quinta-feira, janeiro 27, 2022

As placas

- Mas tenho mesmo de substituir as placas de matrícula do meu carro?
- Tem. Se for à inspeção, com elas neste estado, o carro “chumba”!
- Ó diabo! E fazem placas exatamente iguais?
- Em princípio, vêm já no novo modelo, sem ano e mês e com as letras e algarismos em sequência, sem aqueles dois tracinhos antigos.
- Mas esse é que é o problema! Eu quero continuar a ter as placas com os dizeres antigos.
- O senhor vai ao contrário de toda a gente! As pessoas fartaram-se de comprar placas novas, mesmo para carros muito velhos.
- Pois eu, não. Quero uma placa com os dizeres antigos, que revele a idade do carro. Acho uma saloiíce andar com um carro com muitos anos a “armar” que é moderno. Pode mandar fazer as placas como eu quero?
- Posso.
- Ótimo.

E assim foi.

7 comentários:

Flor disse...

Pessoalmente não gosto das placas novas. Sou da mesma opinião quanto aos carros velhos. Tenho um vizinho que tem uma carrinha BMW bem antiga e lá anda ela com placa das novas :)

Luís Lavoura disse...

Eu tenho muito orgulho em ter um carro com 26 anos de idade, e quero continuar a ostentar esse facto.

Jaime Santos disse...

Só é saloice se se fizer de propósito... Eu nunca me preocuparia com o que os outros pensam nessa matéria... Acho que nem me lembraria de tal coisa...

Agora, se gosta das placas assim ou assado, é lá consigo...

Flor disse...

Ora aí está uma palavra que diz tudo Luís Lavoura "ostentação". Salvo algumas excepções!

Lúcio Ferro disse...

A minha carripana é de 2004 e rola já nos 390 mil quilómetros. Material japonês. Tem matrículas novas, mas das antigas, essa agora. :)

S.Carvalho disse...

Abaixo a "aberração" que são as novas matrículas!
Agora a sério, dá-me um certo gozo ver alguns autênticos "chanatos", não tanto pela idade mas pelo estado decrépito em que estão,que por aí se vêem, ostentando orgulhosamente matrículas das novas.
Gostos.

Portugalredecouvertes disse...

Já alguém perguntou a opinião ao carro?!

Macron

Uma coisa que Macron já provou não ser é ingénuo. O governo que escolheu é um formidável puzzle oportunista, cuja única coerência reside na ...