segunda-feira, 2 de agosto de 2021

Adeus, Coutinho



Gostava de estar em Viana no dia de hoje.

Um abraço a José Maria Costa.

4 comentários:

Unknown disse...

Cá por mim, duas soluções: ou quem autorizou aquele mamarracho pagava, agora, o "desmontar" ou aquilo ficava ali até cair quando lhe apetecesse para servir de exemplo aos decisores presentes e futuros.
Dito isto, acho que os moradores resistentes têm toda a razão nos protestos e resistência que foram fazendo.
MB

jorge neves disse...

Um país que permite em nome da estética expropriar e demolir um prédio daquela dimensão, construido com todas as autorizações, sem aprovações manhosas e com superior qualidade,obra de um arquiteto com nome na praça,e infernizando a vida durante dezenas de anos a pessoas que honestamente ali investiram as suas economias é um país de boas festas.

HJ disse...

Quanto nos custou construir habitação? Quanto nos custou este processo? Quanto nos vai custar a demolição? Quanto vai custar às pessoas sem casa?

Flor disse...

HJ e quanto nos vai custar pagar as indemnizações aos condóminos?? E moralmente? Estará previsto o acompanhamento clínico, psicológico a todos os utentes do prédio ainda vivos?