terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Manuel Marín


A cena estava montada. E não era nada agradável. 

Eu tinha tomado posse do cargo de secretário de Estado em 28 de outubro de 1995. E, menos de 24 horas depois, viajei com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Jaime Gama, para o Luxemburgo, para um Conselho de Ministros “Assuntos Gerais”, sob presidência espanhola. A União Europeia estava prestes a concluir um acordo de comércio com Marrocos. Portugal era o “chato” que estava a criar problemas para a conclusão do acordo, por razões que, recordo-me, se prendiam com os interesses dos nossos industriais de conservas de atum.

A meio do Conselho de ministros europeu, a Comissão pediu para se reunir com Portugal. A responsabilidade da política comercial europeia é da Comissão, sob mandato negocial aprovado pelos ministros. “Isto vai começar! Veja o que eles querem”, disse-me Gama, já prevendo uma batalha interessante. A Espanha sabia das nossas boas relações com Marrocos e preparava-se para tentar bilateralizar o problema, convertendo-o num dissídio luso-marroquino.y

A coreografia montada naquela sala antiquada das instalações que União Europeia tem no Luxemburgo impressionaria quem não conhecesse este género de “shows”. Do lado de lá da mesa, chefiada por Manuel Marin, vice-presidente da Comissão Santer e comissário para as Relações Externas e Desenvolvimento, estava uma “invencível armada”. Eram aí uma vintena, nas duas filas de gente. Gente de Bruxelas e de Madrid. Todos nos conhecíamos, pelo menos de vista, dos corredores da Europa comunitária.

Eu ia com quatro pessoas: Clotilde Câmara Pestana, Teresa Moura, Isabel Vila Santa e alguém da nossa representação em Bruxelas, que agora não recordo. Sei que eram todas mulheres.

“Tu veux qu’on parle en français, Francisco?”. Manuel Marin, o “menino bonito” da Comissão, era um velho conhecido. Durante vários anos anteriores, tinhamo-nos encontrado um pouco por todo o mundo, dos Barbados a Bruxelas, de Brazaville a Lomé, passando pelas Maurícias e pelas Fidji. Respondi com garbo, rindo: “Si quieres, hablamos en castellano!”. O meu “portuñol” era péssimo, mas eu sabia que Marin, como comissário, só estava autorizado a falar uma das línguas de trabalho - francês ou inglês. 

A conversa foi o previsível. A Europa estava à espera, há semanas, do novo governo português, para tentar flexibilizar a posição negocial até aí mantida por Lisboa. Para mim, a questão era duplamente delicada: era muito difícil a um novo governo, que ainda não tinha sequer reunido um único Conselho de Ministros, prescindir de defesas nacionais assumidas pelo governo cessante. No meu caso pessoal, que até à véspera tinha titulado, como diretor-geral adjunto dos Assuntos Europeus, essa mesma posição, fazê-lo seria dar mostras de grande incoerência. 

Marin foi duro. Dramatizou a nossa responsabilidade, no caso de um falhanço de um acordo com Marrocos, sabendo que isso politicamente seria sério para nós (Portugal tem melhores relações com Marrocos do que a Espanha). Estava a tentar ajudar a presidência espanhola a fechar o dossiê. E sabia que só o podia fazer à nossa custa. (No mês seguinte, o MNE espanhol, Javier Solana, far-nos-ia a “partida” de nos deixar a sós, Jaime Gama e eu, com os marroquinos, numa sala de Bruxelas). Quis dar-lhe a ideia de que estávamos sem pressa. E recordo-me de ter acrescentado, críptico: “A seu tempo, faremos chegar à Comissão uma lista de questões que gostaríamos de ver resolvida simultaneamente ao eventual fecho deste acordo”. Era um mero “bluff” para ganhar tempo: eu não tinha rigorosamente nada na manga... O outro lado da mesa agitou-se, trocou olhares. Marin inquiriu: “Podes ser mais explícito?”. Respondi: “Eu disse ‘a seu tempo’. E ainda temos tempo”. Não tínhamos, mas precisávamos de ganhá-lo. A conversa foi breve.

