sexta-feira, 23 de agosto de 2019

O Brasil e a Amazónia


A questão da Amazónia tem um importante histórico no Brasil. Desde há muito que, naquele país, há uma escola de pensamento que, com ou sem razão, acha que a sociedade internacional, e em especial alguns atores nela relevantes, têm uma ambição sobre o território. Isso fez com que os militares brasileiros, no seu culto tradicional (e natural) da soberania, se tivessem auto-arrogado do papel de primeiro defensor da brasilidade da Amazónia. 

“Integrar para não entregar” foi o lema por detrás do esforço desenvolvido, desde o início do século XX, para ali ter o maior número possível de fronteiras protegidas, com guarnições militares espalhadas por todo aquele imenso território. Recordo-me de chefes militares brasileiros dizerem, em privado, que a necessidade do Brasil ter capacidade de contrariar, nessas fronteiras, o tráfico de drogas e as infiltrações extremistas também fazia parte dessa sua “obrigação”, ligada à tarefa de preservação da soberania do país sobre a Amazónia.

Convém deixar muito claro que a defesa da soberania na Amazónia, sendo um “cavalo de batalha” das Forças Armadas brasileiras, é um tema que une muitos e variados setores da sociedade brasileira, da direita como da esquerda. O Brasil é um país muito nacionalista e, tendo ambições em ser reconhecido como uma potência emergente com maior consagração institucional à escala global, é extremamente sensível a todas as potenciais intromissões na sua soberania, que possam ser vistas como debilitantes da capacidade de afirmação do país.

A França, que convem lembrar é também um país amazónico - a Guiana francesa faz fronteira com o Amapá - foi sempre a “bête noire” dos brasileiros quanto ao assunto, muitos recordando ainda as palavras de Jacques Chirac sobre a incapacidade do Brasil para estar à altura das suas responsabilidades, no tocante à preservação do “pulmão do mundo”. Mas, num passado ainda recente, também os Estados Unidos eram vistos como uma forte ameaça nesse domínio. 

Se, apesar de ter de lá saído há uma década, ainda posso ter a pretensão de conseguir identificar algumas dinâmicas internas do Brasil, quer-me parecer que os últimos dias trouxeram alguns alertas que, finalmente, podem ter sido capazes de suplantar a conhecida irresponsabilidade declaratória do presidente Bolsonaro. 

Este, se nos recordarmos, reagiu forte e feio à decisão alemã e norueguesa de suspenderem as suas contribuições para o fundo internacional criado para ajudar o Brasil a levar a assumir as suas responsabilidades na Amazónia, depois do escândalo internacional gerado pela aceleração do desmatamento do território, com laxismo complacente, para não dizer cúmplice, do governo. Porém, o grande surto de fogos já foi posterior e iria ser na sequência deste que Macron “tweetizou” o comentário que voltou a indignar o presidente brasileiro. 

Macron não tem a Europa, e muito menos, o mundo na sua mão. Mas tem um poder de veto sobre o Acordo UE-Mercosul. Por isso, ao ameaçar usá-lo, desencadeou de imediato preocupações nos operadores económicos brasileiros, como já se viu já na declaração da poderosa FIESP. Além disso, as manifestações contra o Brasil, organizadas um pouco por todo o mundo, estão visivelmente a criar, em setores económicos do país, o receio de um início de boicote às exportações brasileiras - sendo completamente irrealista, contudo, pensar-se em sanções, dado que os interesses externos dos principais investidores mundiais no Brasil tornam esse cenário implausível.

Tudo o que acabo de referir terá conseguido forçar Bolsonaro a dar hoje ares de ter algum sentido de responsabilidade, tanto mais que o tema da ameaça à Amazónia está já na agenda do G7, este fim de semana, em Biarritz. O que sobra de bom senso na liderança brasileira deve estar a entender agora melhor o que pode significar para o país o “custo Bolsonaro”. Irá a tempo?

4 comentários:

Portugalredecouvertes disse...

tenho lido vários artigos, parece que o grande problema é a extração e comércio ilegal da maneira apesar dos acordos
"...O acordo foi anunciado no mês de março de 2014, Brasil e Estados Unidos vão combater o comércio ilegal de madeira brasileira que vai para fábricas americanas.."
e outras atividades vêm substituir:
"..Na Amazônia brasileira, por exemplo, mais de 60% da área que já foi derrubada se tornou pasto…"
e grande quantidade de países que continuam a comprar a madeira ilegal..
https://www.business-humanrights.org/pt/brasil-polícia-e-promotores-barram-esquema-ilegal-de-chineses-na-amazônia-que-exportava-madeira-ilegalmente
https://economia.uol.com.br/noticias/afp/2018/03/20/importadores-de-madeira-dos-eua-e-europa-alimentam-destruicao-da-amazonia-diz-greenpeace.htm

António disse...

Portugal é demasiado combustível para dar palpites sobre incêndios estrangeiros.

Augie Cardoso, Plymouth, Conn. disse...

A grande ameaca ao clima e divers idade do globo nao Sao as Matas brasileiras, ou as pantominas de Macron. A causa do aumento de co2 e o crescimento IRRESPONSAVEL da populacao e corte de arvores da Asia e Da Africa.

Augie Cardoso, Plymouth, Conn. disse...

Sem OS alimentos do Brasil e America do Norte o resto do mundo vai em dieta rigorosa........