segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Notícias da Ossétia



Nas últimas horas, ouviu-se falar muito da Ossétia do Sul. Essa República do Cáucaso, que decidiu a sua independência em 2008, na sequência de um episódio mais no seu conflito com a Geórgia, que a considera um seu território, deu um ar da sua graça ao reconhecer a República da Catalunha. Não uso por aqui o clássico e irritante “auto-proclamado” da imprensa sem imaginação.

( A Ossétia do Sul - diferente da Ossétia do Norte, região russa adjacente, a que está curiosamente ligada por um túnel, e que há anos foi muito falada pelo massacre ocorrido numa escola na cidade de Beslan - não faz parte da ONU e, por esse motivo, não é reconhecida como um Estado pela comunidade internacional. Tem um estatuto quase idêntico ao da Abcásia (que declarou independência na mesma altura e que tem igual dissídio com a Geórgia), ao da Transnístria (que se cindiu da Moldova), ao do Nagorno-Karabakh (que se separou do Azerbaijão e pretende unir-se à Arménia) e ao de Chipre Norte (que divide a ilha de Chipre com a República reconhecida que ocupa o resto da ilha e está hoje na União Europeia). São tudo falsos países, reconhecidos por muitos poucos Estados, num limbo político de que dificilmente irão algum dia sair. Com um estatuto bastante mais sólido, mas igualmente sem presença na ONU nem hipóteses de a vir a ter, há também o caso de Taiwan, a ilha Formosa da nossa História, que vive uma existência separada da República Popular da China que a reivindica. )

Um dia, quando a Ossétia do Sul estava já separada da Geórgia, mas não tinha ainda declarado a sua independência, integrei uma “fact-finding mission” (no jargão internacional) à Ossétia do Sul, que vivia (e vive) totalmente dependente do apoio da Rússia, tal como acontece com a Abcásia e, em escala ligeiramente menor, com a Transnístria.

A sua capital, Tskhinvali, é uma vilória pobre, de arquitetura soviética de província, sem a menor graça. Em redor, veem-se casas por acabar, camponeses pobres e envelhecidos, mulheres de lenço rural na cabeça, num misto de descaso e deixa-andar, tudo sem cor, gente que nos mira com um olhar sem a menor esperança. E que tem toda a razão para assim se sentir. Fomos a Tskhinvali através de uma fronteira improvisada, numa zona cheia de ruínas da guerra recente, à época com “peacekeepers” à conta da OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa). Éramos aí uma trintena de pessoas, em carros protegidos pelo nosso estatuto internacional, o qual, à partida, nos colocava teoricamente ao abrigo dos impulsos guerreiros dos dois lados, protagonistas de regulares escaramuças.

No meu carro, viajavam os meus colegas francês e italiano, chefes das respetivas missões diplomáticas em Viena. Entre nós, e desde a saída da capital georgiana, Tbilisi, onde estávamos alojados, tínhamos gizado um plano para, acabada que fosse a visita de trabalho à Ossétia do Sul, e logo que reentrados na Geórgia, em lugar de regressarmos logo ao hotel, abandonarmos a caravana coletiva e fazermos duas rápidas incursões com alguma dimensão turístico-política. 

Eu tinha-os desafiado a fazer uma visita a Gori, terra natal de Estaline, para vermos uma rara e imponente estátua do antigo líder soviético, colocada na praça principal (foi retirada em 2010), na impossibilidade temporal de ainda visitarmos o museu em seu nome. O meu colega italiano trazia na agenda a visita à igreja de Ateni Sioni, a uma dezena de quilómetros de Gori, que nos dizia ser magnífica (e era). O consenso político-religioso foi fácil de obter. 

Mais complicado foi convencer o motorista, um “apparatchik” do governo da Geórgia, a seguir as nossas ordens, desviando-se da rota oficial. Deu bastante trabalho, confesso. No final, teve direito uma boa gorjeta e, à chegada ao hotel, explicámos ao chefe da segurança que o homem não tinha tido a menor culpa no desvio, que imagino tenha contado em pormenor aos superiores.

