sábado, janeiro 22, 2022

Até que enfim!




Fim de todas as portagens? Claro que sim! E já vem tarde! E também dessa obrigação, iníqua e absurda, que é o ter de pagar a água, a eletricidade, o gás, a renda de casa ou proceder à liquidação de empréstimos aos bancos - esses agiotas! Antecedendo, claro está, essa medida essencial que é a gratuitidade da gasolina e do gasóleo. Algum partido falou disto? É o falas! Estão todos feitos com a Galp, a BP, a Repsol e companhia!

E também ninguém fala, já viram? na necessidade, urgente e imperiosa, da eliminação desse abusivo (e até incomodativo) hábito que é a apresentação da conta no final das refeições, nos restaurantes, ou à saída das lojas, depois de uma simples compra. Então, se precisamos das coisas (se não precisássemos, vá lá!) há direito de alguém vir pedir-nos dinheiro por elas?! É um absurdo, mas ninguém toma uma atitude! “Não se paga nada!“ tem de ser, mais cedo ou mais tarde, a palavra de ordem na vida portuguesa. 

Finalmente, o nosso país aproxima-se, fulgurantemente, do glorioso momento de libertação em que acabará por ser proposta, por algum partido decente, essa medida, básica e mais do que justa, que é o fim definitivo de todos os impostos - um inaceitável açambarcamento dos nossos recursos privados pela sinistra máquina do Estado, para alimentar calões e políticos, uma das maiores violências a que os cidadãos continuam a ser abusivamente sujeitos. É preciso “secar” de vez essa máquina deletéria que é a administração pública!

Têm dúvidas sobre a legitimidade desta medida? Ai sim?! Então por que razão ninguém tem a coragem de levar referendo - esse tão sensato e nada demagógico nem populista método de aferição de vontade coletiva - a simples pergunta: “Quer continuar a pagar impostos?” Têm dúvidas sobre o resultado do referendo? Eu não. Mas eles não têm coragem… Cambada de cobardes, é o que é! 

Anseio, alías, pelo dia em que seja igualmente aprovada a revogação da medida - iníqua, repressiva e iliberal - que é a proibição da caça aos gambozinos, decisão de matriz gonçalvista que, estranhamente, ainda persiste no ordenamento legal nacional. O PAN não gosta? E ninguém se importa com o que pensa a CAP? E dizem-se eles democratas! 

6 comentários:

José disse...

Então e ganhar sem trabalhar? Essa medida apresentada pelo Livre e apoiada pelo PAN?

Anónimo disse...

... e não é, precisamente, isso o que a extrema-esquerda implicitamente advoga, no âmago da demagogia que a faz viver? Quando uma responsável de topo defende, num 'embate' eleitoral, que, quanto a medidas sociais preconizadas, o custo será o que for, tudo ou quase tudo fica dito quanto à capacidade intrínseca por parte destas pessoas para, com uma réstia de lucidez, governar a República. Penso, mesmo, que só vão amealhando votos por a generalidade dos pouco educados eleitores ignorar que República significa 'coisa pública', 'o que é de todos nós'. Tivessem os eleitores essa noção, e não haveria geringonças espúrias aos ideais daquela democracia que ainda vai sendo o sistema menos mau entre quantos podemos escolher. Antonio Ladrilhador

Basket-Spot disse...

Pura demagogia misturar portagens com contas de gás e luz. Mas pronto.

Jaime Santos disse...

A ironia não se explica, de outro modo deixa de o ser. Mesmo àqueles que não a entendem...

Tony disse...

Sr. Basket-Spot
Não é demagogia. É ironia. E da fina! O Sr. Embaixador, ainda se esqueceu das escolas. Públicas, Privadas, tudo grátis. Os pais tem de ter a liberdade de escolha! Percebe?

Francisco Seixas da Costa disse...

Ó Toni! Isto de não ter filhos leva a lapsos imperdoáveis…

Macron

Uma coisa que Macron já provou não ser é ingénuo. O governo que escolheu é um formidável puzzle oportunista, cuja única coerência reside na ...