domingo, 12 de setembro de 2021

Meia dúzia de histórias com Jorge Sampaio - o botão


1998 ou 1999. As cerimónias de entrega de credenciais dos embaixadores estrangeiros passam-se no palácio de Belém, numa grande sala adjacente ao gabinete oficial do presidente da República (digo "oficial" porque, na realidade, o presidente não trabalha nesse gabinete). Durante o ato protocolar, o chefe do Estado tem a seu lado, mas um pouco mais recuado, o ministro dos Negócios Estrangeiros (ou, na frequente impossibilidade deste, um qualquer secretário de Estado, ou mesmo o secretário-geral, do MNE). Quem, em qualquer governo, passou por essa função na cerimónia sabe que deve colocar-se "sobre uma rosa" que existe no desenho da carpete.

A cerimónia é simples. O presidente recebe da mão do embaixador as chamadas "cartas credenciais" (um envelope com uma carta do chefe de Estado estrangeiro ao seu homólogo português, a "recomendar" o seu embaixador), passa-as de imediato ao membro do governo, que as "despacha", logo de seguida, para alguém do serviço do Protocolo, situado ainda mais atrás. Seguem depois para o gabinete oficial, onde os três, acompanhados pelo assessor diplomático de presidente, se sentam para uma conversa de alguns minutos.

Fiz essa "coreografia" várias vezes, ao longo de alguns anos, ao tempo em Jorge Sampaio era presidente. O traje para a cerimónia é o fraque. Com o tempo e com o corpo a ter tendência a avolumar-se, o meu fraque foi ficando cada vez mais apertado. Enquanto de pé, o único botão do fraque ainda fechava. Por isso, e de certo modo, constituía para mim um alívio o momento em que nos íamos sentar, já com esse botão desapertado. A partir daí, a sustentação do abdómen ficava a cargo do colete, este já com vários botões, que se usa sob o fraque. Mas, com o tempo, também o próprio colete foi ficando, progressivamente, mais justo e apertado. E como não podia ser desabotoado, estar sentado era também um tormento. Hoje posso dizer que aquela não era uma cerimónia que eu apreciasse excessivamente.

Numa dessas ocasiões, na receção a um embaixador de um país asiático, mal tínhamos acabado de nos sentar, enquanto o presidente dizia aquelas "niceties" iniciais ("Mr. Ambassador, it's a great pleasure to receive you in Portugal..."), antes de abordar algumas temáticas bilaterais, apoiado nas notas que os Negócios estrangeiros lhe tinham preparado, um dos botões do meu colete soltou-se, projetando-se em frente, mais de um metro. A conversa estacou por instantes. O embaixador, impávido, olhos em bico arregalados, cuidou de preservar um ar neutro, como se o caricato da cena não o tivesse tocado. Eu olhei, algo embaraçado, para um divertido Jorge Sampaio, que, se bem o conheço, deve ter dito qualquer coisa como "Mr. Secretary of State, these things happen!". O assessor presidencial, simpático e risonho, apanhou o botão e devolveu-mo, quiçá temeroso de que, se fosse eu a tentar apanhá-lo, acabasse por desencadear, fruto de uma pressão abdominal acrescida, uma temível "rajada" do resto dos botões a saltarem. Até ao fim da conversa, "fiz peito", sentado entre um presidente que me continuava a olhar bem disposto e um embaixador, muito asiático e compenetrado, que, nem por um momento, através de um simples sorriso, quis dar sinal de que comungava de uma qualquer leitura do ridículo que a situação a que assistira encerrava. Não seria por falha dele que as relações bilaterais seriam comprometidas...

5 comentários:

jose matos disse...

- Puffff ... , que alívio poder rir-me a bom rir e sem ninguém que reparasse em mim! Pufff....

Luís Lavoura disse...

"Mr. Secretary of State, these things happen!"

Não disse "shit happens"?!

Luís Lavoura disse...

Que raio, então o Francisco, ou o Ministério por ele, não tinha dinheiro para regularmente ir comprando um novo fraque e um novo colete?
Eu julgava que um embaixador fosse suposto apresentar-se sempre impecavelmente vestido, do que faz parte, naturalmente, vestir roupa com o tamanho adequado!

Francisco Seixas da Costa disse...

O Luís Lavoura está mesmo bem? A sério!

Maria Isabel disse...

Adorei todas estas histórias. Como sempre gosto mesmo de as ler.
Este Sr. Lavoura deve ser uma pessoa que nunca lhe aconteceu nada de estranho.
A mim acontece-me tudo e eu riu-me.
Deve ser um senhor sem nenhum sentido humor. Que triste!!!!!
Cumprimentos
Maria Isabel