quinta-feira, 4 de março de 2021

Um restaurante diferente



A porta fechou, há bastante tempo. O seu dono também desapareceu, há muito. Francisco Queiroz tinha vindo de África, nessa segunda metade dos anos 70, quando muita outra gente também veio de África.

Começou por lançar o “Varina da Madragoa”, na rua das Madres, até que se fixou no “Sua Excelência”, na rua do Conde, não muito longe do Museu de Arte Antiga. Há pouco, tirei esta foto da porta.

Queiroz era uma figura bastante interessante, para alguém que dirigia um restaurante. Fazia parte daqueles donos da casa que fazem gala que não nos esqueçamos de que são... os donos da casa. Há quem se irrite com o estilo, há quem ache graça. Eu, sem um esforço por aí além, procurei sempre sobreviver entre esses dois registos. Não tenho, por feitio e à partida, uma excessiva paciência para aquelas maneiras, mas divertia-me aquela forma de estar, por ser essa precisamente a diferença que marcava a casa. 

Era um restaurante com poucos lugares, com um pátio traseiro simpático e preços um pouco “puxados”. Nesse tempo, ali na Lapa, como no resto de Lisboa, encontrava-se sempre um lugar para estacionar (até no Bairro Alto!).

Reservava-se, entrava-se, havia uma zona para um copo prévio à refeição e, não se sendo íntimo, como nunca fui nem pretendi ser, começava-se, invariavelmente, por ser tratado de uma forma snobe, num estilo muito afetado, criando uma distância quase artificial e, para muitos, ligeiramente intimidatória. Essa era a imagem de marca que Francisco Queiroz deliberadamente queria transmitir. E que colava muito bem à sua pele.

Sejamos justos que era essa rara coreografia, para além da boa comida, a razão um pouco masoquista que ali nos levava. E que também nos motivava a convidar para lá amigos estrangeiros, para apreciarem aquela bizarria, essa aposta restaurativa muito distinta que o “Sua Excelência” representava então em Lisboa.

Para além da oferta culinária, que estava na “média alta” da época, o grande “número” da noite era o enunciar da lista, que não existia em formato de papel e que Francisco Queiroz debitava, se fosse necessário, em várias línguas.

Uma noite, no meio dessa longa recitação, decidi tomar uma nota escrita sobre um prato que ele tinha acabado de referir e que temi esquecer, ao fim da longa lista. Queiroz ofendeu-se, ou fez de conta que se ofendeu, afivelando o carão de desagrado que lhe era muito típico: “O que é que está a fazer?” Expliquei que tinha receio de me esquecer do prato. Ele olhou para mim do alto (ele olhava sempre do alto!), retorquindo: “O menino não tem nada que tomar notas! Ora essa! Pede para repetir e eu repito!” E lá continuou a litania.

Numa outra ocasião, levei por lá um amigo brasileiro que, além de um pouco surdo, tinha dificuldade em seguir os detalhes das descrições dos cozinhados com que Francisco Queiroz se comprazia. E, não reparando que falava demasiado alto, disse-me, pensando estar a fazê-lo em voz baixa: “Não entendo nada do que o “veado” diz!” A noite esteve para acabar por ali, com o dono da casa a dar mostras de ofendido, e com real razão, só não nos pondo com outro dono por consideração por mim, que organizara o jantar e tinha começado por elogiar a casa.

Num outro jantar em que uma convidada, no final da refeição, sem nada a ver com o que tinha comido, se sentiu mal, a conta final, num gesto de grande delicadeza, veio descontada dessa despesa. Nunca esqueci esse gesto.

Nesta memória, deixo um texto, que “apanhei” num artigo de jornal, e que reproduz, ipsis verbis, a apresentação feita das entradas que o “Sua Excelência” num certo dia oferecia. Por ele podem imaginar a riqueza da descrição que se seguiria, no tocante aos pratos principais e às sempre excelentes sobremesas. Noto que, na explicação dos pratos, era vulgar Francisco Queiroz dizer que eram “como a tia Maria do Carmo fazia” ou “como lá em casa a mãe preparava” ou coisas assim.

