domingo, 29 de agosto de 2021

Conversa leve

“Olha lá! Agora deu-te para só escrever sobre coisas levezinhas?” O remoque veio pelo telefone, ontem, de um daqueles amigos em cujos ombros, com a idade, parece ter caído o peso do mundo, que andam com “ar grave e sério”, como o Porto Sentido do Rui Veloso, talvez por frequentarem demasiado Boaventura Sousa Santos ou António Barreto, dependendo do tremendismo apocalíptico por que optem. Ler-me sobre trivialidades - um chá, uma refeição, uma paisagem - parece-lhes quase ofensivo, quando há gente a morrer com bombas em Cabul, quando o clima mundial se degrada e ninguém faz nada de jeito, quando ainda não sabemos se Ricardo Salgado já terminou o périplo pela Sardenha e outros temas magnos, como a atualidade de certas epístolas que falam de senhoras ou o “mood” no congresso socialista em zona de banhos. Alguns desses amigos, que têm a mania que me conhecem, ainda se dão ao luxo de correr o risco de levar a sério o que eu digo, coisa de que eu próprio há muito me deixei.

2 comentários:

Jaime Santos disse...

Sem ofensa à qualidade da análise que aqui por vezes deixa (que é imagem de um Atlantismo e Europeísmo que não se coíbe a criticar os Aliados e Parceiros quando pensa que eles não agem bem), reprodução de colunas suas em jornais ou revistas, e já que eu não tenho o nível (monetário) para lhe seguir as recomendações em termos de restauração e hotelaria, ao contrário de certos intelectuais do PCP que expressam admiração pela URSS e desejam o regresso da 'Economia de Abril' (esta última que o Sr. Embaixador também apoiou se bem o percebo, mas numa altura em que tinha para aí metade da idade deles e quando o colapso do Socialismo Real estava ainda a uns 15 anos de distância), deixe-me que lhe diga que o melhor deste espaço são mesmo as historietas sobre a vida diplomática, o 'derrière les coulisses', como lhe chamam os franceses...

disse...

alguém ficou com as orelhas à arder...
laissez les bons temps rouler :)