quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Voto obrigatório


A SAPO pediu-me uma ideia para o ciclo político posterior às próximas eleições. Fui de opinião de que deveríamos pensar em tornar obrigatório o voto, como acontece em outros países. Veja aqui porquê.

19 comentários:

Anónimo disse...

Não concordo com o voto obrigatório. Em Democracia é um direito não votar. Cabe às tais instituições que refere fazerem o que lhes compete para atrairem mais votantes. A malta nova hoje em dia não se revê na maioria dos partidos representados na A.R (e menos ainda dos que ficam de fora).
E depois há outros casos, como por exemplo muitos dos veneráveis ocupantes dos diversos Lares que neste país os acolhem. Tenho um ou outro familiar lá e quando lá vou ocasionalmente visitá-los vejo sobretudo uma ausência total em relação ao Munda cá fora. Desinteresse, sobretudo no que á política respeita. Querem lá saber dos partido políticos. E com razão. O que é que esses mesmos Partidos, no Podor, fazem por eles? Aumentam-lhes significamente as pensões? Não! Pagam-lhes as estadias lá? Não! Ou são os familiares, geralmente filhos, ou o pouco pé de meia que possuem a par das tais pensões de velhice. Obrigar essa gente a ir votar é de loucos! Que ganham eles com isso? E os jovens, que ganham com os Partidos actuais? Emprego precário e salários baixos, embora muita das vezes mitigados com as tais ajudas de custo que não são contabilizadas para as suas futuras reformas, desemprego, etc, ficando a perder (assim como o Estado que isso vai permitindo alegremente), ficando a ganhar as entidads empregadoras.
Ser obriagatório votar contraria ostensivamente uma liberdade que nos é facultada pela Democracia. Os Partidos e as Instituições como os Governo, Parlamento, etc, que actuem de forma a sensibilizar os não-votantes.Por exemplo, porque não um governo, antes de um novo Orçamento Geral do Estado informar detalhadamente para onde foram os nossos impostos, de que forma foram gastos: apoia a Bancos, apoio a escolas privadas, em PPP, em rendas à EDP, etc, a par de outros serviços e obras públicos. Ou seja, uma contabilidade transparente, para cidadão eleitor saber e contribuinte conhecer.
Por fim, na esmgadora maioria de paíes deste cansado Mundo o voto não é obrigatório. No Brasi, Itália, ao que parece, é. E depois? Porqu~e copiá-los?

António disse...

É uma idéia. Pessoalmente não concordo, mas, caro Embaixador, uma multa para quem não vote? Porque razão se criou esta cultura da multa? Porque não um benefício (não necessáriamente monetário) para quem votar? Porque razão entre o pau e a cenoura, o Estado vai sempre pelo pau? Pela opressão?
Porque é que as pessoas não votam? Alguém já fez um estudo sério sobre o assunto?
Acho que é tema, no mínimo, para um referendo, o voto obrigatório. Creio que seria muito participado. Obrigar...não gosto nada dessa idéia. E diz-me a experiência de vida que, obrigadas, as pessoas descobrem um modo de resistir.

jj.amarante disse...

Não me parece boa ideia, sobretudo pela percentagem muito apreciável de emigrantes que mantiveram a nacionalidade portuguesa vivendo há anos, ou há meses, noutro país eventualmente europeu. Teriam que vir a Portugal nessa altura? Bastaria uma declaração de ausência? Ou teriam que fazer uma viagem de 500km para votar no consulado mais próximo?

Anónimo disse...

Pois.... se um dia tivermos gente séria em quem votar seria bom.
Mas a singularidade dos honestos provocaria, que aqueles que votam hoje não entenderiam o discurso e por isso ainda haveria menos gente a ir às urnas.
Deixem como está para o desgaste do regime não arrefecer.

Anónimo disse...

Ainda outra coisa que me esqueci:

Se fizerem isto vai ser pior do que agora mas....a quantidade de votos em branco darão que pensar à Europa sobre a aceitação deste regime pela população em geral.
Seria um belíssimo inquérito popular.

João Cabral disse...

Ou seja, não interessa porque é que há alheamento da política. Investigar, perceber, mudar. Não é difícil, pelo contrário, todos conseguimos enumerar, pelo menos, uma razão. Mas nada disso interessa, o senhor embaixador defende voto obrigatório e multas. Talvez seja por atitudes destas que há alheamento da política...

Anónimo disse...

Ah, ah, ah! Há logo quem não concorde porque, bonito, bonito, era as pessoas serem "incentivadas" a votar. Algo me diz que o incentivo não seria feito com chá e bolos mas sim com dinheiroca. Que pobre país que tem gente tão miserável que até acha que deve ser paga para votar. Bem... até há quem ache que deve ser pago para fazer filhos.

adelinoferreira disse...

Está dado o tiro de partida para as missas do voto obrigatório.
Quem não quiser votar e não tiver dinheiro para a coima vai preso.

Anónimo disse...

@ adelinoferreira

Há outra hipótese de cobrarem a multa. Penhorem-lhe a cama de dormir.

Anónimo disse...

Este é daqueles casos em que, pior do que a medida proposta, são os argumentos contra a dita. É tipo Acordo Ortográfico. Acabo por ser partidário da proposta ao ver a estupidez das "ideias" que se lhe opõem (é difícil ficar do mesmo lado da barricada quando o cheiro é tão mau).

