quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Algo


Por esta quadra, com a regularidade do Natal dos Hospitais, as televisões mostram o Ambrósio a desiludir os malandros que esperavam outra resposta ao pedido da bela senhora “à la fourrure” a quem apetece algo. O “algo” que o Ambrósio “tomou a liberdade” de providenciar são os chocolates Ferrero Rocher, que imagino que se devem vender bastante bem, para justificar uma publicidade tão intensa.

Um dia, quando vivia em Paris, tive direito a uma reportagem sobre o quotidiano do embaixador de Portugal que então era, para a revista de um jornal português. O jornalista autor da peça fazia-se acompanhar de uma fotógrafa local (sei que agora deve dizer-se fotojornalista, mas sou assim). Chamava-se Capucine, nome com inescapáveis ressonâncias para os cinéfilos de bom gosto.

Recordo-me que era uma mulher lindíssima, com uns olhos inesquecíveis, que andou connosco o dia inteiro, para obter imagens muito variadas, em diversos locais da cidade. O dia, ao que me lembro, passou a correr. O jornalista teve entretanto mais que fazer e o trabalho acabou no Trocadero, comigo e a Capucine a bebermos um “demi” no “Le Coq”. 

Foi aí que ela fez uma pergunta estranha: “Há muitos chocolates Ferrero-Rocher na sua embaixada?” Aquilo intrigou-me. Por que diabo teria de haver?

Explicou-me ela que, no imaginário francês corrente, aquela marca de chocolates é muito associada à vida diplomática, ao ambiente tido por glamoroso das embaixadas. Só mais tarde confirmei que, de facto, a nossa retratista não tinha inventado a história. O mito de que as representações diplomáticas vivem “obrigatoriamente” inundadas daquelas almôndegas doces existe mesmo em França.

Na ocasião, expliquei à nossa excelente fotógrafa que nunca tinha ouvido falar nessa curiosa ligação. E garanti-lhe que só por um acaso aquele chocolate existiria na residência da nossa embaixada. Não verifiquei.

Lembrei-me há pouco dela, da bela Capucine, ao rever, pela enésima vez, a senhora de chapéu classicamente elegante a dizer ao fardadíssimo Ambrósio que lhe apetecia algo, imagino que com este a pensar “o que tu queres sei eu!“ Ferrero-Rocher, claro!

10 comentários:

Anónimo disse...

Caro Francisco,

Há cidades em que a Ferrero Rocher oferece, por alturas do Natal, várias dezenas de chocolates às Embaixadas nelas acreditadas. Eu vi.

Um abraço

JPGarcia

Anónimo disse...

Se calhar, à belíssima Capucine também apetecia algo...

AV disse...

O mito deve vir do anúncio publicitário da Ferro Rocher https://youtu.be/4P-nZZkQqTc

Anónimo disse...

Parece-me que o tema do Ferrero Rocher foi um pretexto para recordar a linda Capucine! Não há uma foto para podermos comparar o que deverá prevalecer: o chocolate ou o chocolate? Votos de festas felizes. JG

dor em baixa disse...

Ferrero-Rocher, Marco Ferreri. Chocolates, "A Grande Farra". Associações, enfim.

AV disse...

Lembrei-me de repente do que penso ser essa reportagem, escrita pelo sempre excelente Ferreira Fernandes. O título, muito bem apanhado, ficou-me sempre na memória, ‘O nosso homem em Paris’.

Majo Dutra disse...

Foi uma conclusão grosseira... A senhora precisava de mimo...
Foi por essa visão de trolha que mudaram o anúncio. Perdeu
a Ferrero Rocher e muito. Sem o «algo» a graça cedeu lugar
à deceção.

Quero esclarecer que por usar o gerúndio com propriedade
e ser uma Dutra, não sou brasileira.
Descendo do ramo resistente dos descendentes de De Utra
que permaneceu na ilha do Faial, insulares em vias de
extinção.

FELIZ NATAL, BOAS FESTAS.
~~~~~~~~

Luís Lavoura disse...

Majo Dutra,
também há uma cantora açoriana Raquel Dutra, salvo erro de São Miguel.
Vem de Jacob van Huerter, o colonizador flamengo do Faial. O mesmo que deu nome à cidade da Horta.

Anónimo disse...

O João Garcia tem razão, em Roma as embaixadas recebiam uma autêntica árvore de Natal de Ferrero Rocher. O Ferrer é a. maior fortuna de Italia
Fernando Neves

Portugalredecouvertes disse...


com ou sem Algo,
São os dois como o pai Natal,
não envelhecem :)

e anunciam os dourados das prendas, e da magia da iluminação natalícia,

Boas Festas, Sr. Embaixador !