domingo, 4 de agosto de 2019

Agostos da vida - O fim da “primavera”

O ano de 1969 dava ares de poder ser decisivo na vida política portuguesa. Salazar fora substituído no ano anterior. Em outubro, teriam lugar eleições para a Assembleia Nacional. As primeiras do “marcelismo”. A ideia de que, pela primeira vez, desde 1926, havia uma real possibilidade de vozes dissonantes poderem entrar no parlamento da ditadura atravessou alguns espíritos mais crédulos.

Eu tinha 21 anos, mas não comungava dessa ingenuidade. No ano anterior, tinha tido um interessante banho de experiência, ao integrar uma lista associativa universitária cuja livre eleição fora “não-homologada” pelo governo. Depois, vira a minha escola invadida pela polícia, que regularmente ia também encontrando em diversas manifestações políticas de rua, de vária natureza, em que me via envolvido, embora sem nenhum tipo de militância partidária. Experimentara emoções fortes nas ruas agitadas de Aveiro, durante o Congresso da Oposição Democrática. Ainda em Lisboa, tinha andado envolvido em algumas movimentações preliminares da oposição, como a célebre reunião no Palácio Fronteira, onde as águas políticas se separaram fortemente, pela primeira vez, na história do combate ao regime.

À esquerda, ficou a maioritária CDE (Comissão Democrática Eleitoral), onde predominava o PCP, aliado a “católicos progressistas” e algumas outras franjas radicais. Constatada a impossibilidade de acordo, Mário Soares e os seus amigos da ASP (Acção Socialista Portuguesa) haviam criado a CEUD (Comissão Eleitoral de Unidade Democrática), que concorreu isolada, mas apenas em Lisboa, Porto e Braga. No resto do país, a escassez de recursos oposicionistas forçava à necessária unidade. Nesses distritos, a sigla CDE tinha um sentido mais abrangente e unitário, no modelo oposicionista tradicional.

Era o caso de Vila Real. De férias na capital transmontana, fui contactado pelo António Leite (em casa de cuja avó se fizera a primeira reunião oposicionista), que me transmitiu o convite para integrar a estrutura local da CDE. Aceitei de imediato. Passou a caber-me a redação de artigos e manifestos, a agitação dos meios da juventude, não sem alguma tensão ideológica intergeracional à mistura. A minha integração foi, aliás, muito rápida: semanas depois, lá me vejo, com Otílio de Figueiredo e Délio Machado, no trio de representantes da CDE de Vila Real que foi fazer a apresentação formal da lista oposicionista do distrito ao Governador Civil, Torquato de Magalhães.

Esse mês de Agosto, em Vila Real, foi inesquecível. Sob a hábil e paternal liderança política de Otílio de Figueiredo, prestigiado médico e figura intelectual local, a oposição estruturava-se num leque verdadeiramente pluralista. As clivagens políticas lisboetas, não nos sendo indiferentes, tendo a questão colonial no centro, eram muito atenuadas pela necessidade imperiosa de ganharmos para o nosso lado todas as vozes contestatárias do regime. Estas iam desde elementos que sabíamos ligados ao PCP até ao “reviralhismo” republicano tradicional, passando por figuras da esquerda moderada, que imaginávamos próximos da ASP e de Mário Soares. E, naturalmente, por lá andava algum radicalismo mais “esquerdalho”, a maioria sem partido, mas com muito sangue na guelra. Neste, recordo em especial o magnífico entusiasmo, quase “anarca”, bem provocatório, do João “Bé“ Bouquet, a grande alma da organização da CDE de Vila Real.

Esse mês e o período que se lhe seguiu tiveram de tudo um pouco: reuniões clandestinas ou, inconscientemente, feitas à vista de todos, incontáveis viagens pelo distrito, contactos com outros núcleos oposicionistas pelo país, discussões épicas na Gomes, o principal café da cidade, algumas chamadas à polícia por incidentes de percurso, regular censura de artigos e textos programáticos nossos na imprensa, dificuldades crescentes surgidas nas tipografias, ameaças profissionais a muitos aderentes, criação e colagem noturna de cartazes anónimos (fui o criador de um que apenas tinha escrita a palavra “MEDO”, impressa a preto forte, cortada por duas pinceladas de tinta vermelha), pides encartados e “bufos” locais a vigiarem a nossa sede, caravanas de propaganda ameaçadas fisicamente, frequentes insultos pelas ruas, por parte de turiferários do regime, a necessidade de mandar fotografar os cadernos eleitorais (não havia cópias distribuídas nem existiam ainda fotocópias, pelo que tivemos de fazer fotografias de todas as páginas das listas de eleitores, no Governo Civil, com um imenso custo financeiro), a impressão e distribuição individualizada dos nossos boletins de voto (para quem não saiba, cada lista eleitoral mandava imprimir então os seus próprios boletins de voto, aqueles que iriam ingressar nas urnas, e tinha de os entregar porta-a-porta, nos dias antes das eleições, pessoalmente, a cada eleitor, porque os correios eram caros e não fiáveis!), etc.

Depois, foi o resultado previsível. Em quase todos os distritos do país, a oposição, sem acesso mínimo à televisão, com a sua promoção mediática muito limitada, sob um ambiente de forte coação, com listas eleitorais onde predominavam os adeptos da “situação”, teve uma derrota estrondosa. A “primavera marcelista”, em cerca de um ano, desmascarara-se por completo. Para nós, para quantos se haviam empenhado politicamente, aqueles meses haviam sido muito estimulantes. Eu, pelo menos, estava muito diferentes, depois deles.

Foi há meio século. Um belo mês de Agosto! Nunca mais o vou esquecer!

3 comentários:

Anónimo disse...

N
ao sei porquê, mas esqueceu-se da Comissão Eleitoral Monárquica...

José Figueiredo disse...

Caro Embaixadoe,
Reconheço bem a foto que publica da Av. Carvalho Araújo, vista das escadas do Paço Municipal. Eu também estudei em Vila Real no Colégio da Boavista entre 63 e 68; na altura em que por lá andei estava em decadência - tempo perdido. Por acaso nesse ano das eleições já estava no colégio dos beneditinos em Lamego, e não é que nos deixaram ir à noite a um comício no Tearo Ribeiro da Conceição!É verdade. Eu e os meus companheiros ainda não poderíamos votar, pois as idades distribuiam-se entre os 17 e os 19 anos. Mas foi a primeira experiência de participação política. Creio que em Lamego era importante o Dr. Amaral, que veio a ser Presidente da AR.

Cordiais saudações,
José Figueiredo
Braga

Carlos Fonseca disse...

Foi um Verão incrível.

Numa noite quente de Julho estava, com um grupo de activistas da CDE do concelho de Sintra, a assistir a um espectáculo de "Canto Livre" no anfiteatro de Agronomia, quando passou de boca em boca a notícia da ocupação da sua Escola, pela PIDE.

A maior parte da assistência começou a levantar-se com a intenção de descer até à Rua da Junqueira, para mostrar solidariedade com os estudantes do Instituto, e protestar contra a PIDE.

Entretanto, Adriano Correia de Oliveira, juntamente com o padre Fanhais, convenceram-nos da inutilidade da nossa intenção, e o espectáculo continuou.

No final houve pequenos grupos que acabaram mesmo por passar discretamente pelo Instituto, para ver o ambiente.