sexta-feira, 20 de julho de 2018

O Zé Bouza




Há dias, três embaixadores conversavam. Era uma cerimónia de entrega de uma condecoração. Comentei, a propósito, que, na minha vida diplomática, tive recorrentes dúvidas sobre as regras a seguir no tocante ao “lugar” e à ordem de colocação no peito dessas insígnias, quando as regras protocolares me obrigavam a usá-las. 

Sei que esta liturgia pode parecer ridícula para quem não é do “métier”, mas a verdade é que, se se vissem forçados profissionalmente a usar smoking, fraque ou casaca, logo perceberiam o embaraço. Qual a “hierarquia” das “placas” (aqueles chapões metálicos que cosemos à casaca)? As fitas das grã-cruzes ficam por fora ou por dentro, quando estão presentes chefes de Estado? E coisas assim...

Revelei então que, em algumas dessas ocasiões, já enfarpelado para as cerimónias, em lugar de recorrer “ao Helder” ou “ao Calvet” (autores de dois manuais diplomáticos que consagram esse bom-senso educado e consuetudinário que são as regras do protocolo), eu sempre telefonava ao Zé Bouza. Houve logo um coro: os dois outros colegas faziam exatamente o mesmo que eu!

Para quem não sabe, o Zé Bouza é o embaixador Jose Bouza Serrano, um colega diplomata que “sabe tudo” sobre protocolo. Além de ter chefiado o Serviço do Protocolo do Estado, o Zé escreveu uma “bíblia” sobre o assunto, num estilo pessoal que retirou muito do caráter académico da matéria, recheando o texto de pormenores da sua própria vida.

O José Bouza Serrano é um monárquico que serviu, com lealdade, competência e pundonor, esta República que lhe saiu em rifa histórica, desde um dia de outubro de 1910. Não sei se ele ainda acredita na “restauração” da coroa, mas tem um prazer imenso, nomeadamente nas redes sociais, em destacar as figuras que o Almanaque de Gotha, esse guia Michelin da aristocracia, regularmente recolhe, para memória dos fiéis, as “linhagens”, os nascimentos e os matrimónios, quiçá as separações e outros movimentos de sobressalto familiar, tal como as saídas eternas da cena da vida. Eu, republicano empedernido, jacobino e (para ele) cúmplice objetivo dos “mata-frades”, brinco sempre muito com estas coreografias do jet-set principesco e ofícios correlativos. Mas ele nunca leva a mal.

Esse meu colega deu-me, um dia, uma prova definitiva de grande caráter. Ele estava, na altura, colocado num determinado posto. Sabia-se, mas não pela sua boca, que a relação que tinha com o respetivo embaixador não era das melhores - e, conhecendo o bom feitio do Zé, a razão dos dissídios devia ser seguramente posta a débito do seu ocasional chefe. Em Lisboa, por alturas do Natal e Ano Novo, os colegas costumam reunir-se, mas o Zé, nesse ano, fez-se discreto. Nenhum jantar contou com ele, fez gazeta aos copos do fim de tarde. Tempos depois, perguntei-lhe porquê. A resposta foi um exemplo conjugado de profissionalismo e de educação, em suma, da gentileza de um grande senhor: “Não apareci porque tinha a certeza de que me iam fazer perguntas sobre o ambiente no posto. E como não queria dizer mal do meu embaixador, mas também não tinha vontade de mentir, achei que era melhor abster-me de ter essas conversas”.

Nas Necessidades, nos dias de hoje, o Zé continua a trabalhar para uma carreira a que sempre deu muito de si, às vezes com momentos em que, literalmente, “fez das tripas coração”, em tempos complexos que já lá vão. Mas onde, com todo o merecimento, também se soube divertir bastante, como é da lógica dos que sabem viver bem a vida. É uma jóia de pessoa, com um sorriso permanente, uma gargalhada fácil e sã, em especial quando ambos partilhamos alguns episódios caricatos de que fomos testemunhas bem humoradas.

Por que é que falo dele aqui hoje? Ora essa! Porque é o dia do seu aniversário. Um forte a muito amigo abraço de parabéns, querido Zé!

6 comentários:

Anónimo disse...

O Zé é exactamente assim. Parabéns ao Zé e parabéns pelo post.

Um abraço

JPGarcia

Anónimo disse...

Parabéns e...saúde!

Anónimo disse...


Devo dizer que me espanta muito, como um Embaixador de Portugal jubilado não percebe a importância do protocolo.

Quando hoje convida para sua casa um grupo de pessoas, como as senta à sua mesa?
Espero que faça o possivel para que a senhora de maior idade se sente à sua direita e o marido dela se sente à direita da sua esposa ou quem preside à mesa consigo.
Se não houvesse protocolo todas as cerimónias que são mais importantes seja a nível privado ou público eram uma infernal bagunça. Só quem vive uma vida pública pode saber o que isso implica.
Pode dizer que parece uma coisa arcaica mas tem de admitir que facilita a vida. Não há atropelos.
Sabe-se ao que se vai. Pode-se pensar que não é uma "festa" mas sim um espectáculo como tão do agrado dos revolucionários.

Anónimo disse...


Conta-se um episódio um pouco estranho que aconteceu com um nosso representante em Viena antes de 1908.
Havia um baile na Corte de Viena onde eram convidados a nobresa e os funcionários da corte de Viena. Os Ministros estrangeiros também eram convidados. Nesses bailes havia um banquete para os convidados. Ao nosso representante foi-lhe indicado que a sua mesa era a nº X.
Quando o nosso representante se aproximou da mesa viu que quem já estava lá sentado era o chanceler do Império Austríaco. Ficou espantado mas foi cumprimentar o senhor Chanceler, que lhe disse: sente-se aqui porque nestes bailes só há protocolo para a nobresa local. Como estou aqui sem título nobiliárquico colocaram-me nesta mesa dos comuns porque apenas faço parte dos funcionários públicos.

Ou seja naqueles bailes havia apenas a nobresa e os funcionários públicos e quando o Chanceler do Império não era nobre tinha de assistir ao baile apenas como um outro funcionário público.
Assim era o protocolo nesta Corte o qual era conhecido como o mais antigo naquela época.
Rídiculo com certeza.

Anónimo disse...

Anonimo 21 de julho as 14.04,

Nao se diz esposa!

Anónimo disse...

@ Anónimo de 21 se Julho 18.58.

Se calhar gostava mais que se dissesse a Srª de fulano como depois de 75 era chamada a mulher de um qualquer.