quinta-feira, outubro 07, 2021

Racismo


Na diplomacia, no estrangeiro, herdamos relações sociais. À volta das embaixadas, de todas as embaixadas, em todos e de todos os países, pululam figuras que, por uma qualquer razão do passado, fazem parte da chamada “lista social” da casa.

Quando chega um novo embaixador, essas personalidades locais, que tanto podem ser diplomatas reformados como “socialites” da mais variada natureza (há uma quota abundante de “singles”, que dão imenso jeito para compor mesas, em falhas de última hora), quase sempre gente educada, fazem um subtil esforço para renovar os laços com o novo chefe da missão, o que lhes permite garantir convites para os dias nacionais ou a inclusão em jantares e outros eventos da embaixada. São, em geral, pessoas muito agradáveis, mas quase sempre inúteis sob o ponto de vista de préstimos para os interesses práticos da embaixada. Contudo, é indelicado “deixar cair” essas pessoas.

Os embaixadores recém-chegados, nos seus primeiros meses em posto, são, como regra geral, convidados por elas, incluídos em ocasiões sociais em suas casas, muitas vezes organizadas em honra do próprio diplomata. E aí irão conhecer outras pessoas, algumas interessantes, outras menos, o que lhes permite ir alargando um círculo de conhecimentos locais em que também vai assentar a convivência no seu tempo em posto. Quando partem, o sucessor herda essa teia de contactos.

Muitos dos jantares para que os embaixadores são convidados acabam por tornar-se numa inenarrável seca. Outros são-no menos, havendo técnicas de conversa que, em ocasiões-limite, podem ser utilizadas para “sobreviver”. Eu, como todos os meus colegas, fui criando algumas…

Em Paris, numa dessas ocasiões, num jantar em casa de gente muito rica, fiquei em frente a um cavalheiro que, desde o primeiro momento, percebi ter uma conversa um tanto incontrolável. Era um empresário já reformado, que conhecia Portugal, e que começou por me felicitar pela “sorte” de eu ter sido compatriota de Salazar, a quem fez imensos elogios. Em especial, a política africana do ditador merecia-lhe todos os louvores - “Et je connais très bien l’Afrique, monsieur l’ambassadeur!”. Fui tentando desviar a conversa, mas o homem teimava.

A dona da casa, uma senhora simpatiquérrima, também com fortes vínculos conservadores em Portugal, percebeu que as coisas não estavam a ir no caminho certo, e procurava introduzir outros temas. Mas sem sucesso. Estava-lhe a ser impossível isolar da conversa um dos quatro temas tabu clássicos, para ambientes de gente bem educada que não se conhece bem entre si: política, religião, dinheiro e “falatório” sobre pessoas ausentes.

A certo passo, o nosso homem, quiçá animado pelo excelente vinho francês que esta a ser servido, que complementava um extraordinário champanhe que tinha sido provado à entrada, começou a falar das colónias africanas e do papel histórico aí representado pelos países europeus. E saiu-se com esta, a propósito dos africanos: “São uns selvagens! Eu, confesso, sou racista”.

Na mesa, fez-se um súbito silêncio. Os franceses têm uma expressão para caraterizar estes momentos de coletiva paralisia: “un ange passe!”. A dona da casa voltou a tentar uma manobra de diversão, carreando para a conversa outro tema. Mas, qual quê!, o palavroso amigo não desarmava. E eu voltei à ribalta: “Et vous, monsieur l’ambassadeur? Comme tout le monde, vous êtes aussi un peu raciste, non?”.

A mesa olhou para mim. Eu, sem “espaço”, tive uma súbita tentação de arrogante chauvinismo lusitano (embora a expressão seja adequadamente francesa) e, muito sério, respondi: “Moi? Non, monsieur, je suis pas raciste. Je suis portugais”. E olhei-o fixamente, com a cara fechada.

Imagino que ninguém por ali acreditasse, por um instante, que os portugueses não fossem (também) racistas. Nem eu próprio acreditava. O racismo não tem fronteiras e é óbvio que há imenso racismo para cá do Caia. A colonização portuguesa, salvo para alguns líricos ou hipócritas, está imbuída dele até às entranhas do império, com discriminações e todos os vícios de qualquer processo de colonização. (Ah! E desde já aviso que não entro na velha e relha avaliação quantitativa de que os portugueses são menos racistas do que outros povos ou que, no plano qualitativo, de que a nossa colonização foi ”melhor” do que as outras.)

Aquela minha cartada verbal defensiva foi entendida por todos, com naturalidade, como uma benévola manobra para procurar calar o meu impertinente interlocutor. Porém, ao dizer o que disse, naquele ambiente franco-francês bem conservador, eu deixava implicitamente uma nota de que ser francês talvez fosse, em matéria de racismo e (vá lá, de xenofobia) uma coisa bem diferente do que era ser português. Os portugueses que viviam em França sabiam isso bem! Só o excesso do palavroso convidado me tinha dado um alibi para dizer ali uma frase que, não obstante ser curta, era diplomaticamente bem pesada.

A conversa mudou. O homem, tanto quanto me lembro, calou-se e manteve-se, a partir daí, silencioso, pelo menos até à chegada do Armagnac, que terá vindo com o café, que foi servido depois das “profiteroles”.

Por que é que me lembrei disto? Porque me chegou ontem, pela Amazon, o último livro de Éric Zemmour, o surpreendente “cometa” que, nos últimos meses, emergiu na cena política francesa, que as sondagens, de há horas, colocam já à frente de Marine Le Pen e logo abaixo de Emmanuel Macron, para as presidenciais francesas do próximo ano. E Zemmour, esse sim, é claramente racista e xenófobo.

(Já estou a imaginar alguns amigos a perguntar: “Então mandaste vir um livro de uma figura de extrema-direita?”. Comigo a responder: “Eu quase só leio coisas com que não concordo!”)

5 comentários:

pvnnam disse...

O europeu-do-sistema XX-XXI é exactamente da mesma laia do europeu que se vendeu a interesses económicos de índole esclavagista/colonialista (construtores de caravelas e outros).
Estes europeus da mesma laia:
- renegaram o Ideal Identitário (ter o seu espaço, prosperar ao seu ritmo);
- projectaram uma economia partindo do pressuposto da existência de outros como fornecedores de abundância de mão-de-obra servil (pois é: boys ao serviço do esclavagismo);
- executaram as mais variadas sabotagens sociológicas anti-intenções-Identititárias que prejudicavam interesses económico-financeiros de índole esclavagista/colonialista (pois é: boys ao serviço do colonialismo).
.
.
O problema do europeu do sistema XX-XXI não é Identidade... é... cidadanismo de Roma!
Este europeu não gosta de trabalhar para a sustentabilidade!
De facto, este europeu quer é estar na gestão de saque da nacionalidade; ora (em vez de trabalhar para a sustentabilidade):
- este europeu quer é estar na gestão de atribuição da nacionalidade;
- este europeu quer é estar na gestão de atribuição de vistos de trabalho.
.
.
Tendo em vista branquear o seu cidadanismo de Roma no planeta, o europeu-do-sistema XX-XXI (portador de uma hipocrisia absolutamente épica) procura silenciar/penalizar os autóctones Identitários:
-> quando um autóctone Identitário discute a constituição de uma sociedade economicamente sustentável, isto é ele discute a valorização de todos os trabalhadores necessários à sociedade,... o europeu-do-sistema XX-XXI quer que esse autóctone Identitário seja silenciado/penalizado sob a acusação de ser um "racista" que não está disponível para receber a abundância de mão-de-obra servil que os supremacistas demográficos (africanos e outros) estão disponíveis para fornecer;
-> quando um autóctone Identitário discute a constituição de uma sociedade demográficamente sustentável... [nota: tal como está explicado no blog "Origem Tabu-Sexo" (http://tabusexo.blogspot.pt/) não interessa o sexo, nem o estado civil... leia-se: promover a monoparentalidade, sem beliscar a parentalidade tradicional, e vice-versa, é a evolução natural das sociedades tracionalmente monogâmicas],... o europeu-do-sistema XX-XXI quer que esse autóctone Identitário seja silenciado/penalizado sob a acusação de ser um "racista" que não está disponível para receber a abundância de demografia que os supremacistas demográficos (africanos e outros) estão disponíveis para fornecer.
.
.
.
-> Urge um movimento pan-europeu de liberdade/distância/separatismo em relação aos europeus remanescentes do esclavagismo.
(SEPARATISMO-50-50)
.
--->>> Reivindica Liberdade/Distância/SEPARATISMO!!!
.
SEPARATISMO-50-50
Todos Diferentes, Todos Iguais... isto é: todas as Identidades Autóctones devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta -» INCLUSIVE as de rendimento demográfico mais baixo, INCLUSIVE as economicamente menos rentáveis.
.
obs: os 'globalization-lovers', UE-lovers, etc, que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa.
.
-» blog http://separatismo--50--50.blogspot.com/

Luís Lavoura disse...

Zemmour é claramente racista e xenófobo

1) Ele é racista a favor de que raça? Dos judeus (que não são propriamente uma raça, mas admitamos que, para ele, são)? Dos franceses (que também não são uma raça)? Dos brancos? Dos arianos? É que ele próprio não é bem branco, ele é um argelino judeu, portanto é assim a modos que um rafeiro...

2) É interessante que seja xenófobo (= contra os estrangeiros) quando ele próprio não é bem francês, ele é um argelino que, por ser judeu, os franceses tiveram a caridade de resgatar quando abandonaram a Argélia... Ele foi resgatado, será que agora se opõe a quaisquer novos resgates?

disse...

O Éric Zemmour tem vindo a desenvolver uma trajectória descendente desde os tempos do "on n'est pas couché". Ao pé do actual, o Éric daquele tempo seria quase um intelectual conservador moderado. A entrevista que deu no "on est en direct" foi tenebrosa. Probre Léa Salamé que teve de aturar aquela besta.

José disse...

Agora que está estabelecido quem é o "mau", é preciso encontrar o "bom".

Nada como guiões simples, para contentar o pessoal.

Entretanto, dá para perceber que já está em campo a campanha contra o "mau". Na pior das hipóteses, qualquer medíocre será... "bom".

Jaime Santos disse...

O José tem toda a razão. Entre o Rato Mickey e Zemmour eu votaria no Rato Mickey... E você ficaria na Oposição, imagino...

Claro que já sei que irá provavelmente pensar que eu sou estúpido, mas na verdade é mais racional obter-se 20% do que se quer do que 100% do que se não quer... É por isso que não me repugnaria votar em Haddad contra Bolsonaro, ou em Macron contra Le Pen, ou em Clinton ou Biden contra Trump, ou naquele candidato conservador que foi derrotado por Chavéz quando a Venezuela era apesar de tudo uma democracia, etc, etc...

Infelizmente parece que há quem, à Esquerda e à Direita, prefira acreditar na pureza de princípios e ficar em casa no dia das eleições... Diz-se que Lenine tinha um nome para essas pessoas, cuja boa educação me impede aqui de nomear...

A Nato, a Rússia e a Ucrânia

A tensão atual NATO-Rússia parte de duas realidades incontroversas e potencialmente conflituantes entre si. De um lado, está o tropismo ocid...