quinta-feira, 8 de julho de 2021

Brasil

As Forças Armadas brasileiras prometem reação “mais dura” caso a Comissão Parlamentar de Inquérito, criada para analisar os gastos na pandemia, volte a citar corrupção entre militares, segundo um comunicado emitido.

Pelo poder legislativo brasileiro e pela sua capacidade de não se deixar intimidar pela ameaças castrenses passa uma boa parte da saúde da democracia brasileira. 

No Brasil, como uma vez mais se comprova, o diabo veste farda.

3 comentários:

José disse...

"(...) O essencial que aqui hoje quero dizer é que se trata de uma excelente notícia que o presidente do Brasil, escolhido (bem ou mal, isso é outra história) pelo povo brasileiro, tenha podido mudar, a seu bel-prazer, todas as chefias militares sem que isso tenha provocado o “tilintar dos sabres”. O poder político legítimo manda, o poder militar obedece. É assim em democracia. (...)"


2021/04/02, FSC

Jaime Santos disse...

O José explique lá em que é que isso contradiz, de todo, o que o Embaixador está a dizer agora. Em democracia, o poder civil (executivo ou parlamentar) manda, dentro das suas atribuições, e os militares obedecem... O que é grave é que agora estes queiram ameaçar a comissão de inquérito tilintando os ditos sabres...

Flor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.