12.12.17

Nem quase rei


Assumido republicano dos quatro costados, com um avô paterno mação, alvejado pelos “talassas” aquando da frustrada “monarquia do Norte”, sempre tive, no entanto, uma grande curiosidade pela vida, no exílio, das “casas reais” portuguesas. Digo “casas” e não “casa” porque, por muitos e bons anos, duas linhas se confrontaram em representação da dinastia dos Bragança.

O afastamento de dom Miguel pelo seu irmão dom Pedro, depois da “golpada” para repor o “Ancien Régime” contra a Carta Constitucional, conduziu o primeiro a um eterno exílio de onde já só regressaria morto, bem mais de um século depois. Porque a ala miguelista havia então sido oficialmente banida do território português, todos os descendentes de dom Miguel penaram, a partir daí, pela Europa e, em especial, pela Áustria, onde a genealogia do Almanaque de Gotha lhes deu familiar acolhimento.

No trono até 1910, os descendentes de dom Pedro seriam igualmente conduzidos ao exílio, por seu turno, com a Revolução Republicana. Um novo banimento somar-se-ia então ao anterior, abrangendo agora também toda a restante família de dom Pedro. A partir dessa data, quase se poderia dizer, com ironia, que todos os Braganças passaram para além de Quintanilha...

A proximidade germanófila levou muitos membros da ala miguelista exilada a colocar-se do lado errado na Primeira Guerra Mundial, ao contrário do rei deposto, o qual, com natural lealdade, ficou ao lado dos aliados que tão generosamente o acolhiam no seu seio.

O rei dom Manuel viria a morrer em Londres, em 1932. Sem filhos, a sobrevivência da estirpe acabou por fazer repousar num herdeiro miguelista a responsabilidade do facho monárquico. A designação de um pretendente único ao trono, que o acaso ou a vontade política pudesse um dia vir a ressuscitar, havia passado por recorrentes e nem sempre fáceis contactos entre as duas alas desavindas, durante o tempo do inimigo comum que foi a I República, período em que os monarquistas não deixaram de tentar tomar pela força o poder perdido.

A pretensão ao inexistente trono acabaria assim por fazer-se na pessoa de dom Duarte Nuno, da linha miguelista, pai do atual herdeiro, dom Duarte Pio. Tal como, com maestria, soube fazer à generalidade dos monárquicos ao longo do regime (deixando-os “cair” definitivamente apenas em 1951), Salazar foi dando algum “gás” a dom Duarte Nuno, mantendo-o ”em lume brando” à distância, para o que desse e viesse. O pretendente retribuia-lhe os gestos com grande devoção. Salazar acabou mesmo por permitir que ele viesse viver para Portugal com a família, aceitando o fim do banimento. Porém, curiosamente, nunca lhe daria a “confiança” de o receber pessoalmente. 

Estas e outras histórias da vida desta figura, de recorte algo trágico, pertencente à pequena história política do nosso monarquismo remanescente, surgem agora num livro biográfico de Paulo Drumond Braga, que tem um título que diz tudo: “Nas teias de Salazar. Dom Duarte Nuno de Bragança (1907-1976). Entre a esperança e a desilusão”. 

Havia muito pouca coisa escrita sobre este homem, que falava um português com um sotaque que a ele próprio irritava, que olhava Portugal com uma espécie de saudade que só a História e alguma ambição lhe criara e que se deixou sempre endrominar pelo ditador. Uma figura que esteve muito longe de fazer o pleno na apreciação que dele faziam os seus correlegionários, grande parte dos quais escassamente convencidos das suas qualidades para ascender ao mirífico trono, quanto mais para nele vir um dia a ser rei.

A polémica do dia

Pronto! Com a decisão australiana sobre o tenista sérvio está criado um folhetim com todos os ingredientes: vedetas, política, teorias da co...