O acordo com Marrocos acabou por ser assinado em meados de dezembro desse ano (seria eu próprio a assiná-lo, por Portugal). Conseguiram-se algumas pequenas coisas compensatórias, como sempre acontece nestes processos. E os marroquinos ainda tiveram de mandar um ministro a Lisboa.

Ontem, dia em que, por coincidência, António Costa estava em negociações em Marrocos, recebi a notícia de que morreu Manuel Marin, aos 68 anos. Chegou a presidente do parlamento do seu país e era uma figura respeitada nos socialistas espanhóis. Ao longo dos anos, pude constatar que era nosso amigo e tinha em atenção os interesses portugueses.

Ao saber da morte de Marin, não pude deixar de me lembrar de que, numa discoteca de uma capital africana de um país de língua francesa, de cujo nome não me quero lembrar (como diria Cervantes para um certo lugar da Mancha), tive de dançar até tarde com uma amiga que então tinha como único e persistente objetivo vir a ser convidada para tal por ele. O que aconteceu, lá para as duas da manhã. Ela deve estar triste, neste momento.

6 comentários:

Jorge Lobo de Mesquita disse...

Penso que seria " a quarta senhora" - na reper era eu que seguia as relações externas com o mediterrâneo e o titular do grupo do respectivo grupo do conselho, O embaixador era o JG Faria e a questão era tambem acompanhada pelo Luis Pereira da Silva, entao conselheiro pescas. As negociações do mandato prolongaram se ate Dezembro, salvo erro sob presidencia espanhola. Além das concessões em conservas de sardinha( e nao de atum), salvo erro era nos difícil aceitar uma quota de 20 000 ton com direitos nulos, havia tambem problemas no " volet " produtos agricolas nas laranjas e tomate primor. Após as conversas numa sala pequena no Luxemburgo, reenviou-se para os "peritos" em Bruxelas, vindo o "pacote final " a subir a coreper. A Espanha ( a conferencia de Barcelona seria logo a seguir em novembro) estava empenhadissima em fechar o Acordo de Associacao com Marrocos, e deixou cair as dificuldades que tinha nas conservas e nas laranjas. Numa noite em COREPER, Javier Elorza, o entao RP de Espanha, vira se para o Embaixador Faria, que defendia com o mesmo afinco a irredutibilidade de concessoes em laranjas e conservas ( estas o nosso verdadeiro problema), para dizer no francês que era entao a lingua franca do coreper - "sabes José, conheço Portugal de les a les, de norte para sul, de sul para norte, vasculhei todos os cantos que por lá tem e sabes José, nunca vislumbrei nenhuma laranja no vosso pais, ao contrario de Espanha, onde mesmo com o motim em curso dos agricultores da andaluzia fecharemos este acordo. Nesse periodo inicial pôs adesão esta dissonância peninsular era rara ( ou preciosa?).

Abraço
JLM

Francisco Seixas da Costa disse...

Meu Caro. Para quem, como eu, vive da memória, sem o menor documento, o seu testemunho é precioso. Este espaço, que não tem pretensões históricas, tem o interesse em ser o mais rigoroso possível, porque fica “por aqui”, sob a minha responsabilidade. Por isso, agradeço muito todos os comentários e correções, como o seu. Um abraço

Luís Lavoura disse...

Marín morreu de cancro de pulmão, com a precoce idade de 68 anos. Fumava?
(Morrer nesta idade tem a vantagem de não se ficar a constituir um longo custo para o sistema de pensões e para os outros. Trabalha-se até perto da morte. É melhor que morrer aos 80 anos de Alzheimer.)

Manuel do Edmundo-Filho disse...

Para Luís Lavoura - cínico até à 5ª casa - devíamos todos morrer mal as nossas contribuições para o sistema de pensões findassem. Menos ele...

Anónimo disse...

o Sr. Lavoura deve ser do tipo "Isabel Moreira"....

Anónimo disse...

Gostaria de recordar o senhor Marín também como um dos criadores (em 1987) do programa Erasmus. Eu e muitos outros jovens europeus devemos-lhe muito.