sábado, 23 de dezembro de 2017

A aletria da Cimpor e outros doces


O’Neill considerava-nos “o incrível país da minha tia, trémulo de bondade e de aletria”. Acompanho o poeta neste requebro melancólico e tenho para mim que a aletria do Natal faz parte da nossa identidade afetiva.

Há uns anos, aqui por Vila Real, na altura das Festas, falhou a aletria. O túnel do nosso contentamento ainda não tinha sido construído e a neve ou o gelo não deixavam passar os camiões no Marão. 

Foi o bom e o bonito! A cidade agitava-se, na Gomes e na esquina do Zézé trocavam-se boatos (“Parece que vem pela Régua...”, “Há a ideia de a trazer de Chaves...”), as cozinheiras desesperavam. O espetro de um Natal sem aletria pairou no horizonte. A meio da tarde do dia de consoada, surgiu, finalmente, uma luz! De casa, recebi um telefonema, imagino que em voz baixa, de quem tinha obtido o santo e a senha de fonte A1, como se diz na tropa: “Passa pelo Minipreço! Dizem que já há aletria por lá. Traz três pacotes”. (Nesse tempo, eu “podia” frequentar outras lojas além do Pingo Doce...). 

Entrei e logo estaquei: como é que era o aspeto da aletria? Só a conheço nas travessas, já amarelada pelos ovos, com a canela a pontuar, pronta a comer. (Isto de ter fama - e algum proveito, vá lá! -de gastrónomo e não saber estrelar um ovo acaba por não ser muito prestigiante). Embatucado pelo embaraço, perguntei a uma cliente se me podia ajudar. “É o senhor embaixador, não é?” Era. Riu-se e lá me levou à aletria, na zona das massas. Cheguei a casa impante. Pela cidade, o drama tinha passado. 

A aletria e os pudins, além da sopa dourada, dos sonhos e das rabanadas, fazem parte daquele tipo de coisas que, desde há vários anos, já são obtidos por impessoal “outsourcing”, embora sempre de “gente de confiança”, sem que o Mário Centeno se meta na transação. Mas nem sempre foi assim. Para além da obrigatória aquisição dos imbatíveis pudins das irmãs Coelho, atrás da Sé, cuja recolha implicava uma condução cuidadosíssima na tarde da consoada, houve sempre pessoas amigas da família que cuidavam em apaparicar-nos a glicose e os trigliceridos. Ainda aí estão hoje as fantásticas rabanadas da Alice, como o foram os deliciosos sonhos da Dona Auta ou o imbatível doce de xila e ovos da Mariazinha Rua. 

Um Natal, cá por casa, mudou-se a origem da aletria. Quando o novo produto se provou, ele ganhou, num segundo, um qualificativo que lhe ficou para sempre: a aletria da Cimpor. Dura, sensaborona, sem a menor graça, sem descolar da travessa, parecia ter “levado” cimento na receita. Nos anos seguintes, o tiro foi retificado e tudo voltou à normalidade que estas coisas devem ter.

Estivesse eu em Chaves e meteria cunhas para ter, neste Natal, a aletria que se serve no Aprígio. Comi lá, há semanas, uma das melhores aletrias que provei em toda a minha vida: solta sem ser aguada, doce sem ser enjoativa, com a textura certa abaixo do “al dente” e aquele gosto de boca final, onde o sabor da canela exterior se junta criativamente com o longínquo travo a limão. O Aprígio passou, para mim, a ser o “benchmark” da aletria, isto é, exatamente o contrário da aletria da Cimpor.

3 comentários:

Anónimo disse...

E depois dos doces de natal, vamos ter uma conversa amarga sobre a Catalunha? Um seu colega diplomata, no Público, conseguiu descobrir que isto foi tudo mau para os... independentistas (deve de precisar de uns novos óculos).

Ramon Martinez disse...

Posso perguntar o que é a Cimpor?, eu procuro na internet e sai Cimentos de Portugal.
Quero comentar no seu Facebook, sempre o fiz como Carqueixa. Faço-o muito poucas vezes e agora não posso.

Comi muitas vezes no Aprígio, que eu descobri neste blogue, sempre que vou a Chaves, que vou lá muitas vezes há muitos anos, e é óptima refeição.

A aletria também a descobri neste blog e comi no Lameirão, e concordo com o senhor.

Cumprimentos desde a Galiza e bom Natal.

Heitor Araujo disse...

Durante vários anos participei na Maratona de BTT de Chaves (Rota do Presunto), e o maior motivo que tinha para tentar chegar ao fim rapidamente estava relacionado com o repasto que nos esperava: um arroz de cabidela divinal, que tínhamos previa e atempadamente reservado no... Aprígio. O texto está no plural dado que, apesar de ser o único a fazer a dita prova ciclística, não faltavam amigos à minha espera na meta mortinhos para que eu aparecesse, vá-se lá saber por que razão!

Bom Natal.