quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Vai ser bem melhor!

É claro que o PCP e o Bloco fizeram muitíssimo bem ao terem rejeitado um orçamento que não aceitava as suas propostas!

É mais do que óbvio que, com um governo PSD/CDS, todas essas ideias irão ser recebidas com grande carinho.

10 comentários:

Jaime Santos disse...

O Povo diz e bem que mais vale um pássaro na mão do que dois a voar, e Costa não se esqueceu de lembrar que ao chumbar o Orçamento, a Esquerda à esquerda do PS vota contra, em nome dos seus princípios (e está no seu direito), de um bom número de propostas que não apenas subscreveria, mas que também reclamou, por isso é que estão lá.

E que também com o seu gesto porá fim a uma legislatura em que poderia bem alcançar outras conquistas em áreas que não estão sob a alçada orçamental.

Desejo-lhes muita sorte a convencer os seus eleitores tradicionais e potenciais que a defesa desses princípios vale bem a abdicação por parte desses mesmos eleitores da implementação de tais medidas.

Valeria a pena que por vezes esta Esquerda fosse mais marxista de tendência Groucho ´estes são os meus princípios e se não gostarem arranjo outros', em vez de marxista de tendência Chico, irmão de Groucho, 'em que vais acreditar, em mim ou nos teus próprios olhos'?

Ou arrisca-se que o Povo diga, citando Gil Vicente, 'antes quero asno que me carregue, que cavalo que me derrube'...

A.B. disse...

Um “não” da direita (chamemos-lhe assim) é diferente dum não da esquerda. É admirável que o caro embaixador leve isto tão a sério. Está certo, é o seu partido, são os seus amigos, mas na sua idade e sem filhos, com uma boa situação económica, eu estar-me-ia borrifando. Olhe, eu estou pior - e não gosto de nenhum.

disse...

Com o CDS moribundo e o PSD em ebulição!?! Não estou a ver a que governo de direita se refere. Acho que esse papão de facto não existe.

Jaime Santos disse...

A.B., claro que as motivações da Direita e da Esquerda para votarem contra o OE são distintas. O ponto é que a consequência para uns e outros é exatamente a mesma. E esta é boa para a Direita e má para a Esquerda.

zé, as pessoas não gostam de crises políticas e tenderão a punir aqueles que consideram responsáveis por elas, neste caso o PS, o BE e o PCP-PEV (o PS teve muita sorte de o PAN e as duas deputadas não inscritas se terem abstido, porque mostraram que o PS consegue entender-se com elas). Acresce o cansaço com a pandemia e a presente escalada de preço dos combustíveis que tenderá a punir o Partido no Poder.

É que mesmo que BE e PCP-PEV não sejam punidos por causa desta crise e até cresçam eleitoralmente, se a Direita ficar em Maioria, esses votos não lhes servirão para muito. Mas talvez a Esquerda prefira opor-se à Direita na rua a aceitar algo menos do que o que deseja do Governo do PS.

jose matos disse...

Uma aposta que o PS vai ter a maioria? -é sempre igual, em Portugal...

Luís Lavoura disse...

com um governo PSD/CDS

O Francisco tem que se atualizar: o CDS está em vias de extinção. Nas próximas eleições, só elegerá deputados se se coligar com o PSD e o PSD lhos der.

Jaime Santos disse...

José Matos, eu gostaria que o PS tivesse uma maioria (leia-se absoluta), mas é tudo menos certo que sequer ganhe as eleições (e a Direita toda junta pode ainda assim ter maioria absoluta se PCP-PEV e BE saírem muito enfraquecidos, e passamos a ser governados por uma geringonça à açoriana).

Como já expliquei, é natural que o PS também seja julgado como co-responsável pela crise. E depois, a epidemia está a resurgir, há os (eternos) problemas do SNS agravados pela dita pandemia e temos o espectro de uma crise energética e de combustíveis.

Aquilo que pode bem ser uma tempestade perfeita, de facto...

'Events, my dear boy, events', como dizia Harold McMillan...

Carlos disse...