Ao jantar, com a presença dos vários embaixadores, a nossa “aventura”, fugindo do cortejo, foi a conversa da noite. Tínhamos combinado evitar referir a ida a Gori (Estaline não é um nome muito popular) e destacar apenas a visita à igreja. E assim fizémos, com amplo detalhe de pormenores sobre a história e a beleza do edifício, despertando mesmo a inveja turística dos colegas, já arrependidos de se nos não terem juntado na expedição religiosa.

No final, num corredor, o meu colega embaixador russo, um amigo antigo que muito prezo, meteu-me o braço e, em voz baixa, disse-me: “Já sei que vocês também foram a Gori ver a estátua de Josef Vissariónovitch. Por que não me avisaram? Eu ia convosco...”

30 comentários:

Augie Cardoso, Plymouth, Conn. disse...

Outubro 1917, levou comunismo pra Russia, o centenarians.

OS Russos espalharam em casa e arrabaldes e Finalmente tornaram ILEGAL.
So resta nos papagaios vermelhos de Lisboa e Paris. Tristeza.

Taiwan, a Republica da China, foi traida PELO SR. NIxon. Pelo Xaoping contra a liberdade pessoal. Parece que com este novo congresso directives da republica popular da China, o senhor Xi se quer tornar o novo dictador e Deus no palacio da porta do deu de Peking....

Augie Cardoso, Plymouth, Conn. disse...

Afinal em 1972, quando o Pres. Nixon foi e recolheceu a China popular , o Mao Zedong era o "Chairman".

Anónimo disse...

Esse é um belíssimo exemplo de uma estátua a ser abatida. No século XXI não há espaço para estatuárias nem venerações a criminosos.

Anónimo disse...

Por falar em diplomacias, posso sugerir-lhe um texto sobre governos que usam "templates" fornecidos por outros? Como título: "O modelo da subserviência".

Luís Lavoura disse...

À sua lista de "falsos países" deveria acrescentar a Somalilândia e (talvez) a Puntlândia. São países que sobrevivem com bem menos apoio, e que são portanto bem mais independentes, do que aqueles que referiu.

Joaquim de Freitas disse...

Augie Cardoso, que parece ser de origem Portuguesa, vive num país no qual 87% dos cidadãos de 18-25 anos (segundo pesquisa National Geographic Society/Roper Poll de 2002) não conseguem encontrar Irão ou Iraque num mapa mundo, este Iraque que , entretanto, ocupam desde há tantos anos.

E 11% não conseguem localizar nos EUA, o Estado onde nasceram e vivem, não é só "intelectualmente preguiçoso". Mais acuradamente é país de imbecis, que podem ser enganados por qualquer um, para crer em qualquer coisa.

Quando os mesmos jovens não sabem situar a Luisiana nem o Mississípi no mapa, apesar do furacão Katrina.

E que ignoram – dois terços, tout de même !-, que em 2 005 houve um tremor de terra no Paquistão que matou 70 000 pessoas..

E então, se para Augie Cardoso, Taiwan é a Republica de China, não sabe que este país, a China, é o seu credor principal, que se quisesse sabotar a economia americana e pôr o seu país de tanga bastava pedir o reembolso do “papel” do tesouro do qual tem toneladas em Pequim.

Augie Cardoso é uma pobre vitima do facto que a cultura dos EUA ,é gravemente ferida por efeito do que faz a classe dominante. Hollywood só distribui filmes e shows de TV racistas, militaristas e de nacionalismo doentio, cada um mais pervertido que o outro. Os media empresa está completamente controlada pelas mesmas forças que controlam Hollywood. Os liberais capitularam completamente aos interesses de uma elite cada dia mais fascista e fascistizante. E não começou com Donald Trump.


