sábado, 16 de novembro de 2019

Gente de direita

Um grupo de algumas dezenas de pessoas, que, politicamente, se assumem de direita, acaba de publicar uma coletânea de textos.

Nesse grupo, que vai de uma direita radical, com velhas simpatias pela ditadura, a pessoas com um perfil reconhecidamente democrático, encontro mesmo alguns amigos pessoais e figuras por quem tenho consideração e estima. Por outros, não.

Não adquiri ainda o livro e não deixarei de o ler, no meu eterno gosto masoquista de me “ilustrar” com aquilo com que sei ir divergir em absoluto.

Com sinceridade, acho que é bastante saudável assistir a este “outing” descomplexado da direita portuguesa, que, pelo menos desta vez, optou por não se esconder atrás do eufemismo tíbio do “centro-direita”.

Pena é, no entanto, que esta direita encadernada não se tenha ainda conseguido libertar do fantasma da esquerda, essa sua eterna e traumática ”bête noire”, que acaba mesmo por figurar, em linguagem acrimoniosamente agressiva, na citação do prefácio que surge na capa do livro. 

Coisa que, estou seguro, nunca aconteceria num livro escrito por pessoas de esquerda, a quem dificilmente passaria pela cabeça falarem da direita na capa de um seu livro. Quem acaso tiver um exemplo contrário, faça favor de o mostrar.

Aqui fica essa citação: “Essa é precisamente a riqueza da direita, onde a liberdade e a ousadia sempre prevaleceram sobre a procura de ortodoxias e a arregimentação sectária que vigoraram à esquerda”.

A direita portuguesa mostra, assim, que ainda não consegue afirmar uma identidade por si própria, necessitando de fazer o contraponto com a esquerda para sublinhar a sua matriz. É pena! Mas não há que perder a esperança: com o tempo, talvez lá chegue... 

Também foi para dar direito de cidade a uma direita democrática, desde que tenha a coragem de exorcizar sem ambiguidades a ditadura que, em Portugal, lhe manchou o nome, que se fez o 25 de abril...

10 comentários:

Anónimo disse...

Perca a esperança! A Direita não tem essa capacidade de saber ler a Esquerda e conseguir conviver com ela. Há um deficit democrático na Direita que a impede de ser como a Esquerda. Não há nada a fazer! Por mi, sendo de Esquerda, leio muito escriba de Direita, do Observador a outros pasquins, pois gosto de saber o aquela malta pensa da Esquerda. E depois há outro aspecto que caracteriza a Direita que é a sua, intrínseca, insensibilidade social, ou seja, perante problemas sociais. Para a Direita, o País é uma folha de papel Excel e os cidadãos são números.

Anónimo disse...

Senhor embaixador, pese embora apreciar o sua capacidade de contar histórias deliciosas, sempre que o assunto é relacionado com ideologias discordo de si! Afinal do que é que falamos quando nos referimos a “esquerda” e “ direita”? Será que ela existe? Afinal qual é a diferença substancial entre les un et les autres? Quem faz referência a “direita” de forma depreciativa, não deve esquecer-se de uma esquerda com inúmeros exemplos de ditadura, pura e dura, de violação diária dos direitos fundamentais das pessoas... vejamos a Venezuela, Coreia do Norte e tantos outros exemplos poderiam ser dados com expressão na atualidade....!

Jaime Santos disse...

Não acho, Sr. Embaixador, que o problema da Direita atual seja a necessidade de exorcizar a Ditadura, como acontece por exemplo em Espanha, onde manifestamente ainda não o fez em relação ao Franquismo.

O problema principal da nossa Direita é a importação do modelo americano do trauliteirismo tea-party, em que a Esquerda é acusada de todos os males (alguns com razão), incluindo dos defeitos de que sofre a Direita.

Muito antes do populismo de Trump, os Republicanos abandonaram o centro político e passaram a uma estratégia (se se lhe pode chamar isso) de terra queimada em relação aos seus adversários políticos, de que os inquéritos sucessivos a Clinton foram um dos primeiros exemplos.

