relacionadas como por exemplo não serem invocados os mais relevantes resultados obtidos pela governação do PS

Anónimo disse...

Fernando Neves
E porqu não usa o PS rankings internacionais, como o European Health Ranking, que mostra que o nosso SNS estava por 2007 em
M 14o lugar, em 2015 em 20o, em 2018 em 13o e em 2022 em 14o?

Unknown disse...

Talvez porque receie que o PSD vá buscar as cenas mais comprometedoras de Pedro Nuno Santos e dos governos a que pertenceu. A comparação pode não ser benéfica.

Anónimo disse...

Concordo, mais mais grave é não exibirem a prova real da sua credibilidade que é o decide o sentido do voto.
O PS tem um estatuto único no que se refere ao cumprimento das suas promessas económicas.
A comparação das suas previsões orçamentais do défice, dívida, crescimento, exportações, etc foram sistematicamente cumpridas nestes últimos 8 anos, tirando o tempo do covid.
Por outro lado o que se passou no governo do PSD foi uma galhofa. Apesar dos sucessivos orçamentos retificativos acho quer não acertaram um.
Já não falo em resultados absolutos. Falo no que previram e no que conseguiram.
Interessante seria listar os dados dos chamados trimestres europeus.
Andam a dormir na forma.
Não venham falar de cativações.
Enquanto não legislarem sobre a facilidade de impugnações de concursos públicos não há orçamento que resista.
Parece que em Espanha e noutros países o litigante perde para o Estado uma pesada caução se não obtiver ganho da causa na justiça. O PS teve tempo mais que suficiente para resolver a situação!
Ou será que o administrativista mor vetava?

Carlos disse...

Ontem ouvi duas intervenções durante o debate das rádios. Primeiro, Pedro Nuno Santos depois Luís Montenegro. PNS reiterou uma vez mais a questão da viabilização do governo do PSD e a falta de clareza do PSD no caso duma eventual vitória do PS. Luís Montenegro falou dos seus projetos de governação como resposta à crise causada pela governação do PS na saúde e na habitação. E verdade que a crise no SNS marcou uma boa parte de 2023 e em especial os últimos meses mas este não é um problema específico de Portugal. Por exemplo, em França fala-se em contratar médicos cubanos. O que espanta é a incapacidade de PNS ter um discurso eleitoral que valorize os aspectos positivos do governo PS - crescimento da economia, aumento dos salários, diminuição da dívida - mesmo aceitando as dificuldades e erros nalgumas áreas, e a ausência dum discurso estruturado sobre assuntos que dizem respeito ao quotidiano das pessoas. A seguir este caminho o PS a prazo está condenado a irrelevancia. PNS parece enredado no seu labirinto da discussão “politicienne” (as alianças, a votação duma eventual moção, a viabilização do governo do PSD), ficando-se por declarações genéricas sobre as questões realmente importantes. Demonstra como líder partidário as limitações que foram evidentes enquanto ministro. Não percebo de todo o fenómeno de deslumbramento com PNS - carisma? Sex-appeal? … nos debates não ultrapassou o sofrível … Assim não vamos lá !

Anónimo disse...

Senhor Embaixador, Fica-lhe muito mal enveredar por estes caminhos! Votei quase sempre no PS, mas entendo que PPV merece o reconhecimento de todos os portugueses! A História o dirá. Bom Dia

Ricardo disse...

Há sempre a possibilidade de, do outro lado da barricada, alguém argumentar que, quem trouxe a Troika até nós e negociou o memorando de entendimento, ter sido um governo do PS. Mas que, ao longo do tempo, conseguiram branquear isso, é um facto. Tiro-lhes o chapéu.

Anónimo disse...

Quem será o PPV a quem devo estar grato?
Quando ouço Montenegro prometer solenemente que não mexerá nas pensões lembro-me sempre das promessas idênticas de Passos Coelho e depois .... foi o que se viu. Parece-me mais prudente Montenegro não enveredar por este caminho e fazer-nos recordar o passado.
Zeca

PauloV disse...

Também não entendo, apesar de alguns tiros no pé, parece que o PS tem vergonha das coisas boas que fez para o país. Assim deixa o caminho livre para as mentiras e demagogia do Montenegro, que ao fim de repetir tantas mentiras, até é capaz de sacar uns votos a mais...depois queixem-se que a direita tem a maioria dos deputados....As pessoas têm a memória curta, por isso há que rever e relembrar o passado recente....até o "amém" do coelho a negociações com o Chega teve uma reação tão frouxa.....enfim.....

Anónimo disse...

“Famigerada”??!! Francamente Senhor Embaixador!!!
Eu sou pensionista, mas não posso deixar de concordar com o anónimo das 08:00h! O Passos Coelho apenas fez o que devia, apesar de o PP o ter tentado desviar do seu rumo.
Cumprimentos

aamgvieira disse...

AH GRANDE SÒCRATES:::::::

Carlos Antunes disse...