Agora... se houvesse honestidade intelectual, seria preciso dizer que esta proposta devia ser acompanhada pela aceitação da ideia do Rui Rio de fazer os votos em branco contarem... Porque, obrigar as pessoas a votar, "obrigá-las" a votar em branco ou nulo e, depois, esse voto (ao qual foram obrigadas!), não ter qualquer peso... Isso é que não!!!

Anónimo disse...

Absolutamente de acordo com este seu vaticínio.
"... As instituições, hoje em dia, tendem por vezes a não representar verdadeiramente o que os cidadãos querem e isso faz com que se alheiem desse mesmo sistema...".

Os partidos na verdade, constatou-se, apenas se representam a si mesmos.
Será que se os eleitores, no boletim de voto, podessem escolher o nome do candidato da sua peferência, de alguém conhecido no respectivo círculo eleitoral, teriam motivação, e razão para, ir votar ?.

De quem é a culpa de tão crescente abstenção eleitoral ?.
De um inconsequente e mesmo caricato sistema eleitoral, ou dos consequentemente desrespeitados eleitores ?.

Anónimo disse...

Anulo sempre o meu voto, desde que comecei a votar, só votarei quando o voto por aqui, não for obrigatório. Para eu conseguir uma vaga de emprego, tenho que estudar, e me preparar, tudo por minhas expensas, por que tenho que sair da minha casa, obrigado, para dar emprego a um candidato, ganhando muito mais que eu, e com muitas regalias, sendo que eu tenho que me esfolar para arranjar um bom emprego. Só voto se não for obrigado. Van trabalhar vaga....

Anónimo disse...

Completamente de acordo com o anónimo das 8,02 : os votos brancos e nulos deviam contar ! Então uma pessoa desloca-se ao local , demonstra que está em descordo com todos os candidatos e depois é como se tivesse ficado a dormir ou ido à praia !
Isso deu-me uma bela ideia : nas próximas eleições nem vou lá .
Ainda por cima com esta “ novidade “ das casas de banho nas escolas , vai ser um divertimento nas escolas , os miúdos a fingirem que são isto ou aquilo! Crianças de 11 ou 12 anos a exporem-se assim aos risiinhos dos colegas , se havia bulyng agora vai haver a dobrar ...

Paulo Guerra disse...

Que lindo raciocínio. Se os cidadãos não se sentem representados pelas Instituições vamos obrigá-los a votar nas Instituições. Sobretudo nas europeias. Sobretudo para mim que assim que também percebi que 90% dos sócios votantes do Sporting acabavam de reeleger um sociopata percebi logo que tinha que me desvincular o mais rapidamente possível daquele que foi sempre o meu clube. Meu e dos outros sócios todos. Aliás, os estatutos são bem claros. O clube foi sempre aquilo que os sócios quiseram e não um maluco qualquer. E eu sempre gostei muito de escolher as minhas tribos. Já nas eleições nacionais claro que cumpro sempre o meu dever cívico. Como outros.

Anónimo disse...

Melhor que o voto "obrigatório é nova cartilha que nos querem impingir que servir como modelo para provocações da esquerda caviar e BE:

"JoãoMiranda
@joaomiranda
· 11m
Como funciona a política pós moderna:

Governo: vamos proibir a caça ao gambozino

Direita: disparate

Petição: pela caça

Petição 2: pela declaração do gambozino como espécie rara

Bloco: direita quer continuar a destruir a natureza

Anónimo disse...

Tendo em conta que a abstenção é de direita, suponho que esta não será uma ideia cara à esquerda..

Anónimo disse...




Há dias assim, tristes, de mau agouro, cinzentos ... o meu hoje, até estava assim-assim, mas tornou-se escuro e tenebroso logo que terminei de ouvir sua explanação sobre o voto obrigatório, ou não. Pudesse eu soltar aqui um estrondoso e sonoro "ora foda-se" e soltaria. Mas sou pessoa educada e de fino trato (dizem ...) e, portanto, não o faço. Deixo somente a pergunta: então, Senhor Francisco Seixas da Costa, andamos de cavalo pra burro, okê?

Nunca votei na minha (já um pouco longa) vida. Sabe porquê, Senhor Francisco? Porque nunca acreditei em Pai Natal ... simples assim ...

Sempre o li com tanto interesse e atenção, mas hoje realmente o Senhor decepcionou-me enormemente. Pena. Há dias assim ... depois passa ...


Anónimo disse...

Também nunca acreditei no pai natal, sempre soube como apareciam os presentes.

Mas, sempre votei considero um privilégio fazê lo. Passei aos meus filhos esse valor!

Não concordo com a obrigatoriedade, em geral, e sim com a responsabilidade...

Agora perante estes comentários, que, espelham não sei quantos milhões de portugueses irresponsaveis, sem memória e sem MEDO. Uns valentes, só que não.

Votar já é "obrigatório", ainda não perceberam?

Miguel Félix António disse...

Há precisamente 10 anos escrevi no jornal Público a minha opinião sobre o tema que, essencialmente, mantenho.

Aqui fica, para eventuais interessados, a ligação para o texto:

https://www.publico.pt/2009/07/12/jornal/voto-obrigatorio-sim-com-uma-condicao-17262403