domingo, 23 de agosto de 2020

Porto


É das cidades onde me sinto melhor. No Porto, tenho sempre a sensação de estar em casa. Talvez porque, minha infância, ir ao Porto era ir à civilização, pelo Marão curvoso ou pela linha que então desaguava em São Bento. Da varanda traseira da casa de uns tios, na Ramada Alta, avistava o mar ao fundo, olhava aquela imensidão de casas e luzes, via passar um comboio que me diziam que ia para a Póvoa e sentia que aquilo é que devia ser a vida! Um dia, o destino mandou-me mesmo para lá, supostamente para estudar, na prática para usufruir da liberdade que Vila Real não me tinha nunca dado. Perdi-me, claro, nas muitas coisas e nas longas noites. Em dois anos, concluí, com esforço, duas cadeiras de Engenharia, ambas com notas a rasar os mínimos. Não tivesse eu saído a tempo do Porto e aquela cidade seria a minha perdição. Mas voltei lá sempre, todos os anos, sem exceção, para rever amigos, flanar por ruas que conheço como os dedos das mãos, comer em belos restaurantes, folhear nos alfarrabistas. Quando ouço amigos lisboetas dizer que se confundem no trânsito do Porto, gabo-me de saber ali conduzir por quelhas e desvios, pelo meio de bairros de que nem ouviram falar, eles que, na rádio, ao verem referido o Nó de Francos ou Bessa Leite, não têm a menor ideia do que isso pode ser. Nos últimos anos, o trabalho tem-me levado imenso ao Porto. Amanhã, vai ser o lazer. Todo o pretexto é bom para ir ao Porto.

8 comentários:

Anónimo disse...

Concordo! Mas, diminuir a viagem em 20 minutos à custa de dezenas de euros não vai fazer os lisboetas lá irem mais vezes.

Dulce Oliveira disse...

Conheço o Porto há meia dúzia de anos e foi amor à primeira vista.
Devido a um filho que por lá assentou arraiais, visito uma ou duas vezes por mês
Almoçamos, passeamos, uma festa!
Não percebo porque é que há gente que afirma ser o Porto uma cidade feia

Unknown disse...

À Dulce Oliveira
É que "quem o feio ama, bonito lhe parece"...
MB

Anónimo disse...

Para mim, o Porto, que vinha de cidades como Lourenço Marques e Lisboa, representou da primeira vez ( anos 70) um certo atraso: uma cidade velha, suja, escura, acanhada, com ruas intransitáveis e gente que dizia asneiras e não respeitava filas para os autocarros. Não fiquei fã, desde aí. Mas conheço mal a cidade.

Anónimo disse...

Há 38 anos fiz a 1º visita ao Porto. Recordo uma cidade de província, escura, suja, mal tratada ao nível urbano, mas com comida belíssima e barata.Recordo as tempestades dentro do carro no castelo do queijo onde a água galgava o carro e eu inconscientemente ai parado a observar as ondas. Recordo ao domingo o passeio dos tristes de Entre-os-Rios sempre de braço dado ao Douro a desembocar na ribeirinha do Porto e comer nos restaurantes junto ás linhas de ferro.

Passados vinte e muitos anos voltei ao Porto, e já encontrei uma cidade muito bonita,moderna, mas mantendo tradições. Gostei de ver,e de me surpreender positivamente com a cidade do Porto,com um respeitável senão (defeito de Benfiquista) o clube ao Porto associado.Mas, verdade seja dita, o Estádio do Dragão tem uma arquitectura exterior muito mais bonita que o meu estádio da LUZ.

Gostei de voltar ao Porto.

Portugalredecouvertes disse...

o Porto é lindo!

Luís Lavoura disse...

Eu também não faço ideia do que sejam a "segunda descida do Feijó" nem "os cabos dávila" que enfeitam os relatórios sobre o tráfego lisboeta.

Anónimo disse...

O Lavoura devia conhecer melhor o país! Quer o Feijó, quer a zona dos Cabos d'Ávila são belos locais a merecerem uma visita sua quando vier à capital. Faça a si mesmo esse gostinho.