terça-feira, 17 de agosto de 2021

“Exit strategy”

 


7 comentários:

Flor disse...

Desespero!

AV disse...

Nem a imagem, nem o título poderiam ser mais expressivos.

Maria Eu disse...

Agonia...

albertino ferreira disse...

Estes felizardos pelo menos safaram-se, os outros vão ficar prisioneiros do inferno taliban, que bloquearam os acessos ao aeroporto!

JFMarques disse...

Afeganistão o atoleiro de ingleses, russos e norte-americanos e aliados. Já nos anos 1879 , o então candidato a PM, William Gladstone criticando a invasão brutalmente punitiva britânica ia, premonitoriamente ,dizendo " remember the rights of the " savage" (sic) :" remember that the happiness of his humble home, remember that the sanctity of life in the hill villages os Afghanistan...is as inviolable in the eye of the Almighty God as your own". Quase 150 anos depois ainda ninguém aprendeu como lidar com este povo intratável que habita uma das regiões mais inóspitas do globo , aparte claro está , usufruindo da " maravilhosa " cultura da papoila!
JFM

Joaquim de Freitas disse...

Senhor JFMarques: Tem razão: Poucas pessoas, talvez, tenham lido o que foi a primeira invasão europeia do Afeganistão. Quando viajei, durante anos, pela China, sempre me surpreendeu a frequência das alusões dos meus amigos à Guerra do Ópio, que comparavam à primeira guerra anglo – afegã. Havia um fio invisível que os trazia inexoravelmente a essa guerra.
Um dia compreendi a razão: Este fio começa com uma típica operação imperialista de mudança de regime em 1839. Sim, no mesmo ano em que a Grã-Bretanha cometeu as atrocidades da guerra do ópio na China, também invadiu o Afeganistão.

Com a retirada hoje dos EUA do Afeganistão, como ladrões durante a noite, o maior agente do caos pode ter ido embora (ou principalmente se foi, por enquanto) e os vizinhos do país (Irão, Rússia, repúblicas da Ásia Central, Paquistão, Índia e China) desempenharão um papel maior no futuro, e assim, evidentemente, o Talibã.

Os imperialistas britânicos fizeram grande parte das más experiências invadindo e saqueando o Afeganistão a partir de 1839, cunhando termos como o "Cemitério dos Impérios" e inspirando poetas racistas como Kipling.

Os britânicos trouxeram o seu próprio candidato, Shah Shuja, para assumir o trono em Cabul. Invadiram o país a partir da Índia e usaram principalmente tropas indianas (que receberam rações mais baixas e foram tratadas de acordo com uma hierarquia racista rigorosa).
Para impor Shuja, cometeram violações, saques e massacres. Raptaram mulheres, incluindo das famílias dos seus aliados. Dispararam afegãos de canhões (um movimento que tornaram mais famoso na Índia em 1857).
Quando os britânicos ocuparam Cabul, aumentaram os impostos - largando um exército de inspectores sobre os afegãos, que tiveram de pedir dinheiro emprestado para pagar os impostos, e depois perderam as suas casas e outras propriedades. Um processo colonial clássico.
Mas os britânicos perderam o controlo de Cabul e foram forçados a recuar. Durante a sua retirada, cometeram atrocidades ainda piores, nomeadamente contra as suas próprias tropas indianas, e massacraram os seus próprios apoiantes. Fazem uma longa marcha até Jalalabad, onde muitos deles morrem.
O rei que tinham posto no trono, Shah Shuja, foi assassinado em 1842.
Seja como for, os britânicos reagruparam-se e criaram um "exército de vingança" para "vingar" os afegãos que os expulsaram (enquanto foram os invasores que massacraram, violaram e pilharam).
Neville Chamberlain relata a existência de uma aldeia onde todos os machos com mais de idade da puberdade foram baionetados, mulheres foram violadas e as suas propriedades saqueadas.
Isto confirma o que o Senhor escreveu sobre William Gladstone .

Os afegãos tem contas a fazer com os europeus e americanos. Têm, sim Senhor.

E quando penso na hipocrisia dum George Bush, que emitiu um comunicado sobre a situação no Afeganistão, e não há sapatos suficientes no mundo para lhe responder adequadamente.

"Laura e eu seguimos com profunda tristeza os trágicos acontecimentos que ocorreram no Afeganistão", escreveu o fugitivo de Haia. "Os nossos corações são pesados tanto para o povo afegão que sofreu tanto como para os americanos e aliados da NATO que sacrificaram tanto."

Flor disse...

Muito triste tudo especialmente as mães a entregarem os filhos pequenos nas mãos dos soldados americanos.

"...Que quem já é pecador
sofra tormentos, enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!...
Porque padecem assim?!..."
Augusto Gil.