Aqui vai: 

Temos uma sopa de peixe, que é a sopa do dia, uma especialidade da casa, uma sopa alentejana que se faz num instantinho, se quiserem, e ainda temos um consome com vinho da Madeira que também há todos os dias. (Espere aí que ainda não acabei!). Nas entradas propriamente ditas temos umas gambazinhas deste tamanho chamadas “à moda de Moçambique”, que são abertas primeiro, muito bem temperadas, e depois, na altura de servir, são fritas em manteiga com molho de piripiri. Temos um belíssimo espadarte fumado e também um cocktail de camarão dentro de uma pêra abacate. Além disso, há uns cogumelos salteados com natas e vinho da Madeira, numas caçarolazinhas de porcelana. Uns ovos en cocotte, feitos no forno em banho Maria, com azeitonas, bocadinhos de fiambre e natas. Por fim, temos um funcho gratinado no forno... O funcho? Bem, há uma erva, mas essa erva nasce de um bolbozinho que está debaixo da terra e é essa raiz que nós empregamos na culinária. Parece uma cebola achatada, é muito saborosa. Primeiro, coze-se em água e sal, corta-se em quatro bocados que se põem num tachinho de barro (Espere aí que ainda não acabei!), com uma fatiazinha de fiambre, molho branco e quejo ralado, é uma delícia! Isto é o que nos temos para começar.”

Fazem falta restaurantes destes em Lisboa! Agora, num estilo só aproximado, na melhor das hipóteses, o que se vê por aí, mas felizmente não muito, já não é este tipo de sobranceria afetada a soar, com graça, a uma aristocracia deliciosamente decadente, mas sim atitudes de “confiança” a roçar a má educação ou, então, o estilo “casual arrogant” de uns miúdos que servem à mesa como que fazendo um frete, dando ares de estarem a ganhar umas horas com o “tio”, no meio de um mestrado para encher o tempo.

7 comentários:

António Bettencourt disse...

Por falar em "confianças". Talvez há uns 7 ou 8 anos, no Panorama, no Guincho, um dos empregados vira-se para mim e pergunta "como está a patroa?". Quando olhou para minha cara, percebeu logo que tinha feito asneira. No final do almoço, não sei se aconselhado por alguém, pediu-me desculpa.

JPGarcia disse...

Caro Francisco,

Obrigado por este texto que me veio lembrar um dos melhores restaurantes onde fui, por uma característica bem rara: a regularidade na qualidade. O Chico Queiroz era mesmo um aristocrata, primo do Eduardo Nunes de Carvalho, o Iá, também meu primo por afinidade e com quem lá fui várias vezes. O sumo de tomate temperado, as amêijoas e os linguados de seis maneiras diferentes e as citadas gambas à moda de Moçambique eram uma maravilha. A coreografia, só de tempos a tempos, também tinha a sua graça. Faz falta.

Um abraço

JPGarcia

Pedro Sousa Ribeiro disse...

Excelente descrição de um restaurante da moda nos anos 70 e 80. Só para ouvir o Sr. Queiroz, com o seu ar aristocrático, recitar a ementa, em várias línguas, valia a pena a ida ao restaurante. Mas não só, também se comia bem num ambiente acolhedor. Faz falta a Lisboa.

João Forjaz Vieira disse...

Fui uma vez com o meu sogro e não esqueci: era de facto invulgar e excelente
João Vieira

Francisco de Sousa Rodrigues disse...

Digno de se ler 10 vezes seguidas!
Adorei a aguarela.

amf disse...


Esplendida evocação a um restaurante que frequentei no fim dos anos 70 em que trabalhei na Pau da Bandeira.

A qualidade oferecida e a singularidade do seu responsável bem a mereceram.

Obrigado pela "aguarela"(uso o termo de anterior comentário) que pude testemunhar há quarenta e muitos anos.

amf

Fernando Correia de Oliveira disse...

Bela crónica, que me fez voltar aos tempos em que o Sua Excelência era o restaurante obrigatório quando tínhamos visitas estrangeiras na agência Notícias de Portugal, que funcionava no antigo palacete da Administração da RTP, numa rua vizinha. Quem lá ia pela primeira vez ficava meio apalermado com a actuação do sr. Queiroz. Então se não fosse português... Mas comia-se sempre muito bem e a insólita teatralidade fazia de um almoço um happening