terça-feira, 14 de setembro de 2010

Retratos lisboetas (1)

- Contamos consigo!

Não percebi o que o taxista queria dizer com a frase, ao ver-me sair do carro,  penosamente, com um visível esforço físico.

Minutos antes, ainda dentro do taxi, eu tinha tido uma conversa telefónica com um amigo, a quem havia dado conta do estado de evolução do meu joelho, depois de recente operação.

- Conta comigo, para quê? - perguntei, já de fora do carro.

- Para a seleção, claro! O amigo, quando ficar bom, é bem capaz de ficar a jogar melhor do que aqueles "morcões" que andaram a arrastar-se contra Chipre e a Noruega!

Não lhe dei razão, claro. Pelo menos, toda.