terça-feira, 20 de agosto de 2019

“Do not disturb”


Há muitos anos, um amigo, que me sabia peregrino regular por muitos e desvairados hotéis, teve a coragem de pedir que lhe trouxesse, de cada alojamento diferente, os avisos “Do not disturb”, que se colocam no exterior dos portas dos quartos, quando queremos ter um garantido sossego face às investidas do pessoal. 

Porque, à época, era um pouco mais insensato do que hoje ainda sou, fiz-lhe a vontade e, por alguns tempos, lá coletei esses avisos, oferecendo-os a esse amigo, que se mostrava deliciado na receção de cada fornecimento. Um dia, porém, tive um rebate de consciência e passei a ter o juízo suficiente para passar a respeitar, em absoluto, o património dos hotéis. (Hoje, só sou tentado quando eles disponibilizam sabonetes de boa qualidade, o que, aliás, é cada vez mais raro).

Esse meu amigo, um querido amigo que dava pelo nome de Álvaro Magalhães dos Santos, já se foi desta para melhor há bastante tempo. Lembrei-me dele hoje, ao deparar, no quarto de um hotel, com este belo exemplar de aviso. O paradoxo é que, tendo a certeza de que ele o apreciaria pelo bom gosto, ironicamente, a mensagem já não se lhe adequaria.

Não faço ideia do que terá acontecido à coleção de “Do not disturb” do Álvaro, embora possa imaginar que, no lugar onde está, não necessite de colocar avisos para lhe não perturbarem o sossego eterno.