domingo, 10 de dezembro de 2017

A diplomacia como barómetro democrático


Ali Abdullah Saleh presidiu mais de 30 anos ao Iemen. Embora afastado do poder, foi, há dias, morto numa emboscada, no quadro da guerra que arrasa o país - um conflito entre sunitas, tutelados pela Arábia Saudita, e shiitas, obedientes ao Irão. Quem tem mais idade recorda que houve dois Iemen, um “do Norte” e um “do Sul”. Uniram-se formalmente em 1990, mas os ódios étnico-religiosos não terminaram nunca.

Estava a ler uma notícia sobre isto quando me veio à memória um episódio passado comigo em Nova Iorque, em 2001.

Tinha chegado há escassas semanas e fiquei sentado, num almoço, ao lado do embaixador do Kuwait. Perguntei-lhe há quanto tempo estava em posto, em Nova Iorque. A resposta deixou-me siderado: "21 anos".

Comentei que, assim sendo, deveria ser o "decano" dos embaixadores. Respondeu-me que não, que o colega do Iémen estava por lá há ... 28 anos! Já vinha de um dos Iemen e foi cooptado na unificação do país.

Todas as regras têm exceções, mas pode dizer-se que manter diplomatas por longo tempo no mesmo posto corresponde, em geral, a uma prática própria de regimes autoritários.

As democracias praticam a rotatividade dos seus representantes, de X em X anos. Contudo, vale a pena registar que, mesmo em regime democrático, quando às vezes a rotatividade é excessiva, isto é, quando diplomatas, sem outras razões evidentes, não cumprirem um mínimo de 3 a 4 anos no mesmo posto, isso pode indiciar sectarismo político e discricionaridade. E fiquemos por aqui...

A gestão diplomática é um belo barómetro democrático.

3 comentários:

Anónimo disse...

Pois é
Fernando Neves

João Cabral disse...

E tem plural, claro, que será Iémenes.

João Cabral disse...

Só escreve bem Iémen uma vez. Não quer corrigir?