sábado, 29 de agosto de 2020

Lídia Jorge



O prémio de Literatura em Línguas Românicas, da FIL Guadalajara, acaba de ser atribuído a Lídia Jorge. 

Trata-se de uma distinção criada em 1991, que reconhece um escritor vivo com uma obra relevante de criação em qualquer género literário – poesia, romance, teatro, conto ou ensaio – cujo meio de expressão seja espanhol, catalão, galego, francês, italiano, romeno ou português. 

Um beijo de parabéns, Lídia, num ano em que o vírus lhe trouxe uma imensa tristeza familiar.

7 comentários:

Portugalredecouvertes disse...

Parabéns à Sra. D. Lídia Jorge :)

FATY disse...

Um abraço de Parabéns. Bem merecida. Eu sou uma conterrânea.

María De Fátima Graça disse...

Parabéns. Merecida.
Uma conterrânea
Maria de Fátima Graça

Anónimo disse...

Nunca li nenhuma obra de Lídia Jorge, por a supor ideologicamente comprometida ( contra a guerra colonial, etc). Ainda sob os efeitos da descolonização, não era o que me apetecia ler. Ao mesmo tempo, a senhora seduzia-me pela sua calma, educação e elegância. Terei que lhe dar o benefício da dúvida e encetar a leitura da Costa dos Murmúrios.

Anónimo disse...

FSC tem, por vezes, umas descaídas para a inconfidência.
Ninguém precisa de saber se a senhora teve ou deixou de ter tristezas familiares, não acha? O que é que isso acrescenta aos parabéns pelo prémio? Nada.

Anónimo disse...

Que inconfidência? O falecimento da mãe de Lídia Jorge foi público! Que insensibilidade!

Anónimo disse...

"31 de agosto de 2020 às 23:38"

"Que insensibilidade!" ???!!!