Tal como Jaime Santos estou crente que o PSD vai ganhar as próximas eleições e governar … são 6 anos de António Costa com um governo muito desgastado, sem ânimo, nem os militantes do PS se revêm nalguns ministros, e um horizonte cheio de incertezas vão funcionar para canalizar um vento de mudança que já começou a soprar nas últimas autárquicas

É uma questão de olhar para a realidade é ter presente o impacto de dois anos de pandemia, dos erros da governação, e relembrar a própria demografia dos últimos resultados eleitorais. As gerações mais jovens não votam à esquerda. Elas e eles estão mais preocupadas consigo próprias, não estão mais imbuídos de ideários de solidariedade inter-geracional, sentem-se vítimas dos mais velhos que de acordo com a narrativa catastrofista sobre as alterações climáticas, lhes deixam um planeta a beira do caos.

E a fação do PSD que vai a eleições vai puxar ao máximo pela narrativa que Cavaco expôs no famoso artigo de há algumas semanas atrás… a fé na mão invisível do mercado, nas virtudes da destruição criativa que conquistou tantos adeptos durante o governo de Passos Coelho

Claro que está visão “liberal” enfrenta um problema de adesão à realidade e paradoxalmente apresenta algumas semelhanças no plano cognitivo com a crença do PC nas virtudes da ditadura do proletariado e do centralismo democrático. É a crença num dogma!,

O que significa no curto prazo: deixo só duas ilustrações

- se eu fosse um trabalhador na TAP começava já a procurar emprego e eu como português estou a preparar-me mentalmente para a ideia de no futuro ter de ir até Madrid para os voos de médio e longo curso - não há bom senso que resista às diatribes da Associação Comercial do Porto
- é melhor ir subscrever um seguro de saúde porque o SNS vai ser transformado num serviço de saúde mínimo com o dinheiro dos contribuintes a ser canalizado para financiar os grupos privados na área da saúde… veja-se o programa de Carlos Moedas para Lisboa

A.B. disse...

Caro Jaime Santos, a situação não é boa para a “direita” - entre aspas e excluindo o Sr. Ventura, que ainda não percebi o que é, além de idiota.
Há até por aí umas teorias conspirativas que atribuem a António Costa o propósito de fazer chumbar o OE, encostando ainda mais às cordas PCP e BE, a aproveitando a desorganização geral do PSD e CDS, entretidos a decidir quem iria ser o chefe daqui a uns anos, e sem tomarem sequer em consideração que o Orçamento que iam chumbar podia mesmo chumbar. O que é o equivalente a demolir a casa ficando lá dentro.
Junte a isto a inacreditável actuação do PR, oriundo dessa “direita”, aparentemente disposto a mexer em prazos definidos na lei eleitoral em favor dum partido, ou de um homem, oriundos do seu quadrante político - acredite que é uma atitude que não passa despercebida, como não passa despercebida a incompetência duma coisa a que chamam oposição, e que devia, por princípio elementar, estar sempre preparada para ser governo.

Jaime Santos disse...

Caro A.B., eu não acredito em teorias de conspiração e acho que o Carlos acima tem razão no que diz.

É que para cúmulo, o Rangel (ou o Rio) ainda lhes liquida (ao PCP-PEV e ao BE) a TAP e lá se vai o último reduto do Estado Estratega ou lá como se chama.

Bem podem desejar o Pedro Nuno Santos no Rato a mandar umas bojardas sobre como renegar a dívida para depois se coligarem com ele que não vai adiantar nada. Como dizia o Nick Cohen do Guardian, fizeram mais pelos mais pobres Blair e Brown em quatro horas de Governo que Corbyn em 4 anos de Oposição...

Eu até sou capaz de concordar com o fim da agonia, mas só se não for para ter que aturar o Sr. O'Leary na Portela :) ...

Mas concordo no essencial com o que diz. Para um PM desgastado por uma crise política, social, sanitária e econômica, Costa não poderia desejar melhor balbúrdia na Oposição, que agora vai do Chega ao BE (está à Esquerda do PCP), com o PR a ajudar (e muito) à festa.

Os Portugueses ainda podem acabar a dar-lhe a vitória porque pensarão, 'estamos fartos de ver gajo nas televisões, mas ao menos ele parece que sabe o que faz. Mal, mas sabe...' :) ...