sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Sem fardas



É um grupo que se reune há mais de quatro décadas, composto por militares, do quadro permanente e milicianos. Hoje esteve quase “au complet”, com duas ou três faltas, registadas na ordem do dia, mas cabalmente justificadas.

De comum, para além da amizade que os une, todos têm o facto de estarem indiciados, desde há muito, pelas autoridades que se presume competentes, por terem participado ativamente num ato de sedição e de subversão da ordem constitucional, ocorrido no dia 25 de abril de 1974.

Nos dias de hoje, junta-os a luta contra qualquer tentativa de amnistia desse crime, o qual, curiosamente, nenhum nega e de que têm mesmo o desplante de afirmar que se orgulham, o que é uma óbvia agravante.

A Marinha prevalece no grupo, e por lá estava hoje o nosso grande Almirante. Da Força Aérea, tivemos um garboso General. O Exército estava representado a nível mais modesto, como se pode ver no canto direito da fotografia, onde se vislumbra um Tenente (até ver, ainda na reserva) de Administração Militar (especialidade de Ação Psicológica).

Foi um almoço, no Clube Militar Naval, conspirativo qb, em torno de umas alheiras de Freixo de Espada-à-Cinta, com vinho (14,5%) do Douro Superior. Os grelos eram magníficos! 

Mais uma grande jornada!

4 comentários:

PSICANALISTA disse...

Ou seja,os garbosos velhos do Restelo.
Operacionais gastrófilos,com rancho melhorado !!!
-Preparem é outro "golpe", que os Cidadãos espoliados deste Portugal de assimetrias sociais, agradecem encarecidamente !!!





Anónimo disse...

Carecas e alguns cabelos brancos qb! Uma foto "para mais tarde recordar"...

Anónimo disse...

Mulher não entra, como diria a Câncio!... eheheheh

Anónimo disse...

Melhor é recordar a desgraça de um país com perto de dez milhões de almas e que precisa de 700 mil funcionários públicos.

Com 300 mil fariam a mesma coisa, e o descalabro seria semelhante.