terça-feira, 8 de junho de 2010

O véu

Laurence Ferrari é a imagem de serenidade que, de segunda a sexta-feira, apresenta o telejornal de TF1. "Utilizo-a" para sossegar o espírito, preparando-me assim, cerca de uma hora antes, para o trauma diário do "pacote" de acidentes, crimes & desgraças correlativas, do continente e ilhas, que os nossos jornais televisivos nos irão servir logo de seguida.

A jornalista francesa, cuja delicadeza pessoal verifico ser compatível com um jornalismo rigoroso e acutilante, mas isento de histeria e agressividade medíocre, foi objeto de vários comentários  na imprensa, por ontem ter sido vista a entrevistar o presidente iraniano, usando na cabeça um véu que cobria os seus cabelos loiros. Nada que, como já vi no passado, seja incomum a prestações similares, por parte de colegas suas, em idênticas situações. 

Porém, como a questão do uso de vestuário feminino em ambientes islâmicos (convém notar, para alguns menos atentos, que os iranianos são islâmicos mas não são árabes) está aqui muito presente em França, o tema não deixou de ser especulado por alguns comentadores. Em resposta, Ferrari limitou-se a dizer, e bem: "respeito as regras dos países onde vou". 

Estes são temas polémicos e, nos tempos que correm, acabam por ser dramatizados e às vezes caricaturados. A meu ver, devemos abordá-los com sentido de respeito pelos usos e costumes de cada um, atendendo, em especial, às sensibilidades culturais e religiosas que convocam. Temos o dever de não ser "eurocêntricos" na sua abordagem, embora devamos cuidar em que as nossas próprias formas de estar devam ser objeto de idêntico respeito. Aprendi nesta vida diplomática que o bom-senso, nisto como em tudo, resolve muitos problemas.

A relação com os iranianos levanta uma outra questão protocolar, por vezes desconhecida: os homens iranianos não cumprimentam as senhoras com a mão, porque entendem que, por razões religiosas que não vem ao caso analisar, não devem com elas ter um contacto físico, na esfera social. Assim, para saudar as senhoras que lhes são apresentadas, levam apenas a mão ao peito e fazem uma leve saudação com a cabeça. Já tenho visto muitas senhoras ocidentais, desconhecedoras desta prática, ficarem de mão estendida...

Há cerca de uma década, em Portugal, tive uma experiência curiosa, num pequeno-almoço de trabalho que organizei, num hotel, com uma delegação do Irão, chefiada por um membro do respetivo governo. Fui para esse encontro acompanhado de quatro senhoras, diplomatas e técnicas do MNE, que estavam bem conscientes desse costume. Ao ver-nos entrar, fiquei com a sensação, pela cara dos nossos interlocutores, que a delegação iraniana terá, por alguns instantes, ficado com a impressão de estar a ser vítima de uma provocação, pela quantidade de senhoras que me acompanhava, pouco comum no seu país.  Saudaram-nas ao seu jeito, mas permaneceram estranhamente silenciosos.

Como o ambiente me parecia algo tenso, decidi passar de imediato à mesa. Aí, tudo ficou bem claro: apresentei a minha chefe de gabinete, a diretora do serviço para a política exterior europeia, a responsável pelo departamento que cobria a área do Médio Oriente e a chefe do serviço para as relações económicas internacionais. Todas essas qualificadas funcionárias ali estavam, por direito próprio das funções que exerciam. Os iranianos ter-se-ão assim dado conta, julgo que com alívio, traduzido em alargados sorrisos e na imediata contribuição para um ambiente distendido, que era a lógica do saudável equilíbrio de género, na área diplomática portuguesa, que justificava tão forte presença feminina do nosso lado da mesa. E toda a reunião correu muito bem.

6 comentários:

Anónimo disse...

"A meu ver, devemos abordá-los com sentido de respeito pelos usos e costumes de cada um, atendendo, em especial, às sensibilidades culturais e religiosas que convocam"

Inteiramente de acordo
Dissociar a Pessoa do Seu Todo
Bio-Psico-Social-Cultural -Espiritual-individual é despi-la sem consentimento informado.

Para além do bom senso da expressão "Na terra para onde vás, assim como vires, assim farás." ...

Isabel Seixas

Anónimo disse...

O véu

Era o meu foco de atenção e de distração principalmente nas Missas de Domingo quando era Miúda...

Havia véus ...

Casei-me sem véu(Há precisamente 25 anos), achei melhor(nunca descurando a sensualidade).
Isabel Seixas

margarida disse...

"Na terra para onde vás, assim como vires, assim farás." ...é muito preceito ocidental, mais cordato, liberal, tolerante e prático.
Sucede que (em especial) os muçulmanos assim não praticam, daí, p.ex. a polémica relativa ao véu integral em França (e não só).
A arte da diplomacia às vezes escapa-se-me e apetece-me (isso é do mau génio) dizer-lhes: não gostam? Voltem para as vossas terras e parem de nos atazanar.
Sou uma maçada, eu.
Foi prudente não ter seguido essa carreira... (ainda iniciava uma guerra!)
:)))

Anónimo disse...

Anda tanta gente a falar do Irão sem saber rigorosamente nada do país. Conheci, há relativamente pouco tempo, duas iranianas em Madrid, fervorosamente oposicionistas ao regime. Mas, a pagiunas tantas. diz-me uma delas: "Nós queremos mudanças em Teerão, mas aqui(Europa e ocidente em geral) fazem(a imprensa)um retrato incorrecto do país. Não sabem do que falam ou escrevem. Quem não estiver atento até parece que não há distinção entre o Irão e a Arábia Saudita!!!".
Esclarecedor.
Rita

Anónimo disse...

Dizer seja a quem for "voltem para as vossas terras" pode ser o início de coisas muito más.

margarida disse...

Pois pode, 'anónimo(a)', daí que se não diga, mas lá que se sente, ah isso...
Sobretudo depois de, como é apanágio de gente de bem, se receberem e acolherem irmamente e depois morderem as mãos que os afagaram (por assim dizer).
A História mundial tem episódios medonhos de sobreposição e aniquilação culturais e isso pretende-se evitar a todo o custo, ou seríamos crescentemente selvagens e não 'civilizados' como se deve.
Mas existem mundos que são ninhos de serpentes.
E estes não são receios vagos, nem 'mitos urbanos'.
Para não nos alongarmos, apenas uma tragédia: 11 de Setembro.
A mansidão às vezes paga-se caro...
And I rest my case.