segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Conselho de Segurança

No dia 12 de Outubro, decide-se a sorte da candidatura de Portugal a um lugar de membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU, para o biénio 2011-12. Como opositores, no grupo regional a que pertence, Portugal tem a Alemanha e o Canadá.

Esta eleição implicou um forte empenho de toda a máquina diplomática e política portuguesa. Muitas centenas de diligências foram feitas por todo o mundo, contactos múltiplos executados, imensas promessas de votos foram recebidas, grande parte em troca de apoios noutras eleições, no âmbito da ONU ou não. Imagino a quantidade de horas que o meu colega embaixador na ONU, Moraes Cabral, terá passado no "Indonesian Lounge", o lugar das conversas "onusinas", a tentar convencer colegas a votarem em nós, bem como os incontáveis almoços e jantares realizados. Sei do muito que se fez, através de todo o sistema internacional, para promover esta candidatura. Julgo, com toda a sinceridade, que melhor seria impossível.

Esta eleição é, porventura, das mais difíceis de todas aquelas em que Portugal esteve envolvido. Lutamos contra dois "gigantes", dentro da máquina das Nações Unidas e fora dela, dois países ricos, membros do G8, detentores de uma forte rede diplomática, com atividade muito intensa em várias áreas relevantes para a máquina multilateral e, por isso, com muitos "argumentos" de peso para convencerem os eleitores. 

Perder ou ganhar faz parte da vida internacional. Seguro, cómodo, seria não concorrer, não correr riscos. Assim, de facto, nunca perderíamos.

Nós decidimos "ir a jogo". E bem. Temos todas as razões para disputar esta luta, temos todo o interesse em, estar presente nesta competição, temos motivos de sobra para podermos ambicionar o lugar. Porquê? Leiam o que escrevi aqui, há alguns meses.

Entre 1997 e 1999, Portugal esteve presente no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Foi uma vitória brilhante, numas eleições conduzidas politicamente por Jaime Gama e, no terreno e com mão de mestre, pelo então representante diplomático português na ONU, Pedro Catarino. Durante o biénio da nossa presidência, Portugal foi representado em Nova Iorque, com grande profissionalismo, por outro excelente diplomata, António Monteiro. Vim a suceder-lhe no lugar, como, por coincidência, também ocorreu aqui em Paris.

À época, estive ligeiramente envolvido na "guerra" de conquista de votos, em encontros múltiplos com governantes e diplomatas, em visitas a alguns países europeus. dadas as funções que então ocupava. Passei muitos dias de avião e em  ações de lóbi, da Estónia à Croácia, da Lituânia à Bósnia-Herzegovina.

Na noite da eleição, em Outubro de 1996, recordo-me que estava em casa do representante permanente austríaco junto da União Europeia, num jantar de trabalho no âmbito da negociação daquele que viria a ser designado como o Tratado de Amesterdão.

A certa altura, recebi um telefonema: a Suécia e Portugal tinha sido eleitos, a Austrália - o terceiro "challenger" - fora derrotada, de forma esmagadora. Com falsa naturalidade, interrompi a discussão e voltando-me para os presentes e, em especial, para o meu colega de governo sueco, Gunnar Lund (hoje, como eu,  embaixador aqui em Paris), disse: "Proponho um brinde, para comemorarmos a entrada da Suécia para o Conselho de Segurança". Todos me acompanharam. Um segundo depois, Gunnar lembrou-se: "E quem mais foi eleito, no grupo ocidental?". Aí, magnânimo, retorqui: "Portugal, claro, mas isso já era óbvio, ninguém estava à espera de outro resultado..."

4 comentários:

patricio branco disse...

como disse ontem marcelo rebelo de sousa, que fracasso para portugal só ter conseguido 1 embaixador da ue de nacionalidade portuguesa e num pais de 3a ordem. Que se passou?
Que a máquina da promoção funcione para o csnu e ganhemos o lugar lá.

wine, wine and more wine.. disse...

Bom dia,
Ainda ontem vi um programa sobre este tema aqui em Toronto, falavam das poucas hipoteses q o Canada tem de conseguir o posto, as policies q o governo canadiano tem tido nestes ultimos anos(Harper Years) nao tem deixado mts amigos, especialmente na Europa (Sarkozy estava um cadinho chateado qd o Canada votou contra um plano europeu a semana passada) e no medio oriente, kissing ass a Israel (nada de novo a um governo conservador canadiano). Aparentemente tem o voto da Russia, we will see.

Helena Sacadura Cabral disse...

Oxalá, Patricio Branco, assim seja!

Fernando Frazão disse...

A fina ironia da parte final do seu post vale um brinde que desjo se estenda ao peróximo dia 12.
Brindemos pois.
Saúde!