E a bem azeitada máquina de Relações Públicas & Marketing cuspiu catarata infindável de retórica hiper patriótica e de desinformação. O excepcionalíssimo norte-americano foi convertido em item de fé, com credibilidade absoluta. Para pessoas como Augie Cardoso.

Quem não se lembra de Colin Powell e os seus ares de personagem de cartoon pontificando na ONU? Quem discordaria dele? Não, com certeza, a classe branca liberal… nem Augie Cardoso, que talvez nem saiba que Obama chegava ao poder no momento em que Wall Street derretia, na crise de 2008. Mas em vez de esperança e mudança, os eleitores só conseguiram que quase 5 triliões de dólares voassem directamente para o 1% mais rico da elite financeira. A pobreza e a desigualdade aumentaram todos os anos, sem parar, durante os governos Obama.

Obama atacou o Afeganistão, o Iraque, a Síria, a Líbia, o Sudão, a Somália e o Iémen. E essa última acção é, provavelmente, a que adiante se provaria a mais significativa. A acção dos EUA de Obama, de armar, treinar e coordenar a agressão saudita (e agora a agressão já escalou para coturnos em solo!) contra o indefeso povo do Iémen resultou na maior catástrofe humanitária em 50 anos.

Hoje, os EUA já criminalizam completamente qualquer dissidência, especialmente se a dissidência operar contra Israel.

E mesmo se o conflito israelo-palestiniano ocupa os jornais desde o seu nascimento, os três quartos destes jovens não sabem situar no mapa Israel.

Seis em dez americanos não sabiam que a fronteira mais militarizada no mundo era entre as duas Coreias (que a maioria não sabe situar no mapa). Pensavam que era entre os EUA e o México…

São os mesmos que responderam que a língua mais falada no mundo era o Inglês.

Assim, quando leio Augie Cardoso, penso que educar este povo vai ser uma tarefa colossal.

Augie Cardoso, Plymouth, Conn. disse...

@ j. Freitas,

O papagaio vermelho,
Embora OS Russos proibiram comunistas, vessel bem que o Sr Putin continua a lhe contaminar o cerebro.

Quanto a geografia da ilha Formosa , que certos conhecem por Taiwan, eles se chamam Republica da China.
OS venerandos de Mao e Xaoping, se apelidam, Republica Popular da China.

Quanto as chenagagins de Breton Woods , reserves de banco central e dinheiro falso criacao.....
Mais vale nao falar para nao ser mais um economista Maneta.

V Exa, tem razao, aqui esta um trasmontano, um soldado do IMPERIO DA LINGUA PORTUGUESA , na AMERICA.

Anónimo disse...

Confesso que tenho pena dos cidadãos que vivem nestas regiões pois estão reduzidos a uma vida triste e sem futuro, ao abrigo dos caprichos de Moscovo.

Quando se percorre a Transnístria e se vê as localidades e as pessoas, vê-se a pobreza, a resignação e a falta de confiança no futuro.

É lamentável que estes cidadãos não possam ter um futuro normal devido à liderança moscovita que teima em tentar recompor o seu império, violando para isso os direitos de países soberanos.

Anónimo disse...

Sr.Freitas:

Já escolheu o traje ?

Celebra-se amanhã mais um Halloween , porque não organiza a sua própria festa de com os seus amigos catalães.... nos Alpes !

Joaquim de Freitas disse...

Ao Sr anónimo das 15:44:

A propósito de Halloween, porque não aproveita a oportunidade para abandonar “a máscara" do “anonimato”? Seria mais simpático se pudéssemos escrever um nome! Não?

Quanto ao Halloween, essa festa bárbara e estúpida que os anglos saxões conseguiram impingir às crianças, mesmo se a origem parece ser Celta, tenho uma ideia.

