segunda-feira, 22 de março de 2021

Os livros regressaram!


As livrarias estão abertas! Não costumo pronunciar-me sobre a pandemia - porque não sou “achista” sobre assuntos em que outros sabem seguramente mais do que eu - mas, por uma vez sem exemplo, quero dizer que me tenho sentido bem menos seguro em outras lojas do que nas livrarias. Mas, enfim, manda quem deve mandar! E eles é que sabem, não sou eu.

A verdade é que fui, pela segunda vez, à “Ler”, no Jardim da Parada, em Campo de Ourique, desde que esta excelente casa pôde reabrir. Com os devidos cuidados de segurança e o ambiente agradável e a atenção que é habitual naquela casa. Nas bancadas, há algumas novidades, mas parece que outras estarão aí “à bica”. Ainda bem! A edição é uma indústria do bem. 

2 comentários:

disse...

"Manda quem deve mandar e eles é que sabem." Isto é um argumento anti-democrático. A ideia de que não se pode discutir criticamente decisões técnicas e/ou políticas é estapafúrdia. Saúde pública não é mecânica quântica. É uma ciência inter-disciplinar que convoca diferentes disciplinas: desde a matemática à medicina, mas tb economia, sociologia e até informática (os modelos epidemiológicos têm de ser modelados computacionalmente). Os agentes políticos que têm tomado as decisões que informaram as políticas públicas durante a pandemia (e não se enganem: a DGS é um orgão político) tomam-nas com conhecimento parcial e, muitas vezes, baseando-se em argumentos sem grande sofisticação técnica. Vivemos em democracia. Portanto, os argumentos devem ser explicados ao público, e quem tiver capacidade para os perceber tem todo o direito a ter uma opinião. Bom dia!

Francisco Seixas da Costa disse...

Não dei “ordens” a ninguém. Apenas disse que este é o meu comportamento perante questões que não domino tecnicamente e sobre as quais a minha opinião se tornaria, assim, irrelevante. Mas cada um faça o que melhor entender.