sábado, 3 de agosto de 2019

Nada fazer



Nestes dias de férias, lembrei-me de alguém que tem a sorte de estar quase permanentemente nelas. É uma pessoa com uma profissão prestigiada e invejada, cuja capacidade para conseguir escapar ao peso do trabalho se tornou já lendária, em quem o conhece bem. Algo que exige, note-se, uma apurada técnica.

Ele procura, em primeiro lugar, não ter nunca nada para fazer, que nada lhe seja atribuído como tarefa, escapulindo-se das atividades que o azar lhe pode colocar à frente, pretextando algo ou inventando razões para que o não incomodem. Entre essas razões pode estar a consciência, em outros, da inutilidade de lhe dar algo para realizar.

Se isso se torna em absoluto impossível, porque a sorte nem sempre é justa com quem porfia, tenta ir fazendo apenas o que lhe apetece e, mesmo assim, efetuá-lo no tempo e ritmo que lhe aprazem. Até que, por vezes, os outros percebam da inutilidade de lhe ir bater à porta.

Como é bastante inteligente, tem já um quase insuperável "know-how" na matéria, uma soma de truques que confundem os não iniciados, pouco aptos a detetar, à vista desarmada, essa imparável deriva lúdica em que ele consegue transformar o seu quotidiano profissional. Dessa arte faz parte essencial a procrastinação, esse adiar eterno da execução das tarefas, esperando que o tempo lhes dilua a pertinência: “deixar para depois de amanhã aquilo que parecia urgente ontem, mas já o não deve ser agora”.

Mas não julguem que a vida dessa pessoa configura uma atitude fácil: ele tem imenso "trabalho" em lutar e conseguir que lhe atribuam funções que, na prática, o isentem de trabalhos, em que os horários possam ser detalhes despiciendos, onde sejam viáveis exercícios criativos de ubiquidade administrativa, mas também onde sempre possa, a olhos desprevenidos, fazer passar um sopro de actividade virtual, dando permanentemente a ideia de ter alguma coisa em curso de execução.

Ah! e queixa-se, queixa-se sempre, dos outros, dos azares da vida, das horas (acreditem!), do peso das episódicas tarefas que lhe cabem. Enfim, trata-se de um génio na gestão do seu tempo, que, cheguei a aconselhar-lhe, deveria mesmo escrever um manual sobre o tema. Mas isso daria algum trabalho...

Como o mundo é o que é, como ele sabe mexer-se junto de alguma gente, porque até não é mau rapaz, lá vai (não) fazendo pela vida, nesse seu anti-stakhanovismo endémico, o qual, a meu ver, por obrigar a exercícios de imaginação, o deve fatigar imenso. É que o bluff, na profissão dele, já teve melhores dias.

Tenho há muito uma ideia para quando um dia ele vier a ter um epitáfio - e não será "morto de cansaço", podem crer! O infante dom Henrique tinha um lema: “Talant de bien faire” (vontade de bem fazer). A ele bastava mudar uma letra: "Talant de rien faire" (vontade de nada fazer).

2 comentários:

Anónimo disse...

Senhor Embaixador
Que belo texto, só fico admirada, porque julgava que nos meios onde se move, não havia gente deste nível. Engano meu
Maria Isabel

António disse...

Caro embaixador, acaba de descrever um bom quarto da função pública.