Concordo que é lamentável que o PS não desconserte a perda de memória do então líder parlamentar do governo de coligação Passos Coelho/Portas.
Realmente, Luís Montenegro esqueceu-se da sua reacção ao chumbo por unanimidade pelo Tribunal Constitucional das leis de Contribuição de Sustentabilidade, que impunha cortes entre 2% a 3,5% de carácter permanente nas pensões da S.Social acima dos 1.000 €uros, do corte de 10% nas pensões de valor ilíquido mensal superior a 600 euros dos funcionários públicos da CGA: «O líder parlamentar do PSD-LM, garantiu esta 6.ª feira (3/01/2014) que as alternativas apresentadas pelo Governo ao chumbo do Tribunal Constitucional aos cortes nas pensões pretendem «encerrar um ciclo» de aumento da carga fiscal que prejudica a economia». Assegurando que o Governo não tem os pensionistas «como alvo», LM reagia assim ao anúncio de que o Governo vai alargar a base de incidência da Contribuição Extraordinária de Solidariedade e aumentar as contribuições dos beneficiários da ADSE, até aprovar uma "alteração duradoura" às pensões da Caixa Geral de Aposentações em pagamento. Isso afecta os prestadores de serviço público e afecta medidas que visam tornar sustentável um sistema de pensões que hoje não é sustentável ou caminha para a insustentabilidade". Temos é uma obrigação que é garantir a sustentabilidade dos sistemas de pensões e a forma como Estado funciona, para não cobrar tantos impostos nem às pessoas nem às empresas».
Agora, em 2024, LM vem falar em “reconciliação com os pensionistas”, anunciando no Congresso do PSD um aumento do “rendimento mínimo garantido dos pensionistas para 820 €uros”, deixando no ar a ideia de um aumento das pensões mínimas para 2 milhões de portugueses, com a aproximação entre estas e o salário mínimo. Sucede que no dia seguinte ao Congresso, Miranda Sarmento explicou que afinal a medida não era sobre as pensões, mas apenas sobre o complemento solidário para idosos, medida que abrangeria não 2 milhões de pensionistas, mas tão só 135 mil pessoas que recebem a prestação de combate à pobreza. Um embuste eleitoral!
Como truque eleitoral é também o chamado 15.º vencimento não tributado, que não se trata de um 15.º mês de salário atribuível à generalidade dos trabalhadores, mas apenas de isenção de impostos e contribuições para a S.Social relativo a “prémios de desempenho” (que como bem se sabe, são atribuídos voluntariamente e de acordo com mecanismos de avaliação estabelecidos pelas entidades empregadoras) até ao limite de um vencimento mensal.
Esquecimentos eventuais, especialmente em momentos de muito cansaço ou stress emocional, costumam ser aceitáveis. Quando há comprometimento definitivo da memória, nomeadamente em actividades da vida política, julgo que se justifica uma avaliação por um médico especialista do SNS! Sim, porque LM não recorreria ao privado, agora que em plena campanha eleitoral surgiu a defender o SNS como nunca antes se lhe tinha visto.

Luís Lavoura disse...

Carlos

Não percebo de todo o fenómeno de deslumbramento com Pedro Nuno Santos - carisma? Sex-appeal?

A mim isso também me escapa completamente. Pedro Nuno Santos parece-me um líder sofrível ou mesmo medíocre, muito ao contrário de António Costa. Não percebo que raio os militantes socialistas vêem ou viram nele.

josé ricardo disse...

Já tinha pensado nisso. Luís Montenegro foi um dos mais excitados defensores das medidas "para lá da Troika" do governo "as pessoas podem estar pior, mas o país está melhor".
A campanha do PS, a começar pelos outdoors, está muito fraquinha.

João Ferreira disse...

Talvez porque alguém se lembrasse de quem foram os responsáveis pela falência do país...

Nuno Figueiredo disse...

confrangedor. perdoe-lhes, porque não sabem o que dizem. se conseguir...

A.Teixeira disse...

Que o autor do blogue me desculpe, mas há muitas vezes em que o mais divertido nele aparece na caixa de comentários:

Por exemplo, há o anónimo das 08:00 que «votou quase sempre no PS» mas que «entende» que Pedro Passos Coelho (depreendo eu...) «merece o reconhecimento de todos os portugueses!» (com ponto de exclamação e tudo!). Ora o que eu acho bizarro é que eu nunca consigo encontrar estas pessoas ao vivo, para tentar que me fundamentem o raciocínio. Só as consigo encontrar a deixar recados («Fica-lhe muito mal enveredar por estes caminhos!») em caixas de comentários. Será que existem mesmo?

O outro exemplo existe, é até mesmo uma verdadeira estrela das caixas de comentários, o incontornável Luís Lavoura, a quem agora lhe leio:

Pedro Nuno Santos parece-me um líder sofrível ou mesmo medíocre, muito ao contrário de António Costa.

Ora em oito anos de governo de António Costa e catorze anos de actividade de Luís Lavoura a chagar a paciência dos outros nas caixas de comentários, nunca me lembro de o ter lido a considerar António Costa um líder Bom ou mesmo Muito Bom!

Veja-se o "milagre" que uma demissão pode provocar na "opinião" do Lavoura...

Há um locutor na LBC (James O'Brien) que trata pessoas deste género por aquilo que elas são: palhaços...

Anónimo disse...

"quem foram os responsáveis pela falência do país" E quem foram?
Na minha ignorância assumida, estou convencido de que a falência (mas houve de facto falência?) não é tão fácil de explicar como pensam os que detestam o PS. É sempre fácil falar mal (e hoje a campanha eleitoral é muito na base de chamar nomes feios ao adversário político) daqueles de que não gostamos.
Zeca

Carlos Antunes

Há uns anos, escrevi por aqui mais ou menos isto: "Guardo (...) um almoço magnífico com o Carlos Antunes, organizado pelo António Dias,...