Se celebrasse a festa com os “meus amigos” Catalães, organizaria um cortejo, liderado por um rei, e a sua abóbora real, seguido dum primeiro ministro, armado de matraca, acompanhado duma multidão de desempregados e de precários, e um longo cortejo de corruptos do partido do rei, o partido mais corrupto da Europa (800 casos nos tribunais!) cada um com a sua abóbora na cabeça, bem decorada com as cores dos Bourbons .

Depois de o obrigar a fazer um discurso, no qual ele diria que o povo Catalão demonstrou – por tradição histórica, as suas mobilizações e as suas reivindicações que é uma nação e que tem, por este facto, o direito de decidir livremente e democraticamente do seu futuro e das suas relações com os povos que compõe hoje o Estado espanhol.

No fim do discurso, mandava-o para Cascais.

Joaquim de Freitas disse...

Do Senhor Augie Cardoso : « Embora OS Russos proibiram comunistas, vessel bem que o Sr Putin continua a lhe contaminar o cerebro.'( O Império do Português na América, perdeu a ortografia correcta ...)”

Aparentemente não só aos comunistas, se ainda existem …mas também ao seu presidente, Senhor Cardoso!

Pero Trump dijo que las declaraciones de Putin eran "un gran honor" y que el mandatario ruso es "un hombre muy respetado en su propio país y fuera de él".


Vladimir Putin y el candidato republicano se han cruzado elogios y han sellado su particular 'alianza'
Donald Trump: "Putin es mejor líder que Obama"

Donald Trump quiere a Moscú y Moscú quiere a Donald Trump. El magnate norteamericano lleva visitando la capital rusa desde los 80, sus 'tuits' y sus comentarios en prensa y libros muestran siempre a un hombre impresionado por el potencial de los rusos y su jugoso mercado inmobiliario. El carácter autoritario del poder central ruso y las cataratas de testosterona que destila la imagen que proyecta en los medios el presidente ruso, Vladimir Putin, sellaron un romance que Trump cree correspondido
Jornal “ EL MUNDO”

Quando emigra para Trás os Montes, Senhor Augie Cardoso ?

Anónimo disse...

O meu nome é Alexandre, falta o "resto" por causa da NKVD...

Para um refrescar da "memória" rever a vida burguesa de LENIN (1917: THE MAKING OF A REVOLUTION) que passou no canal ARTE ( 229, NOS), à dias atrás.

Só por teimosia se glorifica um criminoso, ainda em 2017 existem iluminados seguidores, alguns bem "instalados" na vida burguesa.

Anónimo disse...

muito gosta o pessoal de bater no freitas

deve ser por falta de outros para bater!


no dias loureiro, no homem dos robalos, no homem do bpn, no homem do bcp, e em sei mais quem la, nomes nao faltam..., nesses ninguém. Capitalistas ha muito, justiceiros é que...

Joaquim de Freitas disse...

Ainda bem, Halloween serviu para fazer cair uma máscara ! Tout à votre honneur.

Caro Sr. Alexandre, com um nome desses, não deve recear nada…da NKVD ! .

Sabe, nos anos 50, a NKVD portuguesa foi-me buscar ao meu trabalho! Era muito jovem, e era amigo duns tantos, e sobretudo duma Mulher de têmpera, patriota e resistente: Virgínia Moura. Eram os tempos do MUD Juvenil. Quando vieram procurar o meu Pai, foi mais sério: a família foi obrigada a fugir para França. Por isso assino com o meu nome. Vivo num país livre, que me ofereceu a verdadeira cidadania: o direito de voto. Depois, foi uma questão de cultura e de formação politica. A escolha pertence-me. E prefiro enganar-me que não poder enganar-me.

Vi o programa de ARTE, que mencionou. Arte é uma das melhores cadeias de televisão francesas. Conhecia o tema desde há muito.

O nosso Caro Senhor Embaixador não me vai permitir abusar do seu espaço de liberdade. E abuso de vez em quando. Mas pode-se falar de Lenine de duas ou três maneiras.

