segunda-feira, 19 de agosto de 2019

A hora de Alexandre

O olhar da secretária que me esperava na porta do elevador não enganava. “Cheguei tarde?” Era a minha primeira reunião como membro da administração da empresa. “Não chegou tarde, mas tem de ir já para a sala do conselho”. Não entendi o que se estava a passar: estava antes da hora indicada. Quando entrei, Alexandre Soares dos Santos levantou-se da mesa, onde estavam todos menos eu, para me cumprimentar. “Já vai conhecer os hábitos da casa”, disse-me, num tom que vim a perceber ser muito dele, entre o frio profissional e o cordial bem humano.

Para encurtar a história: a reunião estava marcada, de facto, para a hora que eu tinha apontado mas, com Alexandre Soares dos Santos, elas começavam, em regra, uns bons minutos antes. Era a famosa “hora de Alexandre”. Foi a minha primeira lição na Jerónimo Martins.

12.12.12. Fixei este número porque é a data em que, ainda embaixador em Paris, recebi uma chamada de Alexandre Soares dos Santos que, tendo sabido do meu próximo regresso a Lisboa, me convidava a integrar a administração da empresa. Foi uma completa surpresa. Dias depois, numa conversa pessoal, disse-me que gostava que eu o ajudasse a “olhar para o futuro”, em termos geopolíticos, antecipando tendências e problemas. A Jerónimo Martins estava em três geografias, podia vir a alargar a sua ação e esses passos deviam ser tão seguros quanto possível. “Não preciso de si para quaisquer contactos. Nunca lhe irei pedir nada nesse domínio”. E nunca pediu.

Eu havia conhecido Alexandre Soares dos Santos, um ano antes, numa reunião em que a Gulbenkian reuniu os Conselhos Gerais das universidades públicas. Ele presidia à Universidade de Aveiro, eu à UTAD. Conversámos durante o almoço. Anotei, sem a menor surpresa, que a sua perspetiva sobre algumas coisas divergia da minha. Disse-lhe isso no nosso primeiro encontro. “Eu sei o que pensa”, respondeu-me, sorrindo. Nos anos seguintes, e já lá vão mais de seis, nunca o que escrevi ou disse no espaço público, muitas vezes à clara revelia daquilo que sabia serem as suas ideias, mereceu, da sua parte, a menor observação ou sinal de desagrado. 

Alexandre Soares dos Santos foi muito criticado por algumas decisões polémicas e por posturas que, com frontalidade, sempre entendeu dever assumir, na área política e económica. Nunca se refugiou atrás de fórmulas redondas, para deixar bem claro o que pensava. Ninguém o pode acusar de falta de coragem.

Em tempos de crise, dizia que gostava de poder “fechar” os atores partidários numa sala, durante uma dúzia de horas, até que se entendessem numa agenda para os próximos 10 anos. “Não é possível que gente que diz querer o melhor para Portugal não consiga um acordo sobre o essencial”. Ele próprio teria consciência de que as coisas eram mais complicadas do que essa ideia pressupunha. Era, porém, o seu desespero - acho que a palavra é esta - perante a falta de soluções racionais que o mobilizava. É também daí, estou certo, o seu grande empenhamento na Fundação Francisco Manuel dos Santos, que sempre viu como a contribuição que a sua empresa podia, e devia, prestar ao país, pensando-o com rigor.

Julgo ter conhecido suficientemente Alexandre Soares dos Santos para poder dizer, com toda a convicção, que, com a sua desaparição, se perde um criador empresarial como muito poucos que o país teve nas últimas décadas. Desapareceu alguém que o tempo ajudará a julgar como um homem de boa vontade, cuja memória permanecerá muito para além das caricaturas que alguns dele foram fazendo. E eu perdi um amigo.

1 comentário:

Paulo Guerra disse...

Eu prefiro lembrar sobretudo do modelo de negócio. Um dos maiores cancros da economia do país.