Isto repete-se um pouco por todo lado, sendo o exemplo mais próximo a alt-right portuguesa da Iniciativa 'Liberal', como bem notou. O que André Ventura é para as classes populares, os meninos da IL são para um certo eleitorado urbano que se julga muito inteligente, mas que nem sequer sabe historicamente o que foi o socialismo (os ideólogos da IL ou da Juventude Popular sabem-no bem, claro)...

Contrariamente à Direita democrática de antanho onde pontificava um Freitas do Amaral, por exemplo, que hoje poderia ser classificado de Centro-Esquerda, de tal modo o centro político se deslocou, a esta gente só interessa uma coisa, a conquista do Poder...

São todas as pessoas de Direita assim? Claro que não, mas os que interessam, os militantes, temo bem que o sejam. E essa incapacidade de aceitar outra coisa que não a vitória total revela, tal como o revela em muita Esquerda mais radical (mas não nos diretórios do BE ou PCP, note-se), uma profunda falta de cultura de compromisso democrática...

Lusa Gal disse...

Meu pais de Portugal tem tantos problemas sociais, economicos, xenofobicos, racistas e muita, muita pobreza. Portugal e um pais muito fraca e a vergonha do mundo inteiro.
Aliancas com o ingleses ha mais de 500 anhos? Mentiras e muita Merda! Macons, PNR, Duarte Pio, e Costa eles sao problemas muito grandes. Praticamente todos os politicos em portugal sao macons, e um fato. E tudos que acreditam que portugal e uma republica sao cegos e ignorantes. Portugal nao e uma republica. E um país controlado cem por cento pelos macons. Sem eles, talvez tenhamos uma oportunidade de melhorar?

Joaquim de Freitas disse...

A humanidade vive actualmente uma das suas maiores crises: o aumento da polarização entre ricos e pobres.

Os ricos agradecem a Deus nos mais diversos altares como se a riqueza fosse uma recompensa divina. Mas nenhum sistema económico que produz injustiça pode ser abençoado.

Mas a direita politica o que pretende é conservar o poder. E o pobre que elege os mesmos neoliberais conservadores que os mantêm desfavorecidos, acaba não sendo visto como incoerente por ninguém da direita! Esta é perfeitamente insensível ao sofrimento dos outros.

A direita finge que não enxerga incoerência alguma, finge que é assim que tem que ser.

A igreja ajuda a direita nesta incoerência. E quando os povos acabam por se revoltar "violentamente", acusam as ideias de esquerda e nao o imobilismo criminoso dos que têm tudo e nao partilham nada com aqueles que produzem as riquezas. Na realidade, a direita conservadora e reaccionária justifica os maiores desmandos na sociedade. A revolta so pode vir da esquerda.

aamgvieira disse...

A altitude dos Alpes, baralha a escrita do Sr. Freitas...

Anónimo disse...

aamgvieira:

Pode não concordar com Joaquim de Freitas, mas, a escrita deste não está baralhada.
Agora se também não entende, estará por acaso numa gruta?

Lusa Gal disse...

O palhaco da blog do duas ou três coisas nao gosta nas verdades! Novamente repeito palhaco......

duas ou três coisa.....Meu pais de Portugal tem tantos problemas sociais, economicos, xenofobicos, racistas e muita, muita pobreza. Portugal e um pais muito fraca e a vergonha do mundo inteiro.
Aliancas com o ingleses ha mais de 500 anhos? Mentiras e muita Merda! Macons, PNR, Duarte Pio, e Costa eles sao problemas muito grandes. Praticamente todos os politicos em portugal sao macons, e um fato. E tudos que acreditam que portugal e uma republica sao cegos e ignorantes. Portugal nao e uma republica. E um país controlado cem por cento pelos macons. Sem eles, talvez tenhamos uma oportunidade de melhorar?

Francisco Seixas da Costa disse...

Não é delicioso, o comentário do anónimo (claro!) das 19:19? Não resisti!

Anónimo disse...

Vejo actualmente a esquerda mais preocupada com a direita do que o contrário! O medo que eles têm do Chega e da Iniciativa Liberal!