Lenine, “ringard” como diria em francês, ou “visionário”.
A sua vontade era unicamente a Revolução. A revolução que a burguesia odeia de todas as suas forças. Para ele só a revolução socialista mundial pode salvar a humanidade do capitalismo e dos seus estragos que hoje aparecem cada vez mais evidentes.
.
Lenine declarou uma guerra implacável à sociedade de classe, à escravatura assalariada, ao Estado burguês, à submissão da mulher ao homem, ao « chauvinismo » nacional, a toda a forma de oportunismo, à opressão, enfim a todas as condições económicas, sociais e politicas que desprezam e abaixam os homens.

Ele não cria na possibilidade de instalar o socialismo, aperfeiçoando a democracia burguesa, o que supunha a conciliação de classes. Sejamos honestos: ele tinha razão!

Para todos os burgueses do mundo, pequenos e grandes, Lenine é um monstro, un demónio, um ditador responsável de todos os crimes e de todos horrores possíveis.
Porque foi ele que apelou os trabalhadores, os pobres e os soldados a levantar-se armas na mão contra a sociedade burguesa.

Que vemos hoje? A expansão do capitalismo financeiro não tem limites e acaba de destruir até ao último canto do planeta.
Num estado de crise latente e quase permanente, este sistema económico renova-se pela guerra e a destruição como processo igualmente endémico, mas também susceptível de degenerar em guerra mundial generalizada. Foi o que Lenine previu.

Não é isto exactamente o que se passa hoje?

Focos de tensão internacional que se multiplicam, alguns conflitos locais que se internacionalizam e se multiplicam, mergulhando as populações no horror, violência ela mesma que se exporta via o terrorismo nas metrópoles do nosso mundo abastado, mecanismos que nos esmagam e comprometem o futuro dos nossos filhos.

Anónimo disse...

Prodigioso
Entao os nossos compadres anti comunistas, anti vermelhos que tanto mal falam dos comunistas e vermelhos, utilizam telemoveis, computadores, tablets produzidos pelos comunistas chineses, energia electrica produzida por uma empresa de simbolo vermelho agora controlada por comunistas chineses , transportada por infraestruturas da ren (controlada por comunistas chineses), usam a Fidelidade que é dona da rede de hospitais Luz Saúde (controlada por comunistas chineses), o banco BCP (controlada por comunistas chineses). Ou seja estao a vender-lhes Portugal de mao beijada, a querer pagar ordenados como os pagos na China comunista , e comprar e utilizar bens de consumo produzidos por comunistas chineses e ainda falam mal deles. Ou sera que so os nossos e que nao prestam porque nao teem dinheiro? La vai o tempo em que o que era nacional e que era bom hahahahaha

Anónimo disse...

@Anónimo 30 de outubro de 2017 às 12:08

Voce muito provavelmente nem sabe apontar no mapa onde fica a Transnístria porque é que esta a inventar que ja la esteve?

Anónimo disse...

@Anónimo 30 de outubro de 2017 às 15:44

Mais um contaminado pelas modas anglo-saxonica. Ca em Portugal tambem temos o carnaval pa

Anónimo disse...

@Augie Cardoso, Plymouth, Conn.

Falta de inteligencia é uma condição natural, mas sobrevive-se com ela.
A ignorancia é uma opção e tem sempre remédio.

Prodigioso descobriu agora a polvora numa caixa de fosforos.
Quem tem o minimo de cultura geral sempre soube que o nome oficial de Taiwan e República da China ddahhhhhh

Em relacao a economia e economistas qualquer pessoa com o minimo de bom senso ve que um pais (os EUA) cuja a divida ja superou os $ 19 trilhões de dólares e nao para de crescer nao tem grande futuro pela frente, quando a coisa rebentar nao vou querer estar ai. Ou pensam que podem continuar indefenidamente a viver acimas das possibilidades ?

Anónimo disse...

Mais uma vez, o Freitas monopoliza o blog com o seu espetáculo vermelhusco.

