segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Álvaro Mendonça e Moura


Hoje é um dia feliz para o Palácio das Necessidades. Tomou posse como secretário-geral da "casa" o embaixador Álvaro Mendonça e Moura. 

Entrámos no mesmo dia para o MNE, sendo desde então bons amigos, quase só divididos pelo futebol: o Álvaro é um portista fanático. Há que estar atento, não vá ele ter a tentação de pintar de azul as paredes das Necessidades...

Trata-se de um dos mais qualificados diplomatas portugueses, com uma carreira ímpar, uma experiência bilateral e multilateral riquíssima. Inteligente, preparado, sabedor e com trato humano excecional, é uma ótima e consensual escolha. Melhor era impossível! 

As esperanças da Carreira estão agora nele colocadas, na superação das dificuldades e das insuficiências que, com leal frontalidade, elencou no seu discurso de posse.

Augusto Santos Silva, ao apresentar a "carta de missão" do novo nomeado, referiu querer contar com ele, para além do registo funcional tradicional (muito voltado para as tarefas de gestão), também para um papel de aconselhamento político. Trata-se de uma atribuição que tem escola naquela função, mas que estava distante daquilo que, nas últimas décadas, vinha sendo pedido aos secretários-gerais do MNE. Mas Santos Silva tem razão: muito poucos diplomatas, sendo o novo secretário-geral um deles, poderiam assegurar com êxito essa tarefa. Por isso, a escolha não podia ser mais adequada.

Parabéns e felicidades, Álvaro!

Sem comentários: