sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Paddy Ashdown

Nos anos em que vivi no Reino Unido, Paddy Ashdown era líder do partido liberal-democrata. Não era então fácil a esse partido, recém-saído da aventura do SDLP, ganhar uma identidade própria, num tempo em que o poder conservador era disputado por uns trabalhistas então já em lenta mas segura ascensão, fruto de uma forte bipolarização. Além disso, a "perfídia" do sistema eleitoral castigava, por regra, os liberais-democratas e induzia ao voto útil numa das duas formações do "rotativismo" costumeiro.

Sempre apreciei em Ashdown uma atitude de homem de uma só palavra, pouco dado aos rodriguinhos de alguma baixa politiquice. E foi-me sensível a sua postura de Estado, em todas as grandes questões de interesse nacional britânico - em especial, no caso da Irlanda do Norte. A essa cultura de comportamento não será talvez estranha a sua anterior pertença às Forças Armadas e ao MI6. Não posso deixar de dizer que, sendo a aposta na ideia europeia uma das suas grandes marcas políticas, isso foi-me sempre particularmente simpático nele.

Ashdown abandonou a política interna britânica ainda nos anos 90, tendo depois ocupado, por algum tempo, o cargo de alto-comissário para a Bósnia-Herzegovina. Mais tarde, a raínha deu-lhe o título de lorde. E, em tempos mais próximos, Ashdown resistiu ao convite que Gordon Brown lhe fez para ser seu ministro.

Ontem, num grupo restrito, almocei em Paris com Paddy Ashdown. A necessária obediência às "Chatham House rules" (as clássicas regras, criadas originalmente pelo Royal Institute of International Affairs, que impedem que se divulgue o conteúdo deste tipo de encontros informais) não me permite relatar as interessantes observações feitas por Ashdown, nomeadamente sobre o Afeganistão e as relações entre a Europa e os Estados Unidos. O antigo lider liberal-democrata, hoje um conselheiro próximo do vice-primeiro ministro Nick Clegg, demonstrou, nessas quase duas horas de perguntas e respostas, uma fantástica "maîtrise" dos grandes dossiês internacionais. No final, concluí que é pena não ver Ashdown num cargo internacional à altura das suas grandes capacidades.

2 comentários:

Mônica disse...

Eu não entendo nada do que escreve, mas é bom saber que estava em Paris almoçando.
E eu aqui no Brasil lendo.
com carinho MOnica

Helena Sacadura Cabral disse...

Ora aqui está um comentário delicioso, de uma ternura imensa. Ainda bem que existem Mónicas que têm gosto em saber que os seus amigos almoçam em Paris!
É uma aragem de frescura e uma simplicidade encantadora!