quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

Que raio de país este!

Há gente já com netos que nasceu depois de ter sido anunciado que o novo aeroporto de Lisboa seria na Ota. Foram estudos e mais estudos, especialistas e mais especialistas, debates intermináveis e contestações múltiplas. Um dia, a ideia da Ota acabou. Depois foi o projeto de Alcochete. A “novela” foi parecida, embora mais breve. Caiu-se, finalmente, na solução Montijo, embora por aí agora se fale também da ideia de Portela + Alverca. Não sei se me esqueci de alguma coisa mais. Quando os estudos acabam e todas as audições terminam, quando parece estar prestes a surgir uma decisão final, lá recomeça a contestação. E, como regra, os governos acobardam-se e, como nos jogos de tabuleiro, tudo regressa à primeira casa.

Que raio de país este!

7 comentários:

Carlos Diniz disse...

Realmente, numa altura em que se fala, cada vez mais a propósito, de um muito provável aumento do nível dos oceanos fazer um aeroporto num estuário dum grande rio é de inteligência................ cavalar.

Ferreira da Silva disse...

Exmo Sr Enmbaixador,
Deixarei uma só nota para dizer que a questão do Novo Aeroporto de Lisboa começou a ser estudada em 1970. Teve 5 relatórios ( os últimos foram da conceituada ADP - Aeroports de Paris) e todos apresentavam Rio Frio como a localização certa. Em 1999 a solução foi vetada pelo Governo.
Lamentavelmente, isto é o comum em Portugal: a falta de decisão.

Anónimo disse...

É extraordinário que 50 anos depois da criação do gabinete do novo aeroporto de Lisboa e depois de duas decisões sobre o local baseadas em dezenas de milhares de páginas de estudos de todos os peritos do mundo se vá escolher a solução mais estupida só por ser mais barata e ver só agora os responsáveis pela indústria do turismo que a ausência de um aeroporto é o maior entrava a sustentabilidade do sector. A não construção do aeroporto foi a maior estupidez do pós 25 de abril. E era curioso saber quem beneficiou com a campanha anti aeroporto
Fernando Neves

Anónimo disse...

Como se há-de confiar nos políticos se é tudo um jogo de interesses?

Portugalredecouvertes disse...

é um aeroporto que está difícil de pousar :(((

aamgvieira disse...

Tem toda a razão. E Beja ?


Reaça disse...

Assim é que é bom, devagar, devagarinho, e não a mata-cavalos como foi com as auto-estradas e campos de futebol.

Antes obras de menos do que demais.

Como no tempo do Salazar é que está bem.

Costa e Centeno para sempre.

FAZER NÃO CUSTA!