Vá lá que, desta vez, há quem lhe dê luta (se bem que em péssimo português).

Que enjoo!

Anónimo disse...

vivam os estados unidos da américa e todos os que por causa dela morreram

façam-nos renascer, na libia, no iraque, no irao, na siria, vietname, e mais lugares nao hao de faltar...

mas bom o pessoal das direitolas anda animado por aqui, resta saber se preferem o trump à clinton, coitadinhos as horas sao duras


Anónimo disse...

@Anónimo 30 de outubro de 2017 às 23:08

Doeu-lhe muito o meu texto de 30 de outubro de 2017 às 20:54 ?
Passe pela farmacia, ouvi dizer que vendem la uns supositórios para as dores.
hehehhe

Joaquim de Freitas disse...

Anónimo de 31 de Outubro de 2017 às 08:28 : E segundo parece, os supositórios também são de fabricação chinesa, mestres em medicina e portanto mais eficazes. E obrigado pelo seu texto. Não conheço todos “os artistas” que menciona, mas aparentemente pululam por essas bandas.

Anónimo disse...

Entretanto...

- uma sondagem do El Mundo, diz que 57% dos espanhóis aceitariam um referendo na Catalunha.
- uma sondagem da Generalitat diz que os independentistas se situam, agora, nos 48% contra 43% de espanholistas.

Isto, sim, é importante (e não tanto as birras do Freitas).

Anónimo disse...

Ao anónimo de 30/10 às 20h56

Por favor não julgue os outros por si.

O anónimo de 30/10 às 12h08.

Anónimo disse...

@Anónimo 31 de outubro de 2017 às 15:57

Julgar os outros por mim, ora essa.
Nao so sei que existem como sei apontar no mapa onde ficam
Niger (nao confundir com Nigeria), Suazilandia, Lesoto, Djibouti, Butao, Kaliningrado, República Centro-Africana etc...
Ainda tem os Micro Estados Quiribáti, São Vicente e Granadinas, Tonga, Nauru, Vanuatu etc...
O Principado de Sealand que deve ser o mais pequeno do mundo

De geografia ate que pesco um bocadinho ;)

Ja agora o que foi fazer a Transnístria ou Transdniestre ou Transdnístria ou Transdniéstria ou Pridnestróvia ?
Foi visitar a famila coitadinho
Ou entao foi passar ferias, fazer turismo ideologico reviver os bons velhos tempos vermelhos, visto que ficou parada na epoca da Uniao sovietica , ha imensos avioes para la mais que taxis em Lisboa
Melhor ainda foi em trabalho pois esta claro, afinal com os laços economicos que o ocidente tem com esse local, estranho e nao haver oportunidades de ir para la em trabalho.
Ou entao foi porque como nao tinha que fazer nada lembrou-se o... vou a Transnístria

Anónimo disse...

@Joaquim de Freitas

"Não conheço todos “os artistas” que menciona"
Freitas nao conhece nem queira, se bem que conhece-los a todos seria uma tarefa quase impossivel. Portugal tem aproximadamente 10 000 000 de habitantes dos quais 5 000 000 deve pertencer a especie de invertebrados que nao se move por ideologia ou principios mas sim rasteja a quem lhe atire algumas migalhas.

Temos os exemplo dessa gente que tanto mal falavam dos (palavras deles) pretos marxistas Angolanos e o que fizeram ? Temos o resultado a vista

Isabel dos Santos controla

45% da Amorim Energia, e, por esta via, controla 33,34% da Galp
42,5% do Banco BIC Português. Foi o BIC Português (agora EuroBIC) que aglutinou a parte boa que restou dos destroços do BPN, por 40 milhões de euros. O contribuite Portugues enterrou la cerca de 8 000 000 milhões
14,87% do Millennium BCP
72,62% da Efacec
52,15% da Nos

Resumo da opera falam mal , falam mal mas basta atirarem umas migalhas que vao a correr come.las. No dia em que a China for a dona disto tudo e ve-los a correr filiarem-se no Partido Comunista Chines jurando que sempre foram vermelhos de alma e coracao.

Nota:. Alguns dos artistas que aqui comentam sem utilizar nenhum argumento ideia ou facto nao e apenas por serem ignorantes mas por fazerem parte da brigada de controleiros

Anónimo disse...

Caro anónimo de 30/10 às 20h56 e de 31/10 às 21h01.

Poderá, como diz, pescar um bocadinho de geografia, mas não deve julgar os outros por si e não colocar em causa as afirmações que fazem.

Eu não estou a pôr em dúvida os seus conhecimentos de leitura de mapas, talvez desconheça a realidade nos vários terrenos e países.

Questiono contudo os seus conhecimentos de direito internacional público, pois o que afirma ser o principado de sealand não existe.

Esta será a minha última intervenção aobre o tema.

Com os melhores cumprimentos

O anónimo de 30/10 às 12h08

Anónimo disse...

Curioso

Os nossos anti vermelhuscos de plantao que tanto falam nos horrores da tirania dos criminosos Stalin e Lenin nem um pio dao acerca de Pol Pot lider revolucionário comunista, que liderou o Khmer Vermelho.
Sera por a Margaret Hilda Thatcher e Ronald Reagan terem estado na cama com ele?

Venham dai os tiros ou sera que vao ficar escondidos que nem ratos ?

Anónimo disse...

tanta coisa e ninguém fala da ossétia...

não era esse o nome da irmã da zulmirinha?

oh ossétia filha, quando é que te casas? olha que ali o ribeirinho é muito prendado...

Anónimo disse...

@Caro anónimo de 1 de novembro de 2017 às 00:03

Claro que nao devo julgar nada nem ninguem.
Afinal julgar e um monopolio dos exepcionais , dos eleitos por deus, apenas dos que pertencem a elite divina.

Colocar em causa as afirmacoes dos outros.
Faço sempre isso quando o grau de possibilidade das mesmas serem falsas seja elevado.
Nao estou a dizer que e o seu caso mas compreendera que a possibilidade de alguem que nao seja daquela regiao ir ao referido local e infima.
Quem nao deve nao teme e nao tem problemas em esclarecer em vez de recorrer em subtilezas e evitar ao maximo o assunto.
E esse o grande mal do pais, ninguem questionar, ouvir e calar-se, por isso os mentirosos aqui por Portugal se sentem tao a vontade.

Por exemplo este
https://www.youtube.com/watch?v=pjEIZKqqJdU
https://www.youtube.com/watch?v=tXDFf_9LATM
https://www.youtube.com/watch?v=ttG0QehfAe4
https://www.youtube.com/watch?v=iJCSmwLeUZg
https://www.youtube.com/watch?v=NrUOsoegOPY
https://www.youtube.com/watch?v=aGiKHdepPjk

mas mesmo sendo de divulgacao publica as suas mentiras sente-se tao a vontade que continua.

Mas ja descobri porque foi a Transnístria e nao pode contar porque la foi.
E agente secreto e foi numa missao muito muito secreta que nao pode contar a ninguem.
Nem deveria ter comentado que alguma vez la foi e esteve mas ficou tao comovido com o sofrimento daquele povo reduzido a uma vida triste e sem futuro onde se ve vê-se a pobreza, a resignação e a falta de confiança no futuro, que nao resistiu.
Mas em alternativa poderia-se lembrar do povo Grego ou ate mesmo do Portugues.

Os meus conhecimentos de direito internacional público são nulos , afinal e infelizmente nao consigo saber tudo acerca de tudo.
Mas que algo com o nome de principado de sealand existe, existe. E so procurar que se encontra na net. Agora se numa determinada esfera nao tem enquadramento isso e com os seus redondos.

Com os melhores comprimentos