sexta-feira, 4 de junho de 2010

Jean Moulin

Ontem à tarde, numa conversa em Lyon com o "prefet" da região Rhône-Alpes, Jacques Géraud, falámos de Jean Moulin, o corajoso líder da Resistência francesa à ocupação nazi, durante a 2ª guerra mundial. A propósito da sua clássica fotografia que acima se reproduz, o meu interlocutor revelou-me que o cachecol nela exibido por Moulin se destinava-se a disfarçar a grande cicatriz provocada por uma tentativa de suicídio, evitada pelos alemães durante a sua prisão.

Jean Moulin viria a fugir da prisão para, tempos mais tarde, ser de novo capturado em Lyon, num ato de traição. Violentamente torturado, viria a morrer de maus tratos às mãos de Klaus Barbie , o "carniceiro de Lyon", também responsável por uma imensidão de mortes, quase todas precedidas de extrema violência. No final da guerra, Klaus Barbie foi recrutado pelos serviços secretos americanos, que utilizaram a sua "expertise" anti-comunista, tendo-se posteriormente refugiado na Bolívia. Em 1983, foi extraditado para França, onde foi julgado e ficou preso, em Lyon, até à morte.

Há uns anos, em Londres, um grande empresário português asseverava a pés juntos, num jantar, perante quem quisesse ouvi-lo, que tinha a certeza que Klaus Barbie era o nome de um boneco que acompanhava a Barbie...

7 comentários:

Manuel Antunes da Cunha disse...

Dessa foto fala o escritor Jorge Reis, no primeiro capitulo do seu livro "Memoria resguardada" (Ed. Lusophone).
Em "O M'siu da Barateira, o autor (que recebeu o Prémio Camilo Castelo Branco em 1962 por "Matai-vos-uns aos outros")conta dois encontros casuais com Jean Moulin, em Lisboa, nos primeiros dias de Outubro de 1941.
Da segunda vez, em S. Pedro de Alcântara, J. Moulin (que se fazia chamar Joseph-Jean Mercier) estaria a desenhar o pano de fundo, da Penha de França até ao mar da Palha.
Tera sido anos depois, ao ver a famosa foto que Jorge Reis reconheceu o francês da cicatriz...

Rubi disse...

E' a qualidade intelectual do empresariado luso por terras de sua majestade!!!

margarida disse...

Ken.
O boneco da Barbie é o Ken.
...
Eis um exemplo da Realpolitik.
Os 'meus' americanos foram, são e serão pródigos na praxis da coisa.
Asqueroso, dar a mão a um biltre semelhante.
Não 'ao inimigo'(isso até pode ser sinal de nobreza); a uma coisa abjecta.
Mas suponho que 'outros valores' se levantem.
Que mereçam tal descida aos infernos e que - não tenhamos ilusões - sucede a toda a hora, em todo o mundo.

...às vezes invejo profundamente os eremitas.
E os simples, os insanes.
Há uma dada paz no desconhecimento e no limbo, a que só os anjos têm direito.

Santiago Macias disse...

Não deixa de ser uma amarga ironia que a Univ. Jean Moulin / Lyon 3 tenha um núcleo de professores com ligações mais que evidentes ao Front National. O membro mais destacado é Bruno Gollnisch (antigo diplomado em SciencesPo), prof. na Faculdade de Línguas e conselheiro regional em Rhône-Alpes pelo FN. Quando, há anos, andei pela academia de Lyon, as movimentações de extrema-direita no seio do corpo docente causavam preocupação. Não tenho motivos para pensar que agora seja diferente. Se Jean Moulin soubesse...

Helena Sacadura Cabral disse...

Espero que esse empresário não seja da banca que o governo apoiou...
É que qualquer desses estultos rapazes era capaz da resposta!

Filipe Pereira disse...

também ontem um documentario interessantissimo num canal francês apresentou um aspecto menos conhecido da vida de Jean Moulin: pois desenhador e caricaturista de grande talento logo na juventude, Moulin sonhava integrar as belas artes. o que o pai dele nao deixou. e por isso foi estudar direito e tornou-se "Préfet". continuou a desenhar, usando pseudonimo e até chegou a criar uma galeria de arte jà durante a guerra e apesar do seu grande activismo de resistente ao nazismo e à ocupaçao. Hoje encontram-se obras de Jean moulin nos museus de Quimper e Béziers.
Ao descobrir esse outro Jean Moulin, lembrei-me de Abel Salazar, que toda a vida soube conjugar diversos talentos, desde o desenho ao militantismo pela liberdade.

Julia Macias-Valet disse...

Caro Embaixador,
Sabendo-o bom gastronomo deixo-lhe aqui uma morada (que provavelmente ja conhece) a nao perder :

Restaurante La Régalade
49, Avenue Jean Moulin
75014 Paris

Caro Santiago,
Lyon é uma cidade que tem reputaçao de ser "coincé" e ultra conservadora. Nao me espanta nada o que nos dizes : (