quarta-feira, 31 de março de 2021

Cabo Delgado

Quero crer, com toda a franqueza, que o Estado português continuará a ter como muito claras as linhas limite que o envolvimento bilateral de Portugal na situação securitária em Moçambique deve continuar a observar.

1 comentário:

Joaquim de Freitas disse...

E faz muito bem lembrar, Senhor Embaixador, afim de não cair na mesma fossa sem fundo da perda de vidas e dinheiro, que nao temos, como acontece no Mali com a França.