quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Agostos da vida - o poder do silêncio


A chefia interina do governo é uma fórmula banal. Nas ausências do primeiro ministro, a coordenação das reuniões semanais de governo é assegurada pelo ministro mais sénior na hierarquia governamental, que estiver em exercício efetivo de funções - e que pode até nem ser o "número dois" do governo. É vulgar que quem coordena a reunião deixe vaga a cadeira que usualmente é a do primeiro-ministro e que continue sentado naquela que lhe corresponde. Uma coisa é óbvia: nenhuma decisão importante é aí tomada sem que o chefe do executivo, que está apenas a uma chamada telefónica de distância, decida por ele próprio. 

Foi assim com que estranheza que, numa reunião de um Conselho de ministros, já há muitos anos atrás, o ministro que a chefiava interinamente (e que, por sinal, não era o "número dois" do governo), que se tinha sentado na cadeira do chefe do governo, depois de despachados alguns diplomas que já vinham "limpos" da reunião de secretários de Estado, e que só necessitavam da chancela formal do Conselho, teve a inusitada iniciativa de suscitar um debate sobre um qualquer tema de "política geral". 

Estava-se em Agosto, mês em que os Conselhos de ministros são, em regra, mais breves, muitas vezes só dedicados a coisas de rotina, sem um pendor decisório muito forte. A ausência do primeiro-ministro como que inibe o Conselho a envolver-se em matérias que passem o estritamente indispensável.

Convirá também dizer que esse ministro, que havia ingressado numa remodelação intercalar inesperada, estava longe de fazer a unanimidade de apreço político entre os seus pares, na apreciação de uma certa geração presente à volta da mesa, por razões que não vêm aqui para o caso.

O ministro começou por dizer da importância do Conselho refletir sobre a temática em causa, tendo introduzido a discussão com uma intervenção detalhada de vários minutos. Alguma perplexidade começou a instalar-se à volta da mesa. Alguns dos restantes ministros e secretários de Estado presentes (estes que aí estavam em substituição dos respetivos ministros, nesse mês de férias) entreolharam-se com algum espanto. Era pouco curial que, na ausência do chefe do governo efetivo, tivesse lugar um debate sobre um tema de orientação política geral. Mas, em silêncio, lá deixaram ir o ministro até ao fim da sua fala. 

Acabada esta, o chefe interino da reunião convidou os ministros presentes a intervir. O silêncio, benevolamente tido como de atenção, com que a intervenção inicial fora acolhida, prosseguiu, mas agora num registo de algum indisfarçável embaraço. Ninguém se inscreveu para falar. Manifestamente, ele não tinha acertado com nenhum dos colegas uma reação para abrir o debate, como frequentemente ocorre.

O nosso homem, talvez já pressentindo que o Conselho lhe estava a "fugir de mãos", inquiriu se os secretários de Estado presentes desejavam dizer alguma coisa. E, perante o também silêncio destes, entendeu por bem complementar a sua intervenção anterior, com novo monólogo de mais uns minutos, suscitando mais algumas questões, sobre as quais "gostaria de poder colher a sensibilidade do governo". Todos os colegas eram agora formalmente interpelados a responder. 

Sem sucesso. Novo e fragoroso silêncio se instalou, com alguns sorrisos e troca de olhares a aflorarem. Alguns dos presentes colocavam já as suas pastas sobre a mesa, com algum "restolho", prenunciando o fim ansiado da reunião. Mas o ministro não a tinha dado por terminada. No continuado e penoso silêncio, olhava para os seus dossiês, talvez perguntando-se como sair dali. A solução acabou por vir de um membro do governo do fundo da sala, um homem de rara ciência que o tempo já nos levou, num comentário a meia-voz: "E se fôssemos andando?". E fomos.

4 comentários:

Miguel Félix António disse...

Seria porventura o ministro em questão o professor Veiga Simão?

Pedro Furtado Correia disse...

Formidável! Excelente texto!

Anónimo disse...

O que deu a deixa era o Mariano Gago.

Miguel Félix António disse...

Certamente, era efetivamente Mariano Gago o Ministro da Ciência...