quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Sair da cepa torta


Há dias, José Sócrates criticou, num artigo publicado no Brasil, o facto de António Costa não ter renovado a Geringonça, através de um acordo escrito com o Bloco de Esquerda. É irónico ver o antigo primeiro-ministro pronunciar-se desta forma, se tivermos em conta que, do seu tempo, nenhum gesto de aproximação com a “esquerda da esquerda” ficou nos anais da nossa política caseira. Bem pelo contrário, como se lembrará a “tia” de Francisco Louçã...

Dentre os primeiros-ministros socialistas da nossa democracia, nem Mário Soares, nem António Guterres, nem José Sócrates consideraram existirem condições para derrubar o muro que separava os utentes habituais do “arco da governação” dos setores mais à esquerda. E, provavelmente, com razão.

Soares governou na Guerra Fria e trazia consigo o trauma dos embates de 1975, o que não obstou a que fosse o “povo de esquerda” a colocá-lo depois em Belém. Guterres fez um governo de centro-esquerda, única forma de potenciar o declínio do cavaquismo. Sócrates, curiosamente, partiu de uma postura que chegou a seduzir setores conservadores, para depois se enquistar num processo de autismo político que, no plano retórico, procurou, na sua fase final, colocar-se num registo de esquerda-direita. Nenhum dos três, contudo, fez qualquer gesto à sua esquerda, quiçá também pela consciência de que isso não teria a menor retribuição.

Há que creditar a António Costa a coragem desse gesto, tanto mais que ele teve lugar num tempo de particular debilidade do país na ordem financeira externa, quando Portugal estava sob severa vigilância dos seus credores, que se tinham sentido confortados por um governo que tão bem mimetizava internamente o seu receituário político. Mas tem de partilhar esse mérito: uma imensa “gratidão” é devida ao espetro que constituía a hipótese de um regresso de Passos Coelho, o mais poderoso fator que levou os comunistas a caminharem no sentido de um conjuntural “compromisso histórico”.

Escrevi “conjuntural” com plena convicção. O PCP cedo mostrou que o “negócio” de 2015, se bem que agradável às suas bases, teve um custo institucional forte e não era para repetir. Para António Costa, fazer agora um acordo isolado com o Bloco seria um gesto vão. O peso dos bloquistas, à parte alguns fogachos sectoriais, esgota-se na bancada de S. Bento. Costa sabe bem quem pode estar ao seu lado e contra si no verdadeiro desafio do novo governo: potenciar o crescimento e controlar as corporações. Sem isso, não sairemos da cepa torta.

6 comentários:

Anónimo disse...

Senhor embaixador, talvez valesse a pena ter deixado uma nota sobre a "aproximação" ao PCP, promovida por Jorge Sampaio, em Lisboa, pouco depois da "queda do muro" de Berlim...
MB

dor em baixa disse...

Contados os votos em 2015 o PCP disse "O PS só não fará governo se não quiser", arrancaram os passos que conduziram à Geringonça. Contados os votos em 2019 o PCP disse "Não fixaremos um acordo para a próxima legislatura". Ficamos nisto.

Anónimo disse...

Salvo o devido respeito, Costa não precisou de nenhuma coragem para fazer a geringonça. Tinha de sobreviver: ou era a geringonça ou era o "desemprego".

Antonio disse...

Já seria um grande avanço se as corporações não controlassem o Estado.

Anónimo disse...

.... sem isso não saímos da cepa torta... concordo a cepa torta é no que temos vivido desde que os socialistas mandam no país porque ... nem ambição dela sair.! O que é preciso é estar e ocupar. O resto ... depois se verá

João Vieira

Anónimo disse...

Tem razão aquele anónimo das 11.37: sem aquele "golpe de asas" do PCP, não seria possível a sobrevivência política de António Costa. É que depois de "defenestrar" o António José Seguro e depois de ter aquele resultado "poucochinho" nas eleições, sem aquela mãozinha do PCP tinha sido o fim político de António Costa.
MB