domingo, junho 06, 2021

Tempos de antena

Digo isto há anos: somos das poucas democracias do mundo onde políticos eleitos têm colunas regulares na comunicação social, uma espécie de “tempos de antena”. 

Estou a falar de colunas, pagas ou não, não de artigos pontuais, note-se. E falo de imprensa, não de órgãos de propaganda, como são o “Avante!”, o “Povo Livre” ou o “Acção Socialista”.

Conhecem algum político eleito que escreva regularmente uma coluna no “The Times”, no “El País”, no NYT, no “Le Monde” ou no “Corriere della Sera”?

4 comentários:

AV disse...

Estes tempos de antena extra não dão um bom sinal em termos de maturidade democrática. São também um sintoma de uma cultura política fechada e redutora.

Luís Lavoura disse...

Também devemos ser dos poucos países do mundo em que políticos eleitos fazem comentário futebolístico a favor de clubes, desta forma desacreditando tanto os partidos pelos quais são eleitos como os clubes a favor dos quais comentam.

josé ricardo disse...

Caro embaixador, pode dizer isso há anos - e eu acredito - mas não se tem notado. Aliás, nós somos um país suis generis quanto à relação dos políticos com o povo na sua vertente mais popular: políticos comentadores de futebol, comentadores a comentar política e, no dia seguinte, a comentar a jornada futebolística, na qual só existem três clubes (o futebol é, sem dúvida, a atividade menos democrática que existe em Portugal).
Devo dizer-lhe, senhor embaixador, que pessoas como o senhor, como grande conhecimento do dia a dia de outros países civilizados e probidade intelectual, têm especiais deveres na tentativa de alterar o estado mental das televisões portuguesas que abrem telejornais com as marquises do Cristiano Ronaldo.
Diga-me: existe algum país na Europa com tanto tempo de antena com o futebol, em canais noticiosos? Eu não sei, mas adivinho: não existe.
Quando se discute o atraso cultural, cívico de Portugal, talvez fosse interessante olharmos para estas pequenas coisas.

Jaime Santos disse...

Muito mais curioso é o facto de termos televisões a promover obras 'literárias' ou sobre 'a História Escondida de Portugal', ou lá o que é, escritas por pessoas que trabalham nos canais (e em posições de relevo)...

Se há um conflito de interesse, ele reside aí...

E isto é independente da qualidade das obras, que é provavelmente nula. Os políticos que fazem comentário político ao menos percebem alguma coisa do que falam...

Rushdie

Salman Rushdie, celebrado escritor britânico, de origem indiana, foi ontem alvo de um atentado, numa universidade americana, sendo esfaquead...