sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Soares sempre!

Um largo grupo de amigos reuniu-se hoje num almoço rememorativo de Mário Soares. 

Tenho, às vezes, a pretensão de conhecer muito do que de importante existe, em matéria de imagem e escrita, sobre a nossa História contemporânea, mas, frequentemente, tenho surpresas. Aconteceu hoje.

Durante a apresentação de um filme sobre Mário Soares, foi mostrado um pequeno apontamento, gravado nas instalações da RTP, ainda antes do 1° de maio de 1974, em 29 ou 30 de abril. 

No que nele disse, Soares revelava ser aquela a primeira vez, em mais de três décadas de vida política, que tinha a oportunidade de utilizar aquela (então) única antena televisiva. Era uma mensagem fortemente política e significativa.

O mais interessante foi o facto de Mário Soares, nesses breve minutos, ter manifestado a sua concordância com a designação de “primeiro de maio vermelho”, que alguns pretendiam dar à grande manifestação que o povo português iria afinal protagonizar, em fantástica calma, escassas horas depois.

Soares afirmava, nessa intervenção, que não de importava que a data fosse “vermelha”, mas lembrou que esse vermelho deveria ser o das papoilas do Alentejo ou dos cravos oferecidos pelo povo, dias antes, aos soldados da Revolução. Soares acrescentava: “mas não queremos o vermelho do sangue”, porque a Revolução foi feita para a paz.

Foi uma bela homenagem, a que muitos lhe fizemos hoje. Todas lhe são devidas, porque cada uma delas é também uma homenagem à democracia que ele muito ajudou a construir.

1 comentário:

Anónimo disse...

Notícias da distracção:
- Marcelo hesita em regressar ao papel de comentador, no que teria em Mendes um competidor, e acha por bem fazer um comentário "inteligente " sobre as dificuldades futuras de Centeno;
- Alegre, num raro assomo de fulgor, vem desdizer Catarina;
- o PSD corre para a extinção - uma razão acrescida para Passos continuar a usar a bandeira de Portugal na lapela;
- Louçã e César das Neves convergem: vem aí a falência, o colapso, o Diabo, por outras palavras;
- Deixou de se falar de Sócrates, de Tancos, de fogos, e também de Salgado;
- Farage irá manter a pensão vitalícia da UE mesmo depois de consumado o divórcio britânico;
- É provàvel que os irmãos Marx continuem à solta na Catalunha;
- João Soares, que não tem ainda nenhum controleiro a seu lado, não irá lançar nenhuma boutade esta semana, nem " o socialismo irá ficar na gaveta'...