sábado, 28 de agosto de 2021

Tea time


Da janela do quarto onde eu dormia na casa da minha avó paterna, onde hoje funciona uma escola de música, avistavam-se, lá ao alto, o templo de Santa Luzia e o hotel.
  
Por um milagre da perspetiva, como constatará quem andar por Viana, a posição relativa dos dois edifícios no cenário vai variando, quando se olha para o monte, dependendo do lugar de onde se está. Acho que os vianenses nunca notaram muito isso. Dessa janela da minha infância, o hotel via-se à e
direita, isso sei eu bem. 

Nesses tempos de miúdo, lembro-me de ouvir o meu pai dizer que o hotel estava sempre cheio de estrangeiros. Ingleses, é o que me ficou de ouvido. Talvez por isso, o chá por ali é sempre bom, como é sempre bom tomar chá por ali.

Sem comentários: