domingo, 8 de outubro de 2017

Serviço público

Há dias, estive envolvido num debate sobre o conceito de serviço público. Há horas, numa conversa à hora de jantar, alguém me falou de Carla Grijó, uma diplomata que trabalhou comigo em Brasília e que está agora na nossa embaixada em Rabat, em Marrocos. E, de repente, liguei as coisas.

Foi há pouco mais de 10 anos. A Carla tinha a seu cargo a secção consular da Embaixada em Brasília. Durante a tarde, veio ao meu gabinete despedir-se. Partia no dia seguinte de férias. O ano tinha sido muito intenso e bem as merecia.

No final dessa tarde de 17 de julho de 2007, passei pela embaixada de Espanha, para uma receção oferecida em honra do príncipe Filipe (hoje Filipe VI), que tinha vindo a Brasília inaugurar uma delegação do Instituto Cervantes. O assessor diplomático do futuro rei era um velho amigo e, num determinado momento, quis-me apresentar ao jovem príncipe. Nesse preciso instante, o meu telemóvel tocou. Era um amigo de S. Paulo a informar-me de que estava no aeroporto de Congonhas e que um avião de carreira tinha acabado de despenhar-se no fim da pista, com escassas hipóteses de haver sobreviventes (não haveria: morreram 199 pessoas). Quando cheguei junto do príncipe, ia já fortemente chocado com a notícia. Ele falava nesse momento com o chefe de gabinete de Lula da Silva, Gilberto Carvalho. Cumprimentei o príncipe, relatei o que acabara de ouvir e disse para o colaborador de Lula: "Gilberto, acho que é melhor você ir ver já o assunto". Gilberto Carvalho pressentiu o impacto da tragédia, saiu disparado e eu fiquei a falar com o príncipe, que também ficou consternado com a notícia.

A probabilidade de haver portugueses no avião despenhado atravessou-me logo o espírito. Sempre que um acidente de alguma dimensão ocorria no Brasil, o problema colocava-se-me. E era sempre muito difícil deslindar o assunto em prazo curto: as listas dos acidentes incluíam sempre nomes que tanto podiam ser portugueses como brasileiros. Esclarecer as coisas demorava sempre bastante mais tempo do que aquele que a pressão dos familiares das potenciais vítimas, em Portugal, aceitava como natural, no seu contacto com o setor das Comunidades Portuguesas nas Necessidades.

Logo que pude, fui para a nossa residência e liguei para um amigo brasileiro altamente colocado no Ministério da Defesa. (O setor militar, no Brasil, é responsável pela aeronáutica civil). Pedi-lhe um contacto com alguém que me pudesse dar, logo que possível, acesso à lista de passageiros. Depois, pedi ao nosso Cônsul-Geral em S. Paulo que se pusesse simultaneamente em campo (já tinha entretanto iniciado diligências). Mal desliguei destes contactos, comecei a receber chamadas de Lisboa, do MNE a pessoas que tinham obtido o meu número e que, desesperadamente, tentavam saber se familares ou amigos que estavam incontactáveis por acaso não estariam no avião acidentado. E, claro, da imprensa choviam também chamadas. A todos fui respondendo.

Num certo momento, chegou-me um telefonema da nossa embaixada, cujos serviços tinham encerrado há várias horas. Era a Carla Grijó. Estava a trabalhar na chancelaria. Disse-me ter já contactado a companhia aérea, as empresa da aeronáutica civil e a que gere os aeroportos, bem como a "permanência" do ministério brasileiro das Relações Exteriores. Durante as horas seguintes, provavelmente durante a madrugada, esperava ir tendo notícias e, quando houvesse certezas sobre a existência de portugueses a bordo, transmitir-mas-ia. Perguntei à Carla: "mas você não partia de férias amanhã de manhã?". Tenho presente a resposta que recebi. "Esqueça isso, embaixador, já adiei as férias. Temos de resolver isto primeiro".

A noite ia ser longa. Havia um português entre as vítimas. E iria ter uma conversa, que guardo para sempre, com a mãe dessa pessoa. 

Às vezes, quando ouço críticas à disponibilidade dos diplomatas em situações de crise, lembro-me deste episódio. Em particular do profissionalismo da Carla Grijó.

5 comentários:

Anónimo disse...

Este seu post, inteiramente justo, traduz se na promoção à categoria seguinte. Já!

Anónimo disse...

Não me espanta o que escreve, caro Francisco.

Antes de Brasília, Carla Grijó foi também uma excelente número 2 ( e número 1, quando Ana Gomes cessou funções ) na Embaixada de Portugal em Jacarta. Guardo excelentes recordações do trabalho conjunto em vários projectos culturais.

Sei ainda que é muito estimada em Rabat.

JPGarcia

Anónimo disse...

A Carla Grijo esteve comigo,durante o período em que me ocupei das negociações de Timor. Foi uma colaboradora inexcedível que a inteligência, dedicação e sensatez, juntava a sensibilidade, responsabilidade e cultura. Uma grande profissional, como este post confirma e uma grande amiga.
Fernando Neves

Anónimo disse...

Digamos que essa disponibilidade se estende a todo o Funcionalismo Público.
Quando é preciso, raramente se diz que não. Sou testemunha disso mesmo.

Francisco Guerra Tavares disse...

Caro Embaixador, tive a oportunidade de trabalhar com a Carla Grijó durante mais de dois anos enquanto diretor geral de administração. Em relação ao que diz só posso assinar por baixo. Recordo sempre que quando falámos pela primeira vez (para ocupar o lugar de diretora dos Recursos Humanos) lhe disse que para além da sensatez e conhecimentos que o lugar exigia, havia uma questão que era fulcral: aguentar e gerir o stress do lugar. Só posso dizer: Inexcedível.
E como alguém já disse, o funcionalismo tem muita gente dedicada, competente, com verdadeiro sentido de serviço público.