quarta-feira, 3 de fevereiro de 2021

Bastonários

Sou de um tempo, não muito longínquo, em que, como regra geral, quando se ouvia um bastonário de uma determinada ordem profissional, havia a quase certeza de estarmos perante uma pessoa equilibrada e sensata, um “espelho” do melhor da imagem da profissão. A regra passou a exceção.

10 comentários:

Tony disse...

Não gosto nada destas exceções: Miguel Guimarães, Rita Cavaco. E já agora, para compor o cacharolete, o Ricardo Mexia.

jose duarte disse...

E, normalmente eram respeitados pela sua qualidade académica e empatia.
Transmitiam uma ideia de sabedoria e seriedade na forma e no modo de atuar,eram respeitados.
Aqueles que, hoje, tem maior presença, no atual contexto,não demonstram qualidade inteletual e assumem, frequentemente,posições claramente de oposição e cada vez mais próximas da atividade sindical.

Pedro Sousa Ribeiro disse...

Nessa época havia apenas 4 Ordens : Advogados, Engenheiros, Farmacêuticos e Médicos sempre presididos por profissionais reconhecidos pela classe. Agora não faltam Ordens para qualquer profissão. E o que importa é estar presente na comunicação social.

Pedro Sousa Ribeiro disse...

Nessa época havia apenas 4 Ordens : Advogados, Engenheiros, Farmacêuticos e Médicos sempre presididos por profissionais reconhecidos pela classe. Agora não faltam Ordens para qualquer profissão. E o que importa é estar presente na comunicação social.

J.Tavares de Moura disse...

Para além da instrumentalização do cargo com propósitos de guerilha político partidária, quer no caso da bastionária da ordem dos enfermeiros e do bastionário da ordem dos médicos, tem-se verificado um evidente desvio da missão destas entidades e das funções de regulação destas profissões, delegadas pelo Estado.

Neste caso a auto-regulação, tão apregoada pelos liberais, não só não tem funcionado como, na verdade, tem-se traduzido em claras práticas de limitação da concorrências e de proteção corporativa a práticas lesivas do interesse público, quer por via da deliberada protelação de atribuição de equivalências e entrada de profissionais formados no estrangeiro, quer de práticas concertadas de preços entre clínicas e laboratórios, etc..

Igualmente grave é a proteção que, sobretudo a ordem dos médicos, tem dado aos casos de práticas violadoras do codigo deontológico e negligentes, com o protelamento da apreciação das centenas de queixas que aguardam investigação e que na maioria dos casos acabam arquivadas.

Tenho para mim que a hostilidade, agressividade no discurso e a procura permanente de confronto com o governo, visa intimidar. Assim, o Estado, mesmo tendo mais que razões para retirar o estatuto de utilidade pública e a delegação de poderes reguladores às ordens, se o fizesse seria acusado de motivação política.

Luís Lavoura disse...

Concordo plenamente tanto com o post como com os comentários anteriores.

Luís Lavoura disse...

J. Tavares de Moura

a auto-regulação, tão apregoada pelos liberais

Não sei que liberais é que apregoam a autorregulação. Eu diria que, pelo contrário, já desde Adam Smith que os liberais desconfiam muito da autorregulação. Adam Smith escreveu que é raro o jantar de convívio ou encontro de industrialistas em que estes não se põem a discutir uma nova forma de construir um cartel, por forma a ganharem mais dinheiro à custa dos consumidores.

Os liberais são defendores de um Estado regulador forte.

Obelix disse...

Bastonários destes, só à bastonada.

J.Tavares de Moura disse...

Luis Lavoura:

O pensamento económico liberal clássico não começa e, muito menos, acaba em Adam Smith.

Estou certo que conhece muitos outros economistas e políticos liberais mais recentes e o seu pensamento e a sua prática recente na matéria. Já nem falo de Reagan ou Thatcher, lembro-lhe Alan Greespan, que como Presidente da Reserva Federal, e na defesa da " market self regulation", desregulou o mais que pode os mercados financeiros. As consequências são bem conhecida: sub-prime, falência do Lehmon Brothers, e uma crise económica gigantesca em 2008.

Poderia dar muitos mais exemplos, mas estou certo de que conhece-os também ou melhor que eu.

J.Tavares de Moura disse...

Correcção ortográfica: no comentário anterior onde se lê "também" deve-se ler "tão bem".

Erro meu. A pressa